Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
PROSPECÇÃO DE OURO APLICADA: MAGNETOMETRIA TERRESTRE E MAPEAMENTO DE SUPERFÍCIE, RESULTADOS PARCIAIS NA PROVÍNCIA AURÍFERA ALTA FLORESTA, MUNICIPIO DE MATUPÁ – MT
Weslley Guimarães Silva, Pedro Maciel De Paula Garcia, Sergio Júnior da Silva Fachin

Última alteração: 09-10-19

Resumo


Localizada a Norte do Estado do Mato Grosso e geologicamente na porção centro-sul do Cráton Amazônico, a Provincia Aurífera Alta Floresta (PAAF) ocupa porções das províncias geoltectônicas Ventuari Tapajós e Rio Negro Juruena, caracterizadas geneticamente como arcos magmáticos formados no paleoproterozóico. Através de uma malha de linhas de caminhamento com aplicação de geofísica de magnetometria terrestre além de descrição das litologias, estruturas e mineralizações de uma área na porção nordeste da PAAF, com o mapeamento de superfície, geração mapa em semi-detalhe, de escala 1:5000 de toda a área de estudo, com a individualização dos litotipos e caracterização estrutural das rochas aflorantes, dando ênfase à relação de litoestruturas e mineralizações, esse trabalho objetiva delimitação dos melhores alvos exploratórios. Se compreendeu aqui como metodologia o levantamento bibliográfico; levantamento geofísico através da aplicação do método da magnetometria e levantamento geológico das áreas, através da descrição dos litotipos e mineralizações expostos, levantamento litoestrutural; o trabalho de escritório, de produção de mapas de localização, tratamento de fotos,  estereogramas, processamento de tabelas de banco de dados de medidas de bússola. A área se caracteriza por uma região de pastagem com morrotes de formato elipsoidal de composição granítica/ granodioritica. As respostas do levantamento por magnetometria terrestre objetivam detectar pontos com maior concentrações de material que apresente respostas magnéticas ao método, indicando assim possível maior incidência de metais e, deste modo, alvos preliminares são indicados no tratamento em regiões que tendem a apresentar bons índices de alteração, quando a rocha está exposta. O pacote apresenta deformações por eventos de transcorrência e alteração hidrotermal de nível epitermal, conferindo à rocha leve estiramento mineral e intensa alteração de cloritização e sericitização, além de enriquecimento de potássio e sílica (k-feldspato e quartzo), com concentrações locais de maior intensidade e que geraram sulfetação disseminada, com pirita, calcopirita, bornita e menos comuns arsenopirita e ouro livre visível a olho nu.  O pacote é ainda afetado por veios de quartzo com poucas ocorrências de mineralização de Au livre e diques máficos, afaniticos a composição de gabro, com comum presença de vênulas de hematita, por vezes apresentam boxworks e raramente são cortados por veios de quartzo. Em termos estruturais, os morrotes são bem marcados em um padrão de fraturamento de direção NNW, evidenciando também o contato da maior parte dos corpos tabulares dos diques e veios. O sistema de faturamento predominante NW gerado a partir das reativações tectônicas decorrentes do processo de colagem dos terrenos acrecionários da PAAF sugere ser condicionado pela zona de cisalhamento transcorrente, principal responsável pela geração das alterações e mineralizações nas rochas do pacote. As mineralizações são associadas a zonas de alteração hidrotermal que produziram halos de alteração com paragêneses epiteramais nas rochas primarias afetadas pelo cisalhamento transcorrente. A maior concentração de alterações de potássio e de sílica suscita maior perspectiva de aglutinação mineral nessas rochas. Nesse contexto, porções do pacote com maiores índices de alterações, proximais a zona de cisalhamento e de maior índice de contagem de pintas de ouro puderam ser determinados alvos preliminares prioritários nesta análise.


Palavras-chave


Provincia Aurífera Alta Floresta, Hidrotermalismo, Prospecção, Paleoproterozoico, Ouro, Magnetometria