Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
RISCO DE SUICÍDIO ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E FATORES ASSOCIADOS
Camille Francine Modena, Samira Reschetti Marcon

Última alteração: 24-10-19

Resumo


Introdução: O comportamento suicida pode ser conceituado através de um continuum que inicia com pensamentos de autodestruição (ideação), estendendo-se a ameaças e desta forma as tentativas de suicídio e finalmente o ato consumado, o suicídio. Reconhecendo o suicídio como um ato que quase sempre é pensado, planejado e precedido por tentativas, esse espaço de tempo possibilita que ocorram intervenções preventivas imediatas e efetivas. A Organização Mundial da Saúde destaca que o suicídio é um ato que pode ser evitável, de modo oportuno e com intervenções eficazes por meio de identificação precoce, tratamento e apoio adequado. O comportamento suicida está presente nas diversas populações. Entre jovens as estatísticas demonstram aumento no número de casos e ressalta-se que nesta fase da vida geralmente é marcada pela inserção no ensino superior, o que acarreta múltiplas mudanças na vida dos estudantes, marcados muitas vezes por desafios e incertezas quanto ao seu percurso profissional que podem originar problemas de saúde mental tornando-os mais vulneráveis a comportamentos suicidas. Diante disso, compreendendo o suicídio como um evento que pode ser prevenido, a identificação do risco de suicídio se faz necessária justamente para possibilitar intervenções impedindo sua ocorrência. Esta pesquisa é parte de um estudo multicêntrico que será realizado nas 05 (cinco) regiões brasileiras intitulado Saúde Mental do estudante de graduação no Brasil – um estudo multicêntrico. Objetivo: Analisar o risco de suicídio entre estudantes de graduação de uma universidade pública e sua associação com variáveis sociais, demográficas, econômicas e de saúde. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal, que será realizado na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) com estudantes de graduação no ano 2020. Compreenderá aproximadamente 1.089 indivíduos que serão selecionados por amostragem aleatória sistematizada em único estágio, tendo como unidade amostral as turmas. Os dados serão coletados utilizando-se questionários autoaplicáveis e confidenciais, com os seguintes fatores e instrumentos a serem analisados: a) Risco de Suicídio: Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI); b) questionário elaborado com características sociais, demográficas, econômicas e acadêmicas; c) Depressão: Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9); d) Ansiedade: General Anxiety Disorder-7 (GAD-7) e Social Phobia Inventory (SPIN), o MINI-SPIN; e) Estresse: Escala de Estresse Percebido; f) Uso de álcool, tabaco e outras substâncias: questionário autoaplicável com 11 perguntas; g) Atividade física: International Physical Activity Questionnaire (IPAQ; h) Apoio Social: Escala de apoio social utilizada no Medical Outcomes Study; i) Discriminação: Everyday Discrimination Scale. A análise dos dados será realizada de forma descritiva e inferencial aplicando técnicas estatísticas de acordo com o comportamento dos dados. Considerações Finais: Acredita-se que o risco de suicídio tenha associação com as variáveis demográficas, econômicas, psicossociais e de saúde, de modo que a sua identificação precoce nos estudantes universitários possibilite a intervenção adequada e a implantação de politicas específicas contribuindo para a diminuição do fenômeno nesse grupo populacional.


Palavras-chave


Risco de suicídio; estudantes; universitários