Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Avaliação e caracterização in silico e in vitro da atividade antimalárica e antitumoral de Beta amino cetonas – Bases de Mannich
Gabriela Camila Krombauer, Túlio Resende Freitas, Renata Rachide Nunes, Ezequias Pessoa de Siqueira Filho, Fernando de Pilla Varotti, Bruno Antonio Marinho Sanchez

Última alteração: 09-10-19

Resumo


A reemergência de doenças infectoparasitárias, como a malária, e o aumento de casos de doenças não transmissíveis, como o câncer, preocupam especialistas no mundo inteiro. Apesar da malária e do câncer serem diferentes em múltiplos aspectos, as incidências atuais de ambas têm despertado interesse na busca de substâncias e no desenvolvimento de fármacos que possam vir a ser eficazes no tratamento destas. Neste estudo, foram realizados ensaios a fim de observar efeitos antimaláricos e antitumorais de nove moléculas sintéticas. As moléculas foram obtidas a partir da reação clássica de Mannich, sendo identificadas como: AB1, BB1, CB1, DB1, BRANCO B1, AC1, BC1, CC1 e BRANCO C1. As nove moléculas foram submetidas à ensaios in vitro para a avaliação da atividade antitumoral com uma linhagem de adenocarcinoma de mama (MDA-MB 231). A fim de entender o mecanismo de ação antitumoral, foi realizado um ensaio de mecanismo de ação da molécula AB1 com caspase-3, para a avaliação do mecanismo de apoptose celular. Além disso, realizou-se triagem virtual inversa dos compostos utilizando o banco Brazilian Malaria Molecular Targets (BraMMT), constituído de 34 alvos moleculares pertencentes ao Plasmodium falciparum. Nos ensaios de citotoxicidade antitumoral in vitro, a molécula AB1 obteve o resultado mais satisfatório com valores de IC50 igual a 4,60. Com relação ao mecanismo de ação, os resultados demonstram que a molécula AB1 provoca apoptose nas células tumorais, apresentando um significativo potencial antitumoral para a linhagem celular estudada. Por meio dos ensaios in silico observou-se que houve ligação de todas as moléculas testadas com pelo menos 1 alvo do Plasmodium falciparum; vale ressaltar que houve interação de todas as moléculas com o alvo Ferredoxina-NADP+ redutase (2OK8). Ocorreu ligação da molécula BC1 com 6 dos 34 alvos do parasita. Por meio desses resultados observa-se a potencialidade das moléculas para a posterior realização de ensaios in vitro de atividade citotóxica, antimalárica e de análises físico-químicas. De acordo com a capacidade antitumoral da molécula AB1, novos estudos serão necessários para o prosseguimento e desenvolvimento de ensaios para a avaliação do seu potencial antitumoral in vivo.


Palavras-chave


moléculas sintéticas; antimalárico; antitumoral