Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Digestibilidade de Fontes de DDGS para Suínos
Igor Willian Wrobel Straub

Última alteração: 02-10-19

Resumo


O Bioetanol representa um dos mais importantes biocombustíveis para transporte automotivo. Em 2013, a produção mundial de bioetanol alcançou 88 bilhões de litros, com projeções de aumentos na produção anual até 2020 (OECD-FAO, 2011). No Brasil, a busca por soluções alternativas para o consumo do petróleo, desde a década de 1970 até hoje, e a preocupação com a poluição ambiental e a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera reforçam cada vez mais a importância da produção comercial dos biocombustíveis, neste contexto, o Brasil ocupa lugar de destaque mundial. O fomento nacional para produção de biocombustíveis tornou-se maior nos últimos anos através de políticas públicas como aquelas que impõem à inclusão de etanol nos combustíveis a base de gasolina. O Mato Grosso é o segundo produtor de milho do país concentrando cerca de 24,5% da produção nacional (Conab, 2016), com projeções de aumento da área plantada e de produção 85,8 e 113,2% até 2025, respectivamente (IMEA, 2015). Desde o final do ano 2012 as usinas vem diversificando suas matérias-primas e trabalhando com milho e sorgo no processo de produção de etanol. Atualmente o Estado de Mato Grosso conta com três usinas em operação que utilizam, além da cana-de-açúcar, cereais para produção de etanol utilizando 373.649 ton de grãos na safra 2015-2016 (SINDALCOOL, 2016). Além disso, outras quatro usinas estão em fase de implantação no estado. Com a produção do etanol a partir do milho e sorgo de forma pioneira no Brasil, projeta-se a disponibilidade dos coprodutos conhecidos como grãos secos destilados com solúveis ou dried distillers grains with solubles (DDGS). A possibilidade de uso de coprodutos na alimentação animal permite vislumbrar aspectos de sustentabilidade na cadeia produtiva além de agregar valor considerável na produção de proteína de origem animal a partir de produtos de baixo custo. Em particular, destaca-se a produção de suínos, que possui grande potencial de uso de alimentos alternativos e cuja atividade no estado de Mato Grosso configura-se como uma das maiores do país, sendo atualmente o quinto maior estado produtor de carne suína do país e possuindo um plantel de mais de 98.000 matrizes industriais alojadas (ABIPECS, 2015).O DDGS já vem sendo estudado em outros países como nos Estados Unidos onde a décadas são produzidos esses coprodutos, por existem pesquisas sobre o DDGS produzido nesses países, o que se espera é que os grãos produzidos aqui com genética, qualidade e clima diferente dos de lá, produzam também coprodutos com características distintas o que proporciona respostas inéditas desse coproduto quando comparada a respostas já existentes na literatura internacional. A partir disto o objetivo é, com esta pesquisa e dissertação, determinar a energia metabolizável de grãos secos destilados com solúveis (DDGS) de milho oriundos de plantas de produção de etanol do Mato Grosso a partir de ensaios metabólicos com suínos. Espera-se que o coproduto produzido no estado siga o padrão de produção já visto internacionalmente, respeitando as diferenças já citadas entre a produção nacional e internacional.

Palavras-chave


DDGS; Suínos; Coproduto.