Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Avaliação hidrossedimentológica de uma microbacia hidrográfica na região Amazônica
Cássio Fernando Simioni, Frederico Terra de Almeida, Alexander Claro Garcia, Alan Gabriel, Iago Galvan Mattos, Rafael de Jesus dos Santos, Marcelo Henrique Brito Cardoso, Juliana Marestoni Simões

Última alteração: 25-10-19

Resumo


Bacia hidrográfica é a unidade territorial utilizada para o gerenciamento dos recursos naturais. Dentro da grande bacia amazônica, existem muitas microbacias que carecem de dados concretos, principalmente, em relação ao uso e ocupação do solo e do gerenciamento dos seus recursos hídricos. Um exemplo disso é a microbacia do rio Caiabi, localizada na região médio-norte do estado de Mato Grosso. O rio Caiabi é um afluente do rio Teles Pires, importante rio da bacia amazônica, com imenso potencial para irrigação e que conta com diversos empreendimentos hidroenergéticos em seu curso. Além disso, como a economia dessa região está atrelada ao agronegócio, a insurgência da temática ambiental exige maiores observações e informações a fim de garantir a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais, principalmente, solo e água. Nessa perspectiva, a avaliação hidrossedimentológica da microbacia hidrográfica do rio Caiabi pode fornecer uma fonte de dados de interesse multidisciplinar e, antes de tudo, ambiental. A seção fluviométrica do estudo está instalada na fazenda Jaboticabal, a 35 km no município de Sinop (MT), onde se encontram em operação um pluviômetro, um turbidímetro e um linígrafo da marca SOLAR Instrumentação. Nos trabalhos de medição direta nessa seção, a vazão líquida é medida com um molinete do modelo MLN-7, da fabricante JCTM Ltda, enquanto que o procedimento de amostragem para sedimentos em suspensão é realizado com um amostrador modelo US DH-48 e, para sedimentos de fundo, um amostrador modelo US BLH-84. Em laboratório, as amostras de sedimentos em suspensão são filtradas para determinação da concentração em miligramas por litro, enquanto as amostras de sedimentos de fundo passam por secagem e peneiramento para determinação de peso seco e granulometria. A partir do processamento dos dados brutos das medições diretas estamos relacionando vazão líquida com vazão sólida para obter uma curva-chave de sedimentos da seção. Um segundo objetivo deste trabalho é verificar a viabilidade em se determinar outra curva-chave de sedimentos, porém, de maneira indireta, baseando-se nos dados do linígrafo e turbidímetro. Antes disso, o turbidímetro passará por calibração a fim de que suas medidas em milivolts sejam representativas para a concentração de sedimentos na seção.


Palavras-chave


sedimentação, assoreamento, previsão, turbidez