Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Perspectivas ayahuasqueiras sob múltiplos olhares
Ana Carolina Magalhães Rocha

Última alteração: 11-10-19

Resumo


A ayahuasca é uma palavra de origem quíchua que significa liana dos espíritos ou ainda cipó da alma, dos falecidos. Apesar de haver poucos registros a respeito disseminação da ayahuasca, os relatos partem de uma tradição ritualística do império incaico. Conhecida como um enteógeno de uso tradicional por alguns povos indígenas na Amazônia, esse vem sendo incorporado em rituais de núcleos urbanos, e em diferentes contextos nos últimos tempos no Brasil. Trata-se de uma bebida composta de duas plantas: o cipó Banisteriopsis caapi e a rubiácea Psychotria viridis que são fervidas juntas durante muitas horas. Mediante diversas abordagens psicológicas, neurológicas, culturais ou religiosas, esses processos foram sendo incorporados em rituais não-indígenas nos grandes centros urbanos. Beatriz Labate diz que as relações que perpassam o uso ritualístico da ayahuasca formam uma rede de multiplicidades de atores e lugares, tornando maior a eficácia do chá. O uso ameríndio da ayahuasca é de significância cosmológica e uma dinâmica de reprodução cultural, porém não é de uso autóctone por etnias mato-grossenses. No entanto, algumas etnias começam a fazer o uso deste chá, partindo dos rituais no meio urbano, como nos mostra o trabalho de Tânia Stolze Lima com o povo Yudjá. No Núcleo do Santo Daime, o que me chamou a atenção foi a diversidade de doutrinas e elementos religiosos, e pareceu-me grande a harmonia social dos grupos que utilizam a ayahuasca. Essa fusão de diferentes universos religiosos leva a uma linha de investigação, ver se os indígenas que utilizam este chá encontram-se confirmados nos seus desejos de conexão com suas tradições. Este trabalho tem como proposta fazer o rastreamento destes fatos e averiguar se isto vem ocorrendo na região de Cuiabá, com os indígenas de etnias que vem fazendo o uso do chá em núcleos como o Santo Daime e a UDV. Busco compreender a diversidade de denominações, mitos de origem, símbolos e rituais que estão em torno do chá, pois me questiono se estamos sempre diante de um mesmo objeto quando pretendo inventariar seus usos rituais por indígenas no meio urbano.

Palavras-chave


ayahuasca; indígenas; perspectivas.