Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
SITUAÇÃO IMUNOPROFILÁTICA COM VACINA BCG DOS CASOS E CONTATOS DE HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS EM ESTADO HIPERENDÊMICO
FABIANE VERÔNICA DA SILVA, SILVANA MARGARIDA BENEVIDES FERREIRA

Última alteração: 24-10-19

Resumo


A hanseníase na população infanto-juvenil corresponde a um indicador de transmissão ativa da doença na comunidade. Sendo que, os menores de 15 anos constituem uma faixa etária de vulnerabilidade a infecção e desenvolvimento da doença, a qual reflete negativamente em sua vida biopsicossocial. A vacina Bacillus Calmette-Guérin (BCG), corresponde uma das ações prioritárias na prevenção e controle da hanseníase, visto que confere proteção da ocorrência da doença em até 80% dos casos, esse fator protetor aumenta quando administrada a segunda dose da vacina, diminuindo o risco do desenvolvimento da doença e a incidência das formas multibacilares. No Brasil, indica-se a administração da BCG entre os contatos de hanseníase, em especial os domiciliares, que não apresentam sinais e sintomas da doença, independente da classificação operacional do caso índice e de acordo com o histórico vacinal do indivíduo, visto a vulnerabilidade de exposição ao bacilo. Nessa conjuntura, busca-se analisar a situação imunoprofilática com vacina BCG dos casos e contatos de hanseníase em menores de 15 anos no Estado de Mato Grosso. Trata-se de um estudo ecológico de série temporal e distribuição espacial. O estudo corresponde a uma das etapas do projeto de pesquisa de doutorado vinculado o Programa de Pós- graduação em enfermagem da Universidade Federal de Mato Grosso, intitulado: Imunoquimioprofilaxia na prevenção em contatos de hanseníase em menores de quinze anos, aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa com seres humanos da Universidade de Cuiabá, sob parecer nº 2.336.028. Os participantes do estudo serão os menores de 15 anos notificados e registrados no sistema de informação de agravos de notificação (SINAN/MT) como caso novo de hanseníase nos anos de 2008 há 2018 e os menores de 15 anos que convive ou conviveu com o doente denominados contatos domiciliares.  Realizará um linkage destes casos e contatos com o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI/MT) no mesmo período, afim de identificar a situação vacinal de BCG entre a amostra e ocorrência da doença em suas formas operacionais.  Serão analisadas as variáveis independentes, relacionadas aos fatores de exposição e dependentes associados a doença. Será realizado uma análise de correlação de regressão linear, a partir do método de Prais-Winsten, para analisar as taxas, crescente, quando a série temporal for considerada positiva; decrescente, quando for negativa e estacionária quando não houver significância entre o seu valor e zero. O tratamento dos dados ocorrerá por meio do software Excel 2013 e a análise pelo software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Por seguinte a análise estatística, realizará uma distribuição espacial dos casos e contatos de hanseníase segundo a situação vacinal, por meio do software ArcGIS 9.3 (ESRI Corp.).

Palavras-chave


Hanseníase. BCG. Contatos domiciliares.