Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE MERCÚRIO E SUAS INTERAÇÕES COM O AMBIENTE EM FLORESTAS INFLUENCIADAS PELA EXPLORAÇÃO MINERAL NA ZONA DE TRANSIÇÃO ENTRE CERRADO E AMAZÔNIA NO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL
Gabriela Cristina Rabello Casagrande

Última alteração: 08-10-19

Resumo


O mercúrio, considerado um poluente perigoso, possui concentrações tóxicas no ar, água e solo sendo ameaças ambientais crescentes, principalmente em áreas de mineração. O ciclo biogeoquímico do mercúrio envolve emissões diretas (antropogênicas ou não), transporte atmosférico, deposição para terra e oceano e volatilização. A atmosfera desempenha papel fundamental na dispersão global e na deposição de mercúrio. Em áreas susceptíveis à contaminação por mercúrio esse elemento pode ser encontrado facilmente em florestas devido a vasta área superficial das folhas, que aumenta a adsorção desse elemento disperso na atmosfera. Ecossistemas tropicais ganham particular importância devido às grandes quantidades de biomassa contidas nessas áreas tornando-as grandes sumidouros de mercúrio atmosférico. A disseminação do mercúrio, além da via atmosférica, também é expressiva em corpos hídricos. Como a distribuição do mercúrio está associada à ação dos elementos presentes no ambiente, principalmente das plantas, a estrutura da vegetação em um gradiente vertical pode influenciar a dinâmica desse elemento. Além da distribuição vertical, associasse a este estudo a condição do nível de exploração garimpeira com base em um gradiente horizontal ligado ao rio Peixoto de Azevedo, que devido à exploração em suas margens e afluentes pode ser considerado um dispersor desse metal na região. Dessa maneira, nosso estudo busca compreender a distribuição espacial (vertical e horizontal) do mercúrio no ambiente florestal em área de influência da exploração garimpeira na zona de transição entre Cerrado e Amazônia no Norte de Mato Grosso, Brasil.


Palavras-chave


Metal; Plantas; Ciclo do Mércurio