Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A concepção da mulher independente
Yasmin Nobre Silva

Última alteração: 08-10-19

Resumo


Esta pesquisa tem por objetivo defender que o conhecimento apresentado como neutro ao ter sua neutralidade analisada não se sustenta como tal, mas se monstra tendencioso, privilegiando apenas os interesses de um lado da sociedade. Os privilegiados são os que historicamente estão no poder; homens brancos e enriquecidos, e este privilégio altera de forma substancial toda a definição de humanidade, porque tais definições são fundadas no conhecimento de mundo que estesujeitos supostamente generalistas apresentam como o único e definitivo modo de conhecer e de explica-lo. No capítulo anterior demonstrei como as mulheres estiveram subalternizadas e excluídas do processo de definição da humanidade; sendo assim proponho agora uma discussão puramente epistemológica para demonstrar e questionar essas afirmações de “conhecimento neutro” postuladas ao mundo.

Será apresentado na primeira seção as noções fundamentais de epistemologia, para que seja conceituado a noção de epistemologia social e a sua implicação no conceito de uma epistemologia feminista, neste contexto surge a discussão de uma epistemologia não localizada, por meio do conceito de ponto de vista.


Palavras-chave


Mulher; sociedade; conhecimento