Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
FORMAÇÃO CONTINUADA DE FORMADORES DE PROFESSORES DOS CEFAPROS DE MATO GROSSO
Rosimeire Dias Camargo, Filomena Maria de Arruda Monteiro

Última alteração: 01-10-19

Resumo


A presente investigação vincula-se à linha de pesquisa Organização Escolar, Formação e Práticas Pedagógicas, se insere no contexto de discussões sobre formação continuada e, mais especificamente sobre a formação e atuação dos formadores. A questão de pesquisa “Que concepções de formação e práticas formativas perpassam os documentos oficiais utilizados na formação continuada desenvolvida pelos formadores do Cefapro e de que forma o formador ressignifica essa concepção na sua atuação profissional” sinaliza para uma investigação em que objetiva compreender como as instituições responsáveis pela formação continuada legitimam a formação de professores através dos documentos oficiais de política e de seus arranjos curriculares e como os formadores de professores experienciam suas práticas formativas na sua atuação profissional. O estudo apresenta como abordagem teórico-metodológica a Pesquisa Narrativa, tendo como referencial teórico os autores canadenses Clandinin & Connelly (2015). Conforme enfatiza Moita (apud NÓVOA, 2007, p. 116/117) esta  abordagem permite compreender de um modo global as interações que foram acontecendo entre as diversas dimensões de uma vida. O estudo em andamento encontra-se na fase de produção dos textos de campo e transcrição dos materiais produzidos pelos participantes e análise dos documentos produzidos pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso. Participam da pesquisa 08 (oito) formadores, com formações em pedagogia, matemática e biologia/química. Desse total, 04 (quatro) formadores possuem pós graduação em nível de mestrado, 02 (dois) estão em fase final do mestrado e 02 (dois) possuem graduação e especialização. Em relação ao tempo de atuação, podemos considerar o grupo de formadores como profissionais experientes, pois o tempo de exercício docente varia entre 08 (oito) a 31 (trinta e um) anos, e como formador, a atuação é de 03 (três) a 10 (dez) anos, portanto temos formadores, que segundo Garcia (1999), Cunha (2011), Vaillant; Marcelo (2012) são iniciantes, embora tenham experiência no exercício docente em sala de aula, mas diante de um novo contexto, precisam mobilizar novas aprendizagens e especificidades da atuação profissional. Iniciamos os estudos com a leitura e análise dos documentos oficiais que tratam das Políticas de Formação Continuada, emitidos pela SEDUC/MT, com o objetivo de identificar nos referidos documentos que concepção de formação está expressa para subsidiar os processos formativos dos professores e formadores. Ao proceder as leitura das narrativas que compõem os documentos orientativos, observamos que ao longo dos anos de implementação das políticas de formação a concepção de formação continuada vem avançando no sentido de acompanhar as discussões atuais acerca do desenvolvimento profissional dos docentes. Os documentos apresentam uma concepção de formação continuada que trás a compreensão de formação ao longo da vida, ou seja, ao que se entende por desenvolvimento profissional docente. Conforme expresso no documento Orientativo Pedagógico […] a formação é um processo de desenvolvimento dos profissionais, o qual deve ocorrer em seu contexto de trabalho. É neste espaço que os professores constroem novos conhecimentos e práticas (2017, p.153). Assim, considerando a perspectiva de formação centrada na escola, conforme enfatiza Imbernón (2011), o lócus privilegiado do exercício permanente de ação-reflexão-ação, observamos que a concepção  de formação  expressa nos documentos oficiais, reforça a importância de se estabelecer processos formativos a partir das necessidades formativas dos professores, pautando-se na relação entre teoria e prática, que mobilizem processos reflexivos para uma prática pedagógica com maiores possibilidades de alcançar as mudanças necessárias.


Palavras-chave


Professor Formador; Cefapro; Desenvolvimento profissional; Pesquisa Narrativa