Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
“É MELHOR JAIR SE ACOSTUMANDO”: as condições discursivas para a produção do bolsonarismo no Facebook
LAION LOESTER DE PAULA DIAS GONÇALVES, DANIE MARCELO DE JESUS

Última alteração: 13-10-19

Resumo


Desde 2010 o uso das redes sociais em campanhas políticas se tornou cada vez mais frequente pelos candidatos à presidência do Brasil (BRAGA; CARLOMAGNO, 2018). Mas foi em 2018 que a disputa eleitoral representou a importância das redes sociais para o resultado das urnas com a vitória de Jair Bolsonaro à presidência da República (BBC, 2018).  Nesse atual contexto do capitalismo de vigilância (ZUBOFF, 2018), a rede social facebook é um dos principais ambientes virtuais em que instituições, indivíduos e grupos colocam em ação tecnopolíticas em busca de modular condutas sob jogos de poder e contrapoder (BRUNO, et al, 2018). Assim, as tecnopolíticas no Facebook se fazem primordialmente na linguagem na medida as informações produzidas pela atividade social na internet são o substrato de suas ações. Desse modo, o discurso se insere como variável elementar na difusão de ideias e valores. No entanto, para que qualquer conjunto de novos enunciados ganhe aderência social, há a necessidade que estes dialoguem com as prenoções do “público alvo” e realizem encadeamentos de ideias para produzir efeitos persuasivos (AMOSSY, 2018a). Portanto, levando-se em conta as atuais tecnopolíticas de um lado (BRUNO, et al, 2018); e do outro, a perspectiva teórica do discurso de Ruth Amossy (2018a, 2018b), levanta-se o seguinte problema de pesquisa:  como que prenoções conservadoras e patrióticas existentes na sociedade brasileira foram moduladas pelas tecnopolíticas digitais na construção do discurso bolsonarista no facebook? Para responder a esse problema, o objetivo dessa pesquisa se resume em traçar as condições retórico-discursivas (AMOSSY, 2018a) mobilizadas pelas tecnopolíticas (BRUNO, et al, 2018) num contexto global do capitalismo de vigilância (ZUBOFF, 2018). A fonte de dados da pesquisa consiste em enunciados de postagens em várias páginas públicas de alto encalce no facebook. O método de coletada de dados se baseou no procedimento técnico chamado “bola de neve” onde uma página de interesse a pesquisa leva a outras páginas correlatas (FRAGOSO; RECUERO; AMARAL; 2016). A pesquisa utilizou métodos quantitativos na acumulação e cruzamentos dos dados para produção de resultados estatísticos (FIELD, 2014); e também métodos qualitativos na classificação e interpretação dos enunciados sob a teoria do discurso de Ruth Amossy (2018a; 2018b). Os dados construídos até então indicam que as condições discursivas do bolsonarismo está distribuída em diversos nichos temáticos de páginas no facebook: páginas de gênero jornalístico, religioso, empresarial, cômico, esportivo, político e militar. Nessas páginas encontra-se distribuídos enunciados cristãos, meritocráticos e patrióticos que dialogam com os discursos bolsonaristas.  Disso se extrai algumas conclusões parciais. O bolsonarismo não foi simplesmente mérito da competência retórica de Jair Bolsonaro, mas também está sob condições discursivas já previamente operantes no sistema de ideias e valores da sociedade brasileira.  E que, sob contextos políticos - escândalos de corrupção (DIONÍSIO; CAMARGO; VIANNA, 2016), econômicos – recessão (POCHMANN, 2016) e culturais - publicização de afetos LGBTQ e conquista de direitos de minorias (GREEN et al., 2018; MARTINS, 2018) surgiram discursos reativos que foram tanto mais eficazes quanto mais mobilizaram prenoções do imaginário social brasileiro.

Palavras-chave


discurso; facebook; Bolsonaro