Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Poluição por microplásticos no Pantanal da América do Sul
Érika de Faria

Última alteração: 08-10-19

Resumo


Os microplásticos são uma ameaça para os ecossistemas de água doce e seu estudo nas planícies de inundação ainda é incipiente. Os tributários urbanos e as várzeas naturais do Pantanal da América do Sul, um patrimônio natural, foram amostrados para identificação de microplásticos, determinação de contagem e tamanho. Foi utilizado uma rede de plâncton com malha de 68 µm, com um copo de coleta de 150 ml para a coleta de água. O tamanho médio dos microplásticos encontrados foi de 192 ± 142 µm. A média da concentração de microplásticos padrão foi de 9,6 ± 8,3, variando de 1 a 31 n100L-1. As fibras, fragmentos, pellets e partículas de XPS (espuma de poliestireno) representaram respectivamente 50%, 19%, 22% e 9% do total de microplásticos. As concentrações de microplásticos foram maiores nos tributários urbanos (19,9 ± 5,8 n100L-1) do que nas planícies do Pantanal (4,5 ± 2,5 n100L-1). As fibras sempre foram a fração mais importante, seguida pelos fragmentos. Os resultados de composição e tamanho sugerem que os pellets são transportados da área urbana para o Pantanal, enquanto as microfibras e fragmentos também podem ter uma origem local. Esses resultados indicam que os microplásticos estão contaminando o Pantanal e seus afluentes e, eventualmente, podem afetar a fauna local.


Palavras-chave


várzeas; ecossistemas de água doce; microplásticos