Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Atividade larvicida de chalconas substítuidas contra Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) e organismos não-alvos.
Sabrina Ketrin Targanski, Marcos Antônio Soares

Última alteração: 08-10-19

Resumo


O aumento nas populações de Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) resultou em um aumento significativo no número de arboviroses, como a Dengue, Zica e Chikungunya. É importante a busca e indicação de novas estratégias eficientes e ambientalmente amigáveis no combate ao mosquito vetor. Neste trabalho, chalconas substituídas foram utilizadas no combate a larvas de terceiro estágio Ae aegypti e a toxicidade ambiental avaliada. As chalconas larvicidas selecionadas foram [(2E) -1,3-Difenil-2 -propeno-1-ona (C1), (E)-3-(4-Bromofenil)-1-fenilprop-2-en-1-ona (C2); (2E)-3-(4-Clorofenil)-1-fenil-2-pro-pen-1-ona (C3); (2E)-3- (4-Bromofenil)-1-(2-piridinil)-2-propen-1-ona (C4); (E)-1-(4-Bromofenil)-3-fenilprop-2-en-1-ona (C5); (E)-3-(4-Metoxifenil)-1-fenilprop-2-en-1-ona (C6); (E)-3-(4-Bromofenil)-1-(furan-2-il) prop-2-en-1-ona (C7); (E)-3-(Furan-2-il)-1-fenilprop-2-en-1-ona (C8); (E)-3-(Furan-2-il)-1-(4-metoxifenil) prop-2-en-1-ona (C9) e (E) -1-(4-Fluorofenil)-3-(furan-2-il) prop-2-en-1-ona (C10)]. Alguns destes compostos resultam em 100% de morte das larvas, sendo que o composto (C6) foi o mais eficientes, em apenas 30 minutos. O composto (C6) demonstrou leve toxicidade à microalga Chorella vulgaris e (C5) demonstrou baixa toxicidade a larva do inseto Galleria mellonela. Os demais compostos não foram tóxicos para estes organismos não-alvo. As chalconas larvicidas (C1-C8) e (C10) foram tóxicas para a espécie de microalga Scenedesmus obliquus. A chalcona C9 não apresentou toxicidade aos organismos não-alvos testados. As chalconas substituídas demonstraram propriedades larvicidas em larvas de Ae aegypti constituindo alternativa para o controle de populações deste vetor.


Palavras-chave


Síntese, Larvicidas, Vetores.