Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Idenficação das espécies de Leishmania pela técnica de PCR-RFLP e descrição histopatológica das lesões dos pacientes com leishmaniose cutânea atendidos no HUJM
HELEN AGUIAR LEMES DA SILVA

Última alteração: 09-10-19

Resumo


A leishmaniose tegumentar é causada por protozoários do gênero Leishmania. Os exames parasitológicos, exame histopatológico e a reação em cadeia de polimerase são de extrema importância para identificar a presença do parasita. O objetivo deste trabalho foi identificar as espécies de Leishmania e descrever as carcteristicas histológicas da lesão da pele dos pacientes com leishmaniose cutânea atendidos no HUJM. A identificação da espécie de Leishmania foi feita pelo PCR/RFLP do gene HSP70. Nas análises feitas com material de 50 pacientes foi possivel identificar: Leishmania brasiliensis, Leishmania guyanensis e Leishmania amazonensis. As características histopatológicas das úlceras foram categorizadas em 4 tipos: reação exudativa celular, reação exudativa necrótica, reação exudativa granulomatosa e reação exudativa necrótica-granulomatosa. A reação exudativa celular foi observada em 37 pacientes; evidenciando infiltrado histiolinfoplasmocitário, células gigantes multinucleadas e cinetoplasto do amastigota aparente. A reação exudativa granulomatosa foi observada em 8 pacientes que apresentavam granuloma organizado caracterizado por macrófagos epitelioides e infiltrado histiolinfoplasmocitário, além de células gigantes multinucleadas e cinetoplastos. Já a reação exudativa necrótica foi observada em 3 pacientes, onde a presença de necrose tissular arredondada ou oval eram características, além do infiltrado histiolinfoplasmocitário, células gigantes multinucleadas e cinetoplastos. Por fim a reação exudativa necrótica-granulomatosa observada em apenas 2 pacientes apresentava necrose tissular arredondada ou oval seguida de granuloma definido, além do infiltrado histiolinfoplasmocitário, células gigantes multinucleadas e cinetoplastos. Em conclusão, os dados deste trabalho associados com a literatura demonstram a importância da tipificação de espécie, bem como a caracterização histopatológica da lesão evidenciando a presença do parasita. Essa análise auxilia na definição do diagnóstico para a leishmaniose cutânea.


Palavras-chave


Leishmaniose, PCR, Histopatologia