Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
O Diabo na historiografia: reflexões acerca dos limites e das possibilidades de investigação a partir dos papéis desempenhados pelo demônio na história da América Colonial.
Juan Pablo Isoton de Santana

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Este trabalho busca promover um diálogo entre a historiografia que trata sobre o papel do demônio na conquista e conversão dos povos autóctones americanos e a Relación historial de las misiones de indios chiquitos, crônica religiosa escrita pelo jesuíta Juan Patricio Fernández, missionário que atuou nas Missões de Chiquitos, por volta de 1726. Pretende-se traçar relações entre as possibilidades de investigação histórica apresentadas pela gama de autores elencados e o corpus documental da presente pesquisa, evidenciando proximidades e limites quanto à presença do demônio nos acontecimentos relatados. Da história das mentalidades, que investe numa demonologia de longa duração calcada no Malleus Maleficarum e na Alta Idade Média, com ampla capacidade de resposta ao problema enunciado, às investigações que dão lugar às disputas políticas e teológicas, que fazem nascer um demônio mais pragmático e vinculado às circunstâncias locais, há um quadro fértil de possibilidades analíticas. Partindo da premissa de que a existência de Satã – e também de Deus – era uma realidade concreta nos processos de conquista e colonização da América no período colonial, toma-se parte pelas análises que privilegiam o lugar político do que se considerava diabólico, levando em conta que os espaços, as temporalidades e as condições de sua inscrição foram múltiplos. Além disso, considera-se que a partir deste ente cristão se constitui uma chave para a compreensão de conflitos que marcam a construção e a inscrição da territorialidade referente às missões. Contudo, a importância de trabalhos que tratam desta temática sob um ponto de vista mais englobador não é negligenciada: a questão é traçar seus limites e apreender seus benefícios. Sendo assim, as seguintes problemáticas perpassam e são articuladas neste estudo: quais são os fundamentos teóricos das principais fontes de respostas para a questão da demonologia na conquista da América, de modo amplo, e de Chiquitos, particularmente? De que maneira é possível pensar o demônio na Relación através dos quadros já expostos por outros autores? Almeja-se, então, apresentar um debate historiográfico que permita o desenvolvimento de questões teórico-metodológicas.

 


Palavras-chave


Missões de Chiquitos, jesuítas, demonologia