Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
QUILOMBO ABOLIÇÃO: HISTÓRIA E IDENTIDADE
Cléia Batista da Silva Melo, Bruno Pinheiro Rodrigues

Última alteração: 07-10-19

Resumo


A proposta desse trabalho é refletir sobre os quilombos no Brasil, que durante séculos permaneceram no anonimato, ou apareceram de forma estereotipada e marginalizada. Isso se deve ao discurso oficial de uma história tradicional voltada aos interesses de uma elite política, econômica e social, que sempre subjulgou o papel do negro na sociedade brasileira. Dando a esses somente a função de coadjuvantes da história, como inferiores, submissos, obedientes e passivos perante todo o sistema escravista. Porém, a historiografia brasileira nas últimas décadas vem mostrando o oposto desse discurso, pois hoje sabemos que onde houve o negro escravizado houve também resistência, negociação, e transformação. O objeto de estudo dessa pesquisa são os remanescentes quilombolas da Comunidade Abolição, localizada no Município de Santo Antonio de Leverger, a 60 km de Cuiabá, e seu objetivo é identificar esses remanescentes destacando o processo de construção identitária e suas histórias.

Atualmente residem na comunidade Abolição cerca de 20 famílias remanescentes, que vivem de atividades diversas, como chacareiros, funcionários de empresas como mineradoras, hotéis, restaurantes e funcionários da Escola Estadual Quilombola Maria de Arruda Muller. Além daqueles que trabalham na terra para própria subsistência e venda de pequenos produtos para moradores dos arredores. Vários outros membros da comunidade tiveram que se mudar para cidade, por motivos como: doenças, busca por emprego, estudo dos filhos ou até mesmo porque foram expulsos de suas terras. Sendo assim é de grande valia conhecer, refletir e mostrar a história de luta, resistência e fortalecimento da identidade desses remanescentes.


Palavras-chave


Quilombo, história, identidade