Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DE JOVENS BENINENSES DA DIÁSPORA NA AMAZONIA
Israël Sèwanou Housnou

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Resumo:

 

Neste trabalho, a partir do contexto de Jovens internacionais numa diáspora provisória no Brasil, em particular na Universidade Federal do Pará (UFPA), abordamos a problemática da integração entre processos de formação superior e a identidade de saberes experienciais decorrentes das materialidades históricas vividas por essa juventude. É reflexão inicial voltada para o Projeto de Pesquisa " Modo de integração dos Beninenses no seu processo formativo na Universidade Federal do Pará (UFPA)" em desenvolvimento no mestrado em Educação e Cultura (PPGEDUC) da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário do Tocantins/Cametá. Trata-se de sujeitos que se organizaram inicialmente na Associação dos Estudantes do Programa Estudante-Convênio de Graduação (PEC-G) AEPEC-G, constituída como pessoa jurídica de direito privado, na forma de sociedade civil de fins não lucrativos, com autonomia administrativa e financeira. Em 2016, tornou-se Associação dos Estudantes Estrangeiros (AEE), aglutinando não mais apenas estudantes do PEC-G, mas todos os estudantes internacionais na diáspora, residentes em Belém do Pará, na Amazônia, vinculados a outros programas de graduação e pós-graduação. Assim, a AEE assumiu como finalidade prestar apoio e orientação a todos os estudantes estrangeiros inseridos nesse contexto, consistindo principalmente em: 1) Auxiliar os estudantes desde a sua chegada até a sua saída da instituição; 2) Recepcionar e acolher os estudantes juntamente com outros segmentos da UFPA; 3) Prestar suporte acadêmico e logístico e defender os interesses dos estudantes; 4) Promover a integração da comunidade estudantil para com as demais comunidades estudantis existentes no Pará e em outros estados; 5) Promover o intercâmbio acadêmico, científico e cultural dos estudantes estrangeiros com a comunidade acadêmica; 6) Ampliar os canais de comunicação entre estudantes, embaixadas e diversas entidades públicas e privadas. Diante disso, objetivamos relatar a experiência da AEE, formalmente constituída em 2016. Atualmente a AEE integra estudantes de diferentes continentes. A pesquisa descritiva, como abordada por Cervo et al. (2007) referenciou metodologicamente a elaboração do presente relato de experiência. Resultados do estudo revelam que, na sua trajetória, a AEE atuou em parceria com a Casa Brasil-África (CBA) da UFPA, a Aliança Francesa (AF Belém), assim como com outras instâncias institucionais, a exemplo da Pró-reitoria de Relações Internacionais da UFPA (PROINTER), (PROEX) a (SAEST). A dinamização da AEE tem oportunizado a realização de atividades socioculturais e formativas, a exemplo da celebração do Dia da África. Em parceria com a CBA são realizadas rodas de conversa, colóquios, etc., a partir de temáticas candentes no mundo atual e suas repercussões na vida estudantil de jovens na diáspora. Pode se concluir que a experiência da AEE evidencia o protagonismo de jovens na diáspora, em que se integram suas experiências decorrentes de uma subjetividade oriunda dos países de origem e as vividas na formação superior na UFPA e em outras instâncias no Brasil. E neste trabalho abordaremos a inclusão dos estudantes estrangeiro, mas principalmente dos estudantes de Benin.

 

Palavras-chave:


Palavras-chave


Organização estudantil; Diáspora; Integração; Juventudes.