Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Análise eletromiográfica e de manifestações de força muscular após um período de treinamento e destreinamento do core com e sem vibração
RENAN MOSCARDINI DE LIMA, Jacielle Carolina Ferreira

Última alteração: 06-10-19

Resumo


Introdução: O exercício físico pode induzir a adaptações neuromusculares no indivíduo que, com a interrupção da prática ou a redução exacerbada no volume e intensidade do treinamento, podem levar a perda completa ou parcial do desempenho e das adaptações adquiridas. Existem inúmeras estratégias de treinamento que podem contribuir para o aumento no desempenho de força e  otimizar a performance neuromuscular. Uma delas é a vibração mecânica, que tem apresentado resultados positivos em estudos que avaliaram as manifestações de força em protocolo de treinamento com vibração. A outra é o treinamento do core, que vem se mostrando uma alternativa eficiente também na melhora dos gestos técnicos em atletas de lutas agarradas. Além disso ambas as estratégias também podem ser consideradas relativamente seguras e de fácil aplicabilidade. Objetivo: verificar e comparar o efeito de 1 mês de  destreinamento em atletas de lutas agarradas submetidos anteriormente a 6 semanas de treinamento do core com e sem vibração. Metodologia: A pesquisa contará com dois momentos de coleta sendo um deles no período pós intervenção e o outro 1 mês após a interrupção do protocolo de treinamento. A confiabilidade dos testes, a familiarização e a normalização dos dados eletromiográficos serão realizadas antes do início do protocolo de 6 semanas de treinamento. Será avaliada a atividade elétrica (EMG) dos músculos do core e o desempenho nas manifestações de força muscular. A EMG será avaliada através da Frequência Mediana (FMA) e da Root Mean Square (RMS) . A força máxima será avaliada através dos testes de Preensão Palmar, Anti rotação do Tronco, Extensão de Quadril e teste de Puxar. Já a força explosiva, será avaliada através do teste de Flexão com Impulsão e Salto com Contramovimento. Por último, a resistência de força será avaliada através do teste de Flexão Isométrica e 1 Minuto de Abdominal. Na última sessão de treinamento do período pós intervenção haverá análise da EMG durante os exercícios e na coleta realizada 1 mês após destreinamento também. No início das duas sessões será coletado o sinal basal dos músculos a fim de normalizá-los para comparar com os sinais dos exercícios. O Desempenho nos testes de confiabilidade será comparado através do Test-T pareado. A confiabilidade será avaliada através do teste de Coeficiente de Correlação Intraclasse (ICC) e  Erro Padrão da Média (EPM). Normalidade dos dados será avaliada pelo teste de Shapiro-Wilk. Para comparar os dados eletromiográficos, das variáveis de força, de desempenho nos testes Antirotação do Tronco, 1 Minuto de Abdominal e Flexão Isométrica, entre os grupos e entre os momentos pós intervenção e 1 mês após destreinamento será aplicado Anova Two-Way Mixed (2x2). Tamanho do Efeito (ŋ2) será calculado utilizando o teste Eta2. O Nível de significância adotado será de p<0,05.



Palavras-chave


Palavras-Chave: EMG, Jiu-jitsu, Lutas agarradas, estabilidade do core