Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
INDÍCIOS DE INFLUÊNCIA DE PROCESSOS ESTOCÁSTICOS NA OCORRÊNCIA DE ANUROS EM UMA PLANÍCIE ALAGÁVEL NEOTROPICAL
Fernanda do Amaral De Libório, Lúcia Aparecida de Fátima Mateus, Tainá Figueras Dorado-Rodrigues

Última alteração: 08-10-19

Resumo


Padrões de ocorrência são mediados por processos ecológicos que ocorrem simultaneamente em diferentes escalas espaciais. A similaridade limitante (escala local) e a filtragem ambiental (escala regional) são os principais processos ecológicos. A filtragem ambiental seleciona atributos adequados para determinadas condições ambientais, levando espécies que apresentam atributos semelhantes a ocorreram sob as mesmas circunstâncias ambientais. Em contrapartida, a teoria da similaridade limitante prediz que só é possível que exista coocorrência quando as espécies possuem atributos distintos entre si. A ocorrência de anuros em escala local é influenciada pela relação entre atributos ecológicos e pressões ambientais. Apesar de exibirem forte relação com características de habitat, em locais de intensa perturbação as relações atributo-habitat são relaxadas e processos estocásticos ganham força. Nosso objetivo foi investigar se a ocorrência de anuros com os mesmos requerimentos ecológicos é influenciada da mesma forma por características ambientais de micro-habitats sujeitos a inundação recorrente. Hipotetizamos que a ocorrência de anuros com os mesmos requerimentos ecológicos é influenciada de maneira similar por características de micro-habitats sujeitos a inundação recorrente. Para testar nossa hipótese, coletamos, no início da estação chuvosa, em 42 hábitats aquáticos as seguintes variáveis: área da lagoa, hidroperíodo e a área que a vegetação aquática ocupa dentro da lagoa. A presença ou ausência dos anuros foi verificada por meio de gravadores, por três noites consecutivas. Nossos dados foram analisando utilizando um modelo de ocorrência multiespécies, com inferência bayesiana. Nosso modelo desconta o viés da detecção imperfeita e liga as espécies dentro do modelo por meio de uma ligação do tipo logit. Com Intervalo de Credibilidade de 95%, encontramos que nenhuma das três variáveis de sítio testada influenciou a ocorrência das espécies no início da estação chuvosa. Pela ausência de relação entre a ocorrência e importantes variáveis de habitat, acreditamos que a ocorrência seja guiada por processos estocásticos e não por processos de nicho, como acreditávamos. Entretanto, se analisarmos apenas a média dos efeitos das variáveis na ocorrência das espécies, percebemos uma sútil relação atributo-habitat entre hábito de vida e vegetação aquática emergente. O sinal filogenético é maior para os atributos ligado ao hábito de vida, o que nos leva a hipotetizar que em relação a vegetação aquática as espécies estão agrupadas. Entre os outros atributos e variáveis ambientais nenhuma relação é observada, possivelmente pela ausência de variáveis físico-químicas.


Palavras-chave


Atributos ecológicos, Estocasticidade, Modelo de ocorrência multiespécies