Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeitos da variação espacial e temporal na diversidade taxonômica, funcional e filogenética de lagartos em uma área de Cerrado
Rafael Assis Barros

Última alteração: 08-10-19

Resumo


Habitat com diferentes propriedades bióticas e abióticas (e.g. temperatura, humidade, tipos de vegetação) podem influenciar as espécies de formas distintas, e mudanças nas condições ambientais podem favorecer ou limitar a ocorrência das espécies. Neste estudo, nós analisamos como o tipo de vegetação e a variação sazonal influenciam a estrutura de assembleias de lagartos em uma área de Cerrado. Este estudo foi realizado em uma região entre os municípios de Chapada dos Guimarães, Rosário Oeste e Nova Brasilândia (14°52’S; 55°48’W), no centro-sul do estado de Mato Grosso. Ao todo, foram instalados quatro conjuntos de armadilhas nas áreas de campo sujo e três na mata seca de grotão. Cada conjunto composto por seis baldes de 64 litros, enterrados até a borda superior e dispostos em Y, os quais foram amostrados durante os períodos seco e chuvoso entre os anos de 2000 e 2002. Para as análises de diversidade funcional, utilizamos uma matriz com 14 traços funcionais: comprimento rostro-cloacal médio, comprimento médio da cauda, estratégia de forrageamento, tipo de hábito, estratégia reprodutiva e grau de heliotermia. Para determinar se a riqueza de espécies e os parâmetros funcionais são influenciados pelo tipo de vegetação, período sazonal ou pela interação desses fatores nós ajustamos modelos lineares mistos generalizados (GLMMs). Para calcular os índices de estruturação filogenética nós utilizamos uma árvore filogenética contendo todas as espécies encontradas na região, e posteriormente, calculamos a diversidade filogenética (PD), a distância média filogenética (MPD), e a distância média pro táxon mais próximo (MNTD) das assembleias de lagartos. Ao todo, 140 lagartos de 13 espécies foram amostrados, sendo nove espécies na mata seca de grotão e oito espécies no campo sujo. Além disso, 12 espécies foram encontradas no período seco e 10 no período chuvoso. Houve diferença na composição de espécies entre os tipos de vegetações analisadas (Pseudo–F = 8.551, p = 0.029), contudo, não houve diferença na composição de espécies entre os períodos seco e chuvoso (Pseudo–F = 0.375, p = 0.844).  O tipo de fitofisionomia, período sazonal e a interação desses fatores não influenciaram a riqueza de espécies (p > 0.05 para ambos). Contudo, o período sazonal influenciou diretamente a diversidade funcional de lagartos ( = 3.857, p < 0.05), sendo maior no período seco. O tipo de vegetação, o período sazonal e a interação desses fatores também influenciaram a riqueza funcional de lagartos (p < 0.001 para ambos), sendo maior nas áreas de campo sujo durante o período seco. Em relação às análises de estruturação filogenética, houve um forte agrupamento filogenético na assembleia de lagartos do campo sujo (MPD – Z = -3.104, p = 0.014), enquanto, a assembleia de lagartos da mata seca de grotão apresentou padrão de estruturação aleatório. Dessa forma, este estudo conclui que as assembleias de lagartos nessa porção do Cerrado são fortemente influenciadas por diferenças no tipo de vegetação e por variações sazonais no clima da região, os quais podem influenciar direta ou indiretamente a diversidade de espécies, de traços funcionais e filogenética das assembleias de lagartos locais.


Palavras-chave


Ecologia funcional; Sazonalidade; Squamata