Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Gordofobia: o lugar social do corpo gordo feminino na sociedade contemporânea.
Maria Luisa Jimenez Jimenez, Juliana Abonizio

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Lugar comum nos sentirmos fora dos padrões sociais estabelecidos do que é ser belo e, portanto possuir o desejo em conseguir um corpo aceito e aprovado pela sociedade.  Estar fora deste arquétipo de beleza, leva qualquer indivíduo a sentir-se excluído, triste e inconformado com seu próprio corpo. Acontece que, esta cada vez mais impossível alcançar o modelo ideal de beleza, e isso acontece porque estar fora dos padrões utópicos da ideia da mulher irreal vende muitos produtos, ideias e, portanto dá muito lucro as grandes empresas de cosméticos, academias, impérios light e diet, moda, cirurgias plásticas.  Na valorização da magreza acaba-se levando a gordura a um símbolo de falência moral, e, portanto a gorda, mais do que apresentar um peso socialmente inadequado, passa a ser percebida por meio de uma imagem negativa. Esse tipo de discurso confirma a tendência de que todo gordo deve ser excluído dos espaços sociais, pautados dentro de um discurso majoritário vigente. Contudo, também é percebido que existem, cada vez mais, movimentos sociais de mulheres que abrem espaços para as gordas se colocarem como sujeitos críticos dessa padronização social feminina. Muitas são elas e seus posicionamentos em páginas na internet, blogs, artigos, televisão e estudos que se posicionam contra o comportamento preconceituoso à mulher acima do peso, ação essa conhecida como gordofobia (descriminação as pessoas acima do peso). Sendo assim, a gordofobia está presente no cotidiano das pessoas, causando dificuldades em enfrentar  essa fobia que acaba estando presente na própria resistência social de reconhecer esse preconceito. Isso acaba acontecendo, porque a sociedade em geral, acaba aceitando a intimidação e censura com quem esta acima do peso, observações constrangedoras sobre o que a pessoa gorda esta comendo, empregando comportamentos intrusivos como justificativas para uma falsa preocupação com a saúde do indivíduo acontece no cotidiano dessas mulheres muito mais do que se assume.  Por meio de uma metodologia qualitativa, com base na sociologia do cotidiano, entrevistas/conversas informais, utilizando a netnografia e a autoetnografia como base para pesquisa, proponho estudar a relação entre comida, obesidade e sociabilidade para desvendar o lugar social do corpo gordo feminino na sociedade contemporânea, suas representações sociais e como as próprias mulheres acima do peso percebem-se neste contexto.


Palavras-chave


Gordofobia; Corpo gordo feminino; Ativismo gordo; Consumo .

Referências


ARRAES, J. 2015. Gordofobia como questão política e feminista. Revista Fórum. Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/digital/163/gordofobia-como-questao-politica-e-feminista/. Acesso em: 12/05/2015.

BAUMAN, Z. O mal estar da Pós Modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BARROS, C. F. P; ROCHA, E.; PEREIRA, C. “Do ponto de vista Nativo”: Compreendendo o consumidor através da visão etnográfica. Trabalho apresentado no NP03 – Publicidade, Propaganda e Marketing. XXVIII Intercom. UERJ, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: http://www.intercom.org.br. Acesso em 03 nov. 2006.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: Morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, v. 2, pags. 35-185, 1994.

DANIEL, J. , CRAVO, V. Z. Valor Social e Cultural da Alimentação. In: GARCIA, R. W. (org.). Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, pags.57-68, 2005.

DOUGLAS, M; ISHERWOOD. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo: Ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Rio de Janeiro: Edições 70, 2014. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1861113/mod_resource/content/1/pureza-e-perigo-mary-douglas.pdf. Acesso em: 17/02/2016.

ECO, U. (Org.). História da beleza. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FERREIRA, J. O corpo sígnico. In: Minayo MCS, Alves PC, organizadores. Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Fiocruz;  pags. 101-112, 1994.

FEYERABEND, P. Adios a la Razón. Madrid: Tecnos, 1992.

FIGUEIROA, N. L. Pornografia com mulheres gordas: o regime erótico dos corpos dissonantes. Revista Pensata, UNIFESP, v.4. n.1, 2014. (p.112- 126).

FISCHLER, C. Obeso benigno, obeso maligno. In: SANT’ANNA, Dd. B. (Org.), Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, pags. 69-80, 1995.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes; 1997.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GIDDENS, A. Modernidad y identidad del yo: el yo y la sociedad en la época contemporánea. Barcelona: Península, 1995.

GOFFMAN, E. (1975). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC.

JIMENEZ-JIMENEZ, M. L.; ABONIZIO, J. Gordofobia e Ativismo gordo: o corpo feminino que rompe padrões e transforma-se em acontecimento. Trabalho apresentado XXXI Congreso Asociación Latino America de Sociología ALAS – Uruguay: Universidad de la Republica, 2017. Disponível em: http://alas2017.easyplanners.info/opc/tl/1243_maria_luisa_jimenez_jimenez.pdf. Acesso em 11/09/2018.

 

LAZZARATO, M. As revoluções do capitalismo: A política no império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.

_____________ Sociologia do Corpo. Rio de Janiero: Vozes, 2007.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social. Porto Alegre: Salinas, 2007.

LIPOVETSKY, G. (2016). Da leveza: rumo a uma civilização sem peso. São Paulo: Manoele.

LODY, R. Brasil bom de boca temas de antropologia da alimentação. São Paulo: SENAC, 2008.

LOURO, G. L. Pedagogias da Sexualidade. IN: LOURO, Guacira Lopes(Org.). O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, pags. 9-33, 2015.

MAFFESOLI, M. O mistério da conjunção. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MATTOS, R. (2012). Sobrevivendo ao estigma da gordura. São Paulo: Vetor.

MELUCCI, A. Conclusões: métodos qualitativos e pesquisa reflexiva. In: MELUCCI, A. Por uma sociologia reflexiva: pesquisa qualitativa e cultura. Petrópolis: Vozes, pags. 315-338, 2005.

MONTARDO, S. P. e ROCHA, P. J.. Netnografia. Incursões metodológicas na cibercultura, Dez. 2005. In: E-compós. Revista da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Disponível em http://www.compos.org.br/ecompos.

MURRAY, C. Quase um terço da população mundial está obesa ou acima do peso. O número passou de 857 milhões, em 1980, para 2,1 bilhões em 2013, de acordo com o estudo Global Burden Disease, 2014. Disponível em: http://veja.abril.com.br/saude/quase-um-terco-da-populacao-mundial-esta-obesa-ou-acima-do-peso/. Acesso: 29/05/2014.

MURRAY, S. A patologização da obesidade: Posicionamento da Gordura em nosso imaginário cultural . Biopolítica e a Epidemia de Obesidade: Órgãos Diretivos: Órgãos Diretores. J Wright; V Harwood. Routledge, 2009. (tradução nossa)

PAIS, J. M. Sociologia da Vida Quotidiana: teorias, métodos e estudos de caso. Lisboa PT: Clara Cabral, 2002.

POULAIN, J. P. Sociologia da Obesidade. São Paulo: Senac, 2013.

RECUERO, R. Weblogs, webrings e comunidades virtuais, 2003. Disponível em http://www.pontomidia.com.br/raquel. Acesso em 25/07/ 2014.

SÁ, S. P. Netnografia nas redes digitais. Trabalho apresentado no GT Tecnologias Informacionais de Comunicação e Sociedade. X Compós, UnB, Brasília, 2001.

SANT’ANNA, D. B. Cuidados de Si e Embelezamento Feminino: fragmentos para uma história do corpo no Brasil. IN: SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de (Org.). Política do Corpo. São Paulo: Estação Liberdade,  pags. 121-139, 1995.

________________Entre o peso do corpo e o pesar da alma: notas para uma história das emoções tristes na época contemporânea. História. Questões e Debates, v. 59, pags. 99-113, 2014.

_______________ História da Beleza do Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

TOURAINE, A. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VAZ, P. Corpo  e  risco.  Fórum  Média,  Viseu,  v.  1,  n.  1,  p.  101-111, 1999.

VERSIANI, D. B. Autoetnografia: uma alternativa conceitual. Letras de hoje. Porto Alegre, v. 37, n. 4, pags. 67-72, 2002.

WOLF, N. O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.