Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Seriação de poemas e poemas seriais: estruturas de composição da poesia visual contemporânea
Livia Ribeiro Bertges

Última alteração: 17-10-18

Resumo


A poesia visual contemporânea alarga os moldes de ver e de demonstrar novas experimentações a partir dos usos do verbal e do não verbal. Dessa forma, esta pesquisa pretende pontuar como duas distintas estruturas de composição da poesia visual são implementadas ao longo da década de 60 até a atualidade: a seriação de poemas e os poemas seriais. Em linhas gerais, a seriação de poemas consiste na disposição sequencial de poemas como um gesto intertextual. Por sua vez, em um poema serial a série é constitutiva da composição intrínseca do poema, em um ato intratextual. O escopo deste trabalho abarcará a produção poética de Arnaldo Antunes, de Regina Pouchain, de Pierre Garnier e de Ilse Garnier, escritores que integram o quadro de poetas visuais contemporâneos, no Brasil e na França. Serão analisados dois poemas de cada escritor a fim de exemplificar os processos de seriação de poemas e de poema serial. Para isso, utilizaremos os conceitos de diferença e repetição (DELEUZE, 2000) e de efeito de lista (ECO, 2010). Buscaremos apresentar como a poesia visual contemporânea permeia as noções de seriação e de serialidade como estrutura de montagem de um sistema para além da coabitação entre o verbal e não verbal

Palavras-chave


Poesia visual, Seriação de poemas, Poema serial

Referências


GARNIER, Ilse;GARNIER, Pierre. Poésie Spatiale: une anthologie. Paris, Al Dante, 2012.

POUCHAIN, Regina. Provenientes do Azul. Rio de Janeiro: Sinal, 2015.

ANTUNES, Arnaldo. n. d. a. São Paulo: Iluminuras, 2010.

DELEUZE, Gilles. Lógica do Sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fontes. São Paulo: Perpectiva, 2017.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Tradução de Luz Orlandi e Roberto Machado. São Paulo, Editora Relógio D' Água, 2000.

ECO, Umberto. A vertigem das listas.Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2010.