Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
REALCE ESPECTRAL DE IMAGENS DE SATÉLITE PARA ANÁLISE DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
Flavia Regina Pereira Santos de Siqueira, Nadja Gomes Machado, Marcelo Sacardi Biudes

Última alteração: 23-10-18

Resumo


A urbanização ocorreu em um ritmo rápido nos últimos cinquenta anos em países em desenvolvimento, como o Brasil, assim houve aumento da população urbana e expansão das áreas urbanas dos municípios. Diante deste panorama mensurar a mudança da distribuição espacial da temperatura e cobertura do solo de uma localidade é fundamental para entender as mudanças ambientais ocorridas durante o processo de urbanização. Estudos como este costumam ser realizados para metrópoles, mas a proposta atual desenvolveu-se para uma área urbana que representa as cidades de tamanho médio no Brasil (população entre 100 mil e 500 mil habitantes), grupo que representa mais de 200 cidades do país. Como resultados observou-se que no período de 1986 a 2011 a urbanização modificou o comportamento espectral da superfície da cidade de Várzea Grande, localizada na região Centro Oeste do país. Para avaliar os efeitos da urbanização utilizou-se de imagens Landsat 5 para obter índices espectrais e temperatura da superfície (LST). Os índices utilizados foram: Normalised Difference Vegetation Index - NDVI, Normalised Difference Built-up Index - NDBI, Normalised Difference Water Index – NDWI, Modified Normalised Difference Water Inde – MNDW and Normalised Difference Bareness Index – NDBAI. Estes foram utilizados parar compor um algoritmo de classificação de cobertura do solo. A classificação permitiu discernir cinco classes: FOR (florestas); SHR (vegetação rasteira e arbustiva); BAR (solo exposto); BUP (áreas construídas); e WAT (lagos e rios). A precisão da classificação foi de muito boa à excelente, com Kappa superior a 0.76. De um modo geral os resultados indicaram que durante o período de aproximadamente três décadas, a cidade se espalhou por uma área de aproximadamente 16 mil hectares e a expansão urbana alterou a distribuição espacial da temperatura de superfície. Conseguiu-se mostrar que houve um aumento significativo na temperatura para as classes no ano de 1986 em relação à 2011. Com especial destaque à diferença de temperatura da zona central para as áreas de floresta. Que no ano de 1986 era de 2,7°C e em 2011 passou a ser 4,5°C. Conclui-se que a ferramenta é eficiente e pode ser utilizada para áreas com menor densidade de urbanização.


Palavras-chave


Índices espectrais; Cobertura do solo; Urbanização; Temperatura de superfície