Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
VARIAÇÃO DA INTENSIDADE DA ILHA DE CALOR URBANA EM CIDADE DE MÉDIO PORTE BRASILEIRA ENTRE 2011-2012 E 2016.
Diana Carolina Jesus De Paula

Última alteração: 23-10-18

Resumo


A ilha de calor urbana – ICU é a principal manifestação do clima urbano e é considerado um dos desafios ambientais do século XXI. Devido as relações feitas entre a evolução da ICU e o aumento da urbanização, estudos indicam como estas podem ser classificadas, sendo agrupadas em fraca, moderada, forte e muito forte.  A maioria dos estudos com foco em ICU estão voltados às grandes cidades, no entanto são nas cidades de médio e pequeno porte que sua detectação é facilitada, podendo com isso identificar as causas e sua interação com o ambiente urbano. Desta maneira, o objetivo deste artigo foi identificar o movimento da ilha do calor na cidade de Cuiabá/MT, no ano de 2011-2012 e 2016, nas quatro estações do ano. A área de estudo escolhida, trata-se de cidade de médio porte de clima tropical, com registros de temperatura do ar elevada o ano todo. A metodologia utilizada foi a de transecto móvel noturno passando por dois transectos, cortando o município nos eixos longitudinal e transversal, respectivamente, totalizando 19 pontos.  As variáveis coletadas foram temperatura do ar e umidade relativa do ar, posteriormente relacionada com os dados da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia – INMET, localizada na cidade adjacente, Várzea-Grande/MT. Após esta etapa, foi calculada a ICU e analisada com a ocupação do solo máxima permitida, de acordo com a legislação vigente.  A partir desta análise, observou-se que as estações que melhor evidenciaram a formação de ilha de calor foram verão e inverno, corroborando com estudos anteriores. No entanto, na estação do inverno em 2011 e 2016, verificou-se magnitude da ICU oscilou entre moderada e forte, em área com ocupação máxima permitida de até 60% da área do terreno. Já a estação do verão nos anos de estudo passou de fraca a moderada, em ambos os transectos, em área de ocupação máxima permitida de até 75%. Desta forma, este artigo aponta que entre 2011-2012 e 2016, nas estações de inverno e verão houveram crescimento da ilha de calor urbano no decorrer dos anos, nos dois eixos da cidade.


Palavras-chave


Urbanização, clima urbano, ocupação do solo