Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O Rasqueado cuiabano: estudo sobre as interações entre paraguaios e cuiabanos na formação da identidade mato-grossense (1865 a 1940)
Silva Corrêa Perassolo da SILVA

Última alteração: 22-11-18

Resumo


A pesquisa pretende investigar possíveis mediações culturais entre a cultura paraguaia e a cultura cuiabana, por meio da análise do Rasqueado cuiabano, considerado como um dos ícones da “identidade” local, seguindo vestígios principalmente durante e depois da Guerra do Paraguai (1860-1870), com o total isolamento da comunicação da cidade de Cuiabá com o resto do mundo, e decifrar os legados culturais da guerra, por parte de atores sociais e as manifestações culturais, bem como o seu papel na construção da memória e patrimônio mato-grossense. Primeiramente buscaremos evidencias no linguajar com o uso de palavras como cambio, leviano, mano, entre outras, mesclando castelhano e português; em segundo lugar, a música, pois o rasqueado cuiabano foi derivado da “polca paraguaia” considerada o estilo musical nacional do Paraguai, bem como a “polca syryry”, nome guarani para a execução da polca valseada, corrida, podendo ser dançada ou não, que guarda semelhanças rítmicas com o Siriri e o Cururu, e em terceiro, a culinária, pois pretendemos buscar as similaridades dos usos e costumes paraguaios, que encontrou em terras brasileiras, o povo cuiabano, aspectos de sua cultura, que também se alimentam de carnes e peixe, e uso do guaraná, a bebida mais apreciada, que substitui o café e o chá brasileiros. À luz do conceito de hibridismo do estudioso Néstor Canclini pretendemos analisar o que é tradicional e o que se pode chamar de moderno, e que acaba reforçando a longa construção de uma “cultura híbrida” onde modernidade significa pluralidade, entremeando as relações entre tradicional e moderno, popular e massivo, onde se pode entender que hibridação é “processos socioculturais nos quais estruturas ou práticas discretas, que existiam de forma separada, se combinam para gerar novas estruturas, objetos e práticas”.


Palavras-chave


história-historiografia-cultura-rasqueado cuiabano

Referências


BIBLIOGRAFIA

ABREU, Martha. O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro 1830-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Fapesp, 1999.

Acervo da Biblioteca Nacional. Seção Manuscritos. Rio de Janeiro: Gentios, Animais, Quadrupedes: Aves, Amphibios e Peixes: armas, instrumentos musicos e mechanicos, vestidos ornatos, utense domesticos dos mesmos Gentios da Expedição Philosophica do Pará e Rio Negro, Mato Grosso, e Cuyabá (Alexandre Ferreira Mendes). Copiados no Real Jardim Botanico. s/a, s/d.

ALAMÍNO, Beth. A música num ambiente urbano colonial: a Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá (1778-1817). Monografia (licentciatura e Bachareado em História, Instituto e Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Mato Grosso, 2ª Ed., Cuiabá (2005)

ALBIN, Ricardo Cravo. O Livro de Ouro da MPB: a história de nossa música popular de sua origem até hoje. Rio de janeiro: Ediouro, 2003.

ALEIXO, Lúcia Helena Gaeta. Vozes no silêncio: subordinação, resistência e trabalho em Mato Grosso (1888-1939). Cuiabá: EdUfmt, 1995.

AMARAL, Rita de Cássia de Mello Peixoto. Festa à brasileira: significados do festejar, no país que “não é sério”. Tese de Doutorado em Antropologia. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1998.

Amedi, Nathália da Costa. A invenção da capital eterna: discursos sensíveis sobre a modernização de Cuiabá no período pós-divisão do estado de Mato Grosso. Orientador: Fernando Tadeu de Miranda Borges. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Programa de Pós-Graduação em História, 2014.

ANDRADE, Julieta de. Cocho mato-grossense: um alaúde brasileiro. São Paulo: Escola de Folclore, 1981.

ANDRADE, Mário de. Música do Brasil. Curitiba, São Paulo e Rio: Editora Guaíra Ltda. Coleção Caderno Azul n° 01, 1941.

_______. Música, Doce Música. São Paulo, L. G. Miranda Editor (1934), 1933.

ANNAES do Sennado da Camara do Cuyabá : 1719-1830. [Transcrição e sua organização YumikoTakamoto Suzuki]. Cuiabá, MT: Entrelinhas; Arquivo Público de Mato Grosso, 2007.

ANTONACCI, Maria Antonieta. Memórias ancoradas em corpos negros. São Paulo: EDUC, 2013.

ANTONIO CANDIDO. Os parceiros do rio Bonito: Estudo sôbre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Coleção Documentos Brasileiros 118. Rio de Janeiro: José Olympo, 1964

APPLEBY, David P. La música de Brasil. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

AQUINO, Diane Márcia Souza. O Discurso da cuiabania: nós e os outros. Monografia (Especialização: “A Multiplicidade Lingüística em Mato Grosso”) – Universidade de Mato Grosso, Cuiabá, 1993, f. 13

ARAÚJO, Renata. Os Mapas do Mato Grosso. Terra Brasilis (Nova Série) [Online], N° 4, 2015, posto online no dia 12 Fevereiro 2015, consultado a 01 Outubro 2016. Disponível para baixar em: http://terrabrasilis.revues.org/1230; DOI: 10.4000/terrabrasilis, 1230.

ARENDT, Hannah. A crise da cultura. In: a crise de la Culture: Huit exercices de pensée politique [Entre Passé et Future].  COLLECTION, S/A.

ARIANO, Heloisa Afonso. Vozes da Cuiabania: Identidade e globalizaçãp no rasqueado cuiabano. Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Antropologia, Curso de Pós- Graduação em Antropologia, Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, 2002.

Arruda, Zuleica. O que é o Rasqueado Cuiabano? Cuiabá, MT: Entrelinhas, 2007.

BANDEIRA, Maria de Lourdes. Território negro em espaço de branco: estudo antropológico de Vila Bela. Editora Brasiliense/CNPq, 1988.

BAPTISTELA, Rosana. Traditional Dances From Mato Grosso: interiorizando a informação cultural. Ministério da Cultura/Estado de Mato Grosso/Departamento de Cultura, 1997.

BARBOZA DE SÁ, Joseph. Relaçaó das povoaçoens do Cuyaba e Mato grosso de seos principios thé os prezentes tempos. Cuiabá, Editora UFMT, 1975.

BARROS, Ruy Coelho de. A Guerra com o Paraguai: Aspectos polêmicos. Cuiabá: Editora Janina, 2010.

BEAUREPAIRE-ROHAN, Visconde. Dicionário de Vocabulos Brazileiros. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1889.

BENITES, Flávio Roberto Gomes. O rasqueado mato-grossense: prática identitária e memória social. Fonte: http://br.monografias.com/trabalhos908/o-rasqueado-mato/o-rasqueado-mato.shtml.

BEZERRA, Silvia Ramos. Contradições culturais do cortejo triunfante da modernidade em Cuiabá. In: Fênix – Revista de História e Estudos Culturais: Universidade de Cuiabá/Faculdade de Comunicação Social, Julho/Agosto/Setembro de 2008, Vol. 5, Ano V,  nº 3. Disponível em: www.revistafenix.pro.br.

Budasz, Rogério. Teatro e música na América Portuguesa: convenções, repertório, raça, gênero e poder. Curitiba: DeArtes – UFPR, 2008. 2ª. tiragem.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1991

___________. O que é história cultural?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2005.

Cadernos Cuiabanos-2 “Clube do Cajú” de Israel Figueiredo, Secção: teatro, abril de 1977;

Cadernos Cuiabanos-3 “Os vizinhos” de Dunga Rodrigues, Secção: Memórias, abril de 1977;

Cadernos Cuiabanos-8 “Função do Cururu” de Otávio Ramos e Arnaldo F. Drummond, Secção: Folclore, abril de 1978;

Cadernos Cuiabanos-9 “Algumas canções carnavalescas cuiabanas” de Marta Catunda, Secção: Música, abril de 1978.

CADERNO DO FOLCLORE MATO-GROSSENSE, nº 3, 1991 PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Siriri. Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Cuiabá: 1991. (53 p.) (Caderno de Folclore Mato-grossense n° 3).

CAGE, John. 4’33” disponível no endereço eletrônico do site oficial do compositor em http://johncage.org/4_33.html

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANCLINI – Nestor Garcia. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013.

CARNEIRO, Edison. Folguedos tradicionais. Rio de Janeiro, Conquista, 1974.

CASTAGNA, Paulo. Música na América Portuguesa. In:MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música: canção popular e conhecimento histórico. São Paulo/Universidade Estadual Paulista – UNESP: Revista Brasileira de História, v. 20, nº 39, 2000.

CERTEAU, Michel de. A cultura plural. 7ª edição. Campinas-SP: Papirus, 2012

Chartier, Roger. A História Cultural: Entre Práticas e representações. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, S.A. Memória e Sociedade, 1990.

COELHO. Filipe Jose Nogueira, Memorias Chronologicas da Capitania de Mato-Grosso. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 2ª Edição.Rio de Janeiro, Tipografia de João Ignácio da Silva, Tomo XIII, 1872, p.138-199).

CONDE DE AZAMBUJA, Carta de 1727, P. 469-497

Corbalan, Kleber Roberto Lopes. A Igreja Católica na Cuiabá colonial: da primeira Capela à chegada do primeiro Bispo (1722-1808). Dissertação de Mestrado em História. Cuiabá, Universidade Federal de Mato Grosso, 2006.

Corrêa, Silbene Oliveira. O rasqueado como instrumento de musicalização. Monografia de conclusão de graduação em Educação Artística com habilitação em Música. Orientação do prof. Abel dos Santos. Cuiabá, UFMT, Instituto de Linguagens, dezembro de 1993.

COSTA, Almerindo José Silva. Textos e contextos da cuiabania. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Semiótica da Cultura. Orientação da Profa. Marília Beatriz de Figueiredo Leite. Universidade Federal de Mato Grosso/Universidade de São Paulo, novembro de 1994.

CRUZ, Paulo Divino da. As negras raízes da cultura popular mato-grossense. São Paulo: Plêiade, 2012.

CURT LANGE, Francisco. Americanismo musical: ideias para uma futura sociologia musical latino-americana. Revista Brasileira de Música: Volume II, 2º Fasciculo. Rio de Janeiro: Junho (publicado em Novembro de 1935).

D’ALINCOURT, Luiz. Rezultado dos Trabalhos e Indagações Statisticas da Provincia de Matto-Grosso.Cuyabá, 1828.

DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos: e outros episódios da história cultural francesa. 2ª Ed. São Paulo: Paz e terra, 2015.

DEL PRIORE, Mary. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense, 2000.

DELAMÔNICA FREIRE, Otávio Bandeira. Revista A Violeta: um estudo de mídia impressa e gênero. Dissertação de Mestrado em Comunicação. São Paulo, Universidade Paulista, 2007.

DEMERSAY, Alfredo. História Geral do Paraguay: desde a sua descoberta até nossos dias-seguida de uam noticia gerographica do estado actual do Paraguay. Rio de Janeiro: Typographia Perseverança, 1865.

Documentos Régios 1702 -1748. Códice N° 01 da Superintendencia de Arquivo Público de Mato Grosso. Cuiabá, Entrelinhas, 2013.

DIAZ Y GARCIA-TAVALERA, Miguel. Dicionário Santillana para estudantes: espanhol-português, português-espanhol. 3ª Ed. São Paulo: Moderna, 2011, p. 402.

DIRETO AO PONTO/APÓS A POSSE: Taques dança rasqueado cuiabano com primeira dama. Da Redação, Repórter MT, dia 01 de janeiro de 2015. Página acessada em outubro de 2017 e disponível em http://www.reportermt.com.br/direto-ao-ponto/taques-danca-rasqueado-cuiabano-com-primeira-dama/42102.

ELIAS, Norberto. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

ERTHAL, Neuza Maria. Comunidade São Gonçalo: histórias, lendas e tradições. 2004, s/e.

Fernandez, Luis. La viola de cocho du mato grosso. Cahiers d’ethnomusicologie [En ligne], 2 | 1989, mis enligne le 15 septembre 2011, consulté le 17 décembre 2015. URL : http://ethnomusicologie.revues.org/2337.

FRANÇA, Eurico Nogueira. A música no Brasil. São Paulo: Leart Livraria e Encadernação Ltda., Ministério da Educação e Saúde: Os Cadernos de Cultura, Serviço de documentação, S/A.

FRIAS, Lena. Todos os sons da identidade brasileira do Brasil. Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, Caderno B, de 01 de dezembro de 1997 (segunda-feira).

GALILEI, Patrícia. Vamos rasquear? Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação Física e Esporte com Aprofundamento em Dança. Orientação do Prof. José Maria Campos Melo. Universidade Federal de Mato Grosso, março de 1999.

GARCIA, Rodolfo. Exotismo franceses originados da Lingua Tupi/ Nomes de parentesco na Lingua Tupi. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Volume LXIV. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942,

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978

Gombrich, E. H. A História da Arte. Editora: Ltc , 2000.

GOMES, William. Chuça e Rebuça Baile. Ex: “Na guarita vai tê hoje uma chuça e rebuça”. Disponível em http://historiografiamatogrossense.blogspot.com.br/2009/04/dicionario-cuiabanes.html

GRANDO, Beleni Sálete (Org.). Cultura e Dança em Mato Grosso: Catira, Curusé, Folia de reis, Siriri, Cururu, São Gonçalo, Rasqueado e Dança Cabocla, na região de Cáceres. Cuiabá: Central de Texto; Cáceres-MT: Unemat Editora 2005.

GROVE, George. A Dictionary Of Music and Musicians. Oxford, 1878, Vol. 1. Dísponivel para baixar em https://archive.org/stream/imslp-of-music-and-musicians-grove-george/PMLP192599-A_Dictionary_of_music_and_musicians_v1_1879_UM.

_______. Dictionary Of Music and Musicians. Oxford, 1878, Vol. 2. Dísponivel para baixar em https://archive.org/stream/imslp-of-music-and-musicians-grove-george/PMLP192599-Dictionary_of_music_and_musicians_v2_1880_UCBerkeley.

_______. Dictionary of Music and Musicians. Vol. III. Londres: MAcmillan and CO., Limited, 1900.

GUAPO, Milton Pereira de Pinho. Remedeia c’o que tem. Cuiabá: edição do autor, 2010.

Guimarães, Thereza Martha B. Presotti; Ariano, Heloisa Afonso. Inventário Documental do Patrimônio Imaterial de Mato Grosso: Breve discussão dos resultados. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Caminhos e fronteiras. 3ª Edição. São Paulo: Cpmanhia das Letras, 1994.

_________. Raízes do Brasil. 27ª Edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

IPHAN. Modos de Fazer a Viola de Cocho. Brasília-DF: IPHAN, 2009.

JESUS, Nauk Maria de (org.). Dicionário de História de Mato Grosso – Período colonial. Cuiabá-MT: Carlini&Caniato, 2011

Jornal “O matto-Grosso”, 05/01/1890.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 19ª Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2007

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. Companhia das Letras. São Paulo 1996 6ª Reimpressão.

LIMA, Rossini Tavares. Estudo sobre a Viola, S/D.

loureiro, Roberto. Cultura mato-grossense - Festas de santos e outras tradições. Cuiabá: Entrelinhas, 2006.

MACIEL, Laura. A Capital de Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós Graduação, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992, f. 100.

MALINOWSKI, Bronislaw. Una teoría científica de la cultura y otros ensayos. Buenos Aires: Editora Sudamericana, S/A.

MARQUES, Ana Maria; OLIVEIRA, Dorit Kolling de. Dunga Rodrigues: a musicista cuiabana em documentário. In: Doc On-line, n. 16, setembro 2014. Disponível em: www.doc.ubi.pt, pp. 180 - 199.

MATO GROSSO. Lei Provincial n. 02, de 10 de março de 1843. Aprova o Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário desta Cidade, formada pelos irmãos dessa Confraria em 20 de fevereiro de 1838, a exceção do período 2º do § 2º do artigo 10. Acervo do Instituto Memória da Assembléia Legislativa de Mato Grosso.

MELLO E SOUZA, Marina de. Catolicismo Negro no Brasil: santos e Minkisi, uma reflexão sobre miscigenação cultural. Revista Afro-Ásia, 28 (2002), p. 125-146.

__________. Reis negros no Brasil escravista, história da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2002.

 

MELLO, Guilherme de. A música no Brasil. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947.

MELO, Luiz Gonzaga de. Antropologia Cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Editora Vozes, 1986. p. 200 – 298

MESQUITA, José de.Gente e Coisas de Antanho (Crônicas 1924-1934). Cuiabá: 1978.

Miceli. Paulo Celso; Garcia Domingos Sávio da Cunha. (Orgs.) História e Fronteira. Cáceres-MT: UNEMAT Editora, 2014.

MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música: canção popular e conhecimento histórico. Universidade Estadual Paulista – UNESP. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, nº 39, 2000,.p. 203-221.

MOUTINHO, Joaquim Ferreira. Notícia sobre a Provincia de Matto Grosso seguida d’um roteiro da sua capital a’S. Paulo. São Paulo, Typografia de Henrique Schroeder, 1869

NAPOLITANO, Marcos. História&Música – história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica 2002.

NEDER, Alváro. “Roda em volta de mim, que a polca paraguaia é assim”: encontros culturais na canção popular urbana e transformações políticas em Mato Grosso do Sul. Per Musi, Belo Horizonte, n.29, 2014, p.209-219.

NOGUEIRA, Carlos. ASPECTOS DA LITERATURA DE CORDEL PORTUGUESA. Universidade de Lisboa & CTPP. La literatura popular impresa en España y en la América colonial. Formas & temas, géneros, funciones, difusión, historia y teoría. Cátedra, Pedro M. Salamanca: SEMYR, Instituto de Historia del Libro y de la Lectura, 2006.

O COMÉRCIO. Anno I, N° 16. Cuiabá, 16 de junho de 1910. Vários Redatores

O MATTO-GROSSO. Anno XII, N° 585. Cuyabá, 13 de abril de 1890. Publicação semana e OrgãoDemocratico com direção e propriedade de Emilio Espirito Santo Rodrigues Calháo.

O PHAROL: OrgamLitterario Critico e Independente, Anno I, n° 22, proprietário Joaquim C. T. Coelho, com colaboradores diversos, Cuiabá, 04 de agosto de 1925.

PAULA, Wantuil Rodrigues de. O rasqueado, um movimento expressivo do existencial cuiabano. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação Física e Esporte com Aprofundamento em Dança. Orientação do Prof. Koiti Anzai. Universidade Federal de Mato Grosso, março de 1999.

PERARO, Maria Adenir. A imigração para Mato Grosso no século XIX – Mulheres paraguaias: estratégias e sociabilidades. Universidade Federal de Mato Grosso, Departamento de História, s/d.

PEREIRA JÚNIOR, Cleber Alves. O código de posturas e os futuros cururus oitocentistas. ANPUH-XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza, 2009.

PEREIRA ALVES, Cleber Alves. O cururu como fonte de resistência escrava em Cuiabá Imperial. VI Simpósio Nacional de História Cultural: Escritas da História: Ver-Sentir-Narrar. Teresina-PI: Universidade Federal do Piauí-UFPI.

PLANO DE GUERRA DA CAPITANIA DE MATTO GROSSO por Ricardo Franco de Almeida Serra, Janeiro de 1800/ Elias Alves de Andrade, Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida e Roberto Leiser Baronas, Cuiabá, EdUFMT, 2014.

PLISSON, Michel. Systèmes rythmiques, métissages et enjeux symboliques des musiques d’Amérique latine. Cahiers d’ethnomusicologie [En ligne], 13 | 2001, mis en ligne le 17 décembre 2012. Site consultado em 16 de abril de 2015. Disponível para baixar em: http://ethnomusicologie.revues.org/1963965.

PRANDI, Reginaldo. De africano a afro-brasileiro: etnia, identidade, religião. Revista USP, São Paulo, n° 46, junho/agosto, 2000.

PREISS, Jorge Hirt. A música nas missões jesuíticas nos séculos XVII e XVIII.Porto AlegrE, Martins Livreiro-Editor, 1988.

RAMOS, Otávio; DRUMMOND, Arnaldo F. Cadernos Cuiabanos-8 “Função do Cururu”. Secção: Folclore, abril de 1978.

REGO, Maria do Carmo de Mello. Lembranças de Matto Grosso. Rio de Janeiro de 1897, Typ. Leuzinger.

REYNALDO, Ney Lared. Comércio e navegação no Rio Paraguai (1870-1940). Cuiabá, Editora da UFMT, 2004.

Rezzieri, Raphaela. A sedução estética em letras cuiabanas: Políticas culturais em Mato Grosso: O caso da Fundação Cultural (1975-1995). Dissertação (mestrado) - Orientador: Renilson Rosa Ribeiro. Universidade Federal de Mato Grosso, 2014.

ROCHA, Anderson. Festa Ribeirinha: Cenas de um Brasil antigo: nas práticas do cururu mato-grossense.  (Dissertação) - Programa de Pós-Graduação em História. Área de Concentração: História Cultural. Orientadora: Professora Dra. Eleonora Zicari Costa de Brito. Brasília-DF, Universidade de Brasília, 2015

ROSA, Carlos Alberto. JESUS, Nauk Maria de. A terra da Conquista: história de Mato Grosso colonial. Cuiabá – MT: Gráfica e Editora Print, 2003.

Roteiro Musical da Cuiabania: Caderno Três de Dunga Rodrigues, biografia e obra musical de Doutor Antônio Pedro de Figueiredo, 1979.

Roteiro Musical da Cuiabania: Caderno Quatro de Dunga Rodrigues, biografia e obra de José Mamede da Silva Rondon, 1979.

SALIBA, Elias Thomé. História e Música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. Capítulo 1, p.35-76.

SAID, Edward W. Elaborações Musicais. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1992.

SAMPAIO, A. J. A flora de Matto Grosso (com dez mapas). Rio de Janeiro, Museu Nacional, Conferência de 30 de janeiro de 1916.

SANTA-ANNA NERY, F. J. Folk-lore Brésilien. Paris, Librairie Académique Didier, 1889. Fonte: www.forgottenbooks.org.

SANTIAGO, Jorge P. Musique brésilienne, musiques et musiciens au Brésil. Revista Latitudes n° 23, avril 2005.

SANTOS, GIORDNA Laura da Silva. O siriri na contemporaneidade em Mato Grosso: suas relações e trocas. Dissertação de Mestrado. Orientador José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato grosso-Instituto de Linguagens-Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais Contemporânea, 2010.

SANTOS, Elisângela de Jesus. Nas melodias da toada: riso e performance no cururu paulista. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdades de Ciências e Letras, Campus de Araraquara. Orientador: Dagoberto José Fonseca, 2008.

SCHMIDT, Max. Estudos de Etnologia Brasileira: Peripécias de uma viagem entre 1900 e 1901, seus resultados etnológicos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

SILVA, Leonam Lauro Nunes da. Relações na Tríplice Fronteira: A Bolívia no contexto da “Guerra Grande” (1865-1868). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso sob a orientação da Profa. Dra. Maria Adenir Peraro, Cuiabá, 2014.

SILVA, Silbene Corrêa Perassolo da. A Festa de São Benedito: estudo sobre a “invenção” de uma tradição cuiabana. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso na área de concentração de “Territórios e Fronteiras”-“Ensino de História, Memória e Patrimônio”, sob a orientação do Prof. Dr. Renilson Rosa Ribeiro, Cuiabá, 2014.

SIQUEIRA, Joaquim da Costa. Compêndio Histórico Cronológico do Cuyabá. 1965.

SOARES, Mariza Carvalho. Devotos da cor: identidade, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro do século XVIII. Civilização Brasileira, 2000.

SODRÉ, Nelson Werneck. Síntese de história da cultura brasileira. 3ª. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.

Steinen, Karl Von Den. Coleção Brasiliana, UFRJ Eletrônica, 1942.Disponível em: http://www.brasiliana.com.br. Acessado em 19 de março de 2014. No original em alemão este texto se encontra na p. 84.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas-SP: Editora da Unicamp. 2001.

THOMPSON, Jorge. A Guerra do Paraguay com uma Resenha Histórica do Paiz e seus Habitantes. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert, 1869.

TINHORÃO, José Ramos. Os Negros em Portugal, uma presença silenciosa. Lisboa: Caminho-Coleção Universitária, 1988.

_______. Os sons dos negros no Brasil: cantos, danças, folguedos: origens. São Paulo: Editora34, 2008.

__________. Pequena história da música popular-segundo seus gêneros. 7ª. Edição. São Paulo: Editora 34, 2013

VICTORINO, Myriam Moura. A condição feminina sob a ótica dos saraus líteros-musicais cuiabanos. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Música Brasileira. Orientação do Profa. Cássia Virgínia Coelho de Souza. Universidade Federal de Mato Grosso, novembro de 199.

VOLPATO, Luiza Rios Ricci. Cativos do Sertão: vida cotidiana e escravidão em Cuiabá em 1850-1888. São Paulo: Marco Zero/EdUfmt, 1993.

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. 1ª edição Cosac Naify Portátil. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1992.

WISNIK, José Luis. O Som e o Sentido: uma outra história das músicas. 2ª. Edição. São Paulo:Companhia das Letras, 1989.

 

ANEXOS

 


 

 


 

ANEXO 1

Tabela dos compassos simples

 

Fonte:https://musicaeadoracao.com.br/recursos/imagens/tecnicos/teoria/teoria_rufino/aula06d.gif

 

 

 

 

 


 

ANEXO 2

compassos simples e compostos

 

Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-YMyGFEwCqGg/U2Os-F3rJLI/AAAAAAAAGso/r3Im6Q24FlE/s1600/compasso-composto-c.gif

 

 

 

 

 


 


 

ANEXO 3

Padrões rítmicos

 


ANEXO 4

Rasqueado Cuiabano: Rebuça e Chuça

Autor: Desconhecido

 

Rasqueado em Mato Grosso

É só no rebuça e chuã

Rebuça aqui dentro

E chuça lá fora

Se não dançar direito

O guarda mete a sola

 

Eu quero ver,

Eu quero ver

Se você dançar direito

Vai até o amanhecer


 

ANEXO 5

ANDAMENTO MUSICAL

 

 

Fonte:http://www.batera.com.br/contents/estudos/tabela-andamentos.gif

BIBLIOGRAFIA

ABREU, Martha. O Império do Divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro 1830-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Fapesp, 1999.

Acervo da Biblioteca Nacional. Seção Manuscritos. Rio de Janeiro: Gentios, Animais, Quadrupedes: Aves, Amphibios e Peixes: armas, instrumentos musicos e mechanicos, vestidos ornatos, utense domesticos dos mesmos Gentios da Expedição Philosophica do Pará e Rio Negro, Mato Grosso, e Cuyabá (Alexandre Ferreira Mendes). Copiados no Real Jardim Botanico. s/a, s/d.

ALAMÍNO, Beth. A música num ambiente urbano colonial: a Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá (1778-1817). Monografia (licentciatura e Bachareado em História, Instituto e Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Mato Grosso, 2ª Ed., Cuiabá (2005)

ALBIN, Ricardo Cravo. O Livro de Ouro da MPB: a história de nossa música popular de sua origem até hoje. Rio de janeiro: Ediouro, 2003.

ALEIXO, Lúcia Helena Gaeta. Vozes no silêncio: subordinação, resistência e trabalho em Mato Grosso (1888-1939). Cuiabá: EdUfmt, 1995.

AMARAL, Rita de Cássia de Mello Peixoto. Festa à brasileira: significados do festejar, no país que “não é sério”. Tese de Doutorado em Antropologia. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1998.

Amedi, Nathália da Costa. A invenção da capital eterna: discursos sensíveis sobre a modernização de Cuiabá no período pós-divisão do estado de Mato Grosso. Orientador: Fernando Tadeu de Miranda Borges. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Programa de Pós-Graduação em História, 2014.

ANDRADE, Julieta de. Cocho mato-grossense: um alaúde brasileiro. São Paulo: Escola de Folclore, 1981.

ANDRADE, Mário de. Música do Brasil. Curitiba, São Paulo e Rio: Editora Guaíra Ltda. Coleção Caderno Azul n° 01, 1941.

_______. Música, Doce Música. São Paulo, L. G. Miranda Editor (1934), 1933.

ANNAES do Sennado da Camara do Cuyabá : 1719-1830. [Transcrição e sua organização YumikoTakamoto Suzuki]. Cuiabá, MT: Entrelinhas; Arquivo Público de Mato Grosso, 2007.

ANTONACCI, Maria Antonieta. Memórias ancoradas em corpos negros. São Paulo: EDUC, 2013.

ANTONIO CANDIDO. Os parceiros do rio Bonito: Estudo sôbre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Coleção Documentos Brasileiros 118. Rio de Janeiro: José Olympo, 1964

APPLEBY, David P. La música de Brasil. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

AQUINO, Diane Márcia Souza. O Discurso da cuiabania: nós e os outros. Monografia (Especialização: “A Multiplicidade Lingüística em Mato Grosso”) – Universidade de Mato Grosso, Cuiabá, 1993, f. 13

ARAÚJO, Renata. Os Mapas do Mato Grosso. Terra Brasilis (Nova Série) [Online], N° 4, 2015, posto online no dia 12 Fevereiro 2015, consultado a 01 Outubro 2016. Disponível para baixar em: http://terrabrasilis.revues.org/1230; DOI: 10.4000/terrabrasilis, 1230.

ARENDT, Hannah. A crise da cultura. In: a crise de la Culture: Huit exercices de pensée politique [Entre Passé et Future].  COLLECTION, S/A.

ARIANO, Heloisa Afonso. Vozes da Cuiabania: Identidade e globalizaçãp no rasqueado cuiabano. Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Antropologia, Curso de Pós- Graduação em Antropologia, Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, 2002.

Arruda, Zuleica. O que é o Rasqueado Cuiabano? Cuiabá, MT: Entrelinhas, 2007.

BANDEIRA, Maria de Lourdes. Território negro em espaço de branco: estudo antropológico de Vila Bela. Editora Brasiliense/CNPq, 1988.

BAPTISTELA, Rosana. Traditional Dances From Mato Grosso: interiorizando a informação cultural. Ministério da Cultura/Estado de Mato Grosso/Departamento de Cultura, 1997.

BARBOZA DE SÁ, Joseph. Relaçaó das povoaçoens do Cuyaba e Mato grosso de seos principios thé os prezentes tempos. Cuiabá, Editora UFMT, 1975.

BARROS, Ruy Coelho de. A Guerra com o Paraguai: Aspectos polêmicos. Cuiabá: Editora Janina, 2010.

BEAUREPAIRE-ROHAN, Visconde. Dicionário de Vocabulos Brazileiros. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1889.

BENITES, Flávio Roberto Gomes. O rasqueado mato-grossense: prática identitária e memória social. Fonte: http://br.monografias.com/trabalhos908/o-rasqueado-mato/o-rasqueado-mato.shtml.

BEZERRA, Silvia Ramos. Contradições culturais do cortejo triunfante da modernidade em Cuiabá. In: Fênix – Revista de História e Estudos Culturais: Universidade de Cuiabá/Faculdade de Comunicação Social, Julho/Agosto/Setembro de 2008, Vol. 5, Ano V,  nº 3. Disponível em: www.revistafenix.pro.br.

Budasz, Rogério. Teatro e música na América Portuguesa: convenções, repertório, raça, gênero e poder. Curitiba: DeArtes – UFPR, 2008. 2ª. tiragem.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1991

___________. O que é história cultural?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2005.

Cadernos Cuiabanos-2 “Clube do Cajú” de Israel Figueiredo, Secção: teatro, abril de 1977;

Cadernos Cuiabanos-3 “Os vizinhos” de Dunga Rodrigues, Secção: Memórias, abril de 1977;

Cadernos Cuiabanos-8 “Função do Cururu” de Otávio Ramos e Arnaldo F. Drummond, Secção: Folclore, abril de 1978;

Cadernos Cuiabanos-9 “Algumas canções carnavalescas cuiabanas” de Marta Catunda, Secção: Música, abril de 1978.

CADERNO DO FOLCLORE MATO-GROSSENSE, nº 3, 1991 PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Siriri. Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Cuiabá: 1991. (53 p.) (Caderno de Folclore Mato-grossense n° 3).

CAGE, John. 4’33” disponível no endereço eletrônico do site oficial do compositor em http://johncage.org/4_33.html

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANCLINI – Nestor Garcia. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013.

CARNEIRO, Edison. Folguedos tradicionais. Rio de Janeiro, Conquista, 1974.

CASTAGNA, Paulo. Música na América Portuguesa. In:MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música: canção popular e conhecimento histórico. São Paulo/Universidade Estadual Paulista – UNESP: Revista Brasileira de História, v. 20, nº 39, 2000.

CERTEAU, Michel de. A cultura plural. 7ª edição. Campinas-SP: Papirus, 2012

Chartier, Roger. A História Cultural: Entre Práticas e representações. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, S.A. Memória e Sociedade, 1990.

COELHO. Filipe Jose Nogueira, Memorias Chronologicas da Capitania de Mato-Grosso. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 2ª Edição.Rio de Janeiro, Tipografia de João Ignácio da Silva, Tomo XIII, 1872, p.138-199).

CONDE DE AZAMBUJA, Carta de 1727, P. 469-497

Corbalan, Kleber Roberto Lopes. A Igreja Católica na Cuiabá colonial: da primeira Capela à chegada do primeiro Bispo (1722-1808). Dissertação de Mestrado em História. Cuiabá, Universidade Federal de Mato Grosso, 2006.

Corrêa, Silbene Oliveira. O rasqueado como instrumento de musicalização. Monografia de conclusão de graduação em Educação Artística com habilitação em Música. Orientação do prof. Abel dos Santos. Cuiabá, UFMT, Instituto de Linguagens, dezembro de 1993.

COSTA, Almerindo José Silva. Textos e contextos da cuiabania. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Semiótica da Cultura. Orientação da Profa. Marília Beatriz de Figueiredo Leite. Universidade Federal de Mato Grosso/Universidade de São Paulo, novembro de 1994.

CRUZ, Paulo Divino da. As negras raízes da cultura popular mato-grossense. São Paulo: Plêiade, 2012.

CURT LANGE, Francisco. Americanismo musical: ideias para uma futura sociologia musical latino-americana. Revista Brasileira de Música: Volume II, 2º Fasciculo. Rio de Janeiro: Junho (publicado em Novembro de 1935).

D’ALINCOURT, Luiz. Rezultado dos Trabalhos e Indagações Statisticas da Provincia de Matto-Grosso.Cuyabá, 1828.

DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos: e outros episódios da história cultural francesa. 2ª Ed. São Paulo: Paz e terra, 2015.

DEL PRIORE, Mary. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense, 2000.

DELAMÔNICA FREIRE, Otávio Bandeira. Revista A Violeta: um estudo de mídia impressa e gênero. Dissertação de Mestrado em Comunicação. São Paulo, Universidade Paulista, 2007.

DEMERSAY, Alfredo. História Geral do Paraguay: desde a sua descoberta até nossos dias-seguida de uam noticia gerographica do estado actual do Paraguay. Rio de Janeiro: Typographia Perseverança, 1865.

Documentos Régios 1702 -1748. Códice N° 01 da Superintendencia de Arquivo Público de Mato Grosso. Cuiabá, Entrelinhas, 2013.

DIAZ Y GARCIA-TAVALERA, Miguel. Dicionário Santillana para estudantes: espanhol-português, português-espanhol. 3ª Ed. São Paulo: Moderna, 2011, p. 402.

DIRETO AO PONTO/APÓS A POSSE: Taques dança rasqueado cuiabano com primeira dama. Da Redação, Repórter MT, dia 01 de janeiro de 2015. Página acessada em outubro de 2017 e disponível em http://www.reportermt.com.br/direto-ao-ponto/taques-danca-rasqueado-cuiabano-com-primeira-dama/42102.

ELIAS, Norberto. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

ERTHAL, Neuza Maria. Comunidade São Gonçalo: histórias, lendas e tradições. 2004, s/e.

Fernandez, Luis. La viola de cocho du mato grosso. Cahiers d’ethnomusicologie [En ligne], 2 | 1989, mis enligne le 15 septembre 2011, consulté le 17 décembre 2015. URL : http://ethnomusicologie.revues.org/2337.

FRANÇA, Eurico Nogueira. A música no Brasil. São Paulo: Leart Livraria e Encadernação Ltda., Ministério da Educação e Saúde: Os Cadernos de Cultura, Serviço de documentação, S/A.

FRIAS, Lena. Todos os sons da identidade brasileira do Brasil. Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, Caderno B, de 01 de dezembro de 1997 (segunda-feira).

GALILEI, Patrícia. Vamos rasquear? Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação Física e Esporte com Aprofundamento em Dança. Orientação do Prof. José Maria Campos Melo. Universidade Federal de Mato Grosso, março de 1999.

GARCIA, Rodolfo. Exotismo franceses originados da Lingua Tupi/ Nomes de parentesco na Lingua Tupi. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Volume LXIV. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942,

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978

Gombrich, E. H. A História da Arte. Editora: Ltc , 2000.

GOMES, William. Chuça e Rebuça Baile. Ex: “Na guarita vai tê hoje uma chuça e rebuça”. Disponível em http://historiografiamatogrossense.blogspot.com.br/2009/04/dicionario-cuiabanes.html

GRANDO, Beleni Sálete (Org.). Cultura e Dança em Mato Grosso: Catira, Curusé, Folia de reis, Siriri, Cururu, São Gonçalo, Rasqueado e Dança Cabocla, na região de Cáceres. Cuiabá: Central de Texto; Cáceres-MT: Unemat Editora 2005.

GROVE, George. A Dictionary Of Music and Musicians. Oxford, 1878, Vol. 1. Dísponivel para baixar em https://archive.org/stream/imslp-of-music-and-musicians-grove-george/PMLP192599-A_Dictionary_of_music_and_musicians_v1_1879_UM.

_______. Dictionary Of Music and Musicians. Oxford, 1878, Vol. 2. Dísponivel para baixar em https://archive.org/stream/imslp-of-music-and-musicians-grove-george/PMLP192599-Dictionary_of_music_and_musicians_v2_1880_UCBerkeley.

_______. Dictionary of Music and Musicians. Vol. III. Londres: MAcmillan and CO., Limited, 1900.

GUAPO, Milton Pereira de Pinho. Remedeia c’o que tem. Cuiabá: edição do autor, 2010.

Guimarães, Thereza Martha B. Presotti; Ariano, Heloisa Afonso. Inventário Documental do Patrimônio Imaterial de Mato Grosso: Breve discussão dos resultados. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Caminhos e fronteiras. 3ª Edição. São Paulo: Cpmanhia das Letras, 1994.

_________. Raízes do Brasil. 27ª Edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

IPHAN. Modos de Fazer a Viola de Cocho. Brasília-DF: IPHAN, 2009.

JESUS, Nauk Maria de (org.). Dicionário de História de Mato Grosso – Período colonial. Cuiabá-MT: Carlini&Caniato, 2011

Jornal “O matto-Grosso”, 05/01/1890.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 19ª Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2007

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. Companhia das Letras. São Paulo 1996 6ª Reimpressão.

LIMA, Rossini Tavares. Estudo sobre a Viola, S/D.

loureiro, Roberto. Cultura mato-grossense - Festas de santos e outras tradições. Cuiabá: Entrelinhas, 2006.

MACIEL, Laura. A Capital de Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós Graduação, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992, f. 100.

MALINOWSKI, Bronislaw. Una teoría científica de la cultura y otros ensayos. Buenos Aires: Editora Sudamericana, S/A.

MARQUES, Ana Maria; OLIVEIRA, Dorit Kolling de. Dunga Rodrigues: a musicista cuiabana em documentário. In: Doc On-line, n. 16, setembro 2014. Disponível em: www.doc.ubi.pt, pp. 180 - 199.

MATO GROSSO. Lei Provincial n. 02, de 10 de março de 1843. Aprova o Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário desta Cidade, formada pelos irmãos dessa Confraria em 20 de fevereiro de 1838, a exceção do período 2º do § 2º do artigo 10. Acervo do Instituto Memória da Assembléia Legislativa de Mato Grosso.

MELLO E SOUZA, Marina de. Catolicismo Negro no Brasil: santos e Minkisi, uma reflexão sobre miscigenação cultural. Revista Afro-Ásia, 28 (2002), p. 125-146.

__________. Reis negros no Brasil escravista, história da festa de coroação de rei congo. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2002.

MELLO, Guilherme de. A música no Brasil. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947.

MELO, Luiz Gonzaga de. Antropologia Cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Editora Vozes, 1986. p. 200 – 298

MESQUITA, José de.Gente e Coisas de Antanho (Crônicas 1924-1934). Cuiabá: 1978.

Miceli. Paulo Celso; Garcia Domingos Sávio da Cunha. (Orgs.) História e Fronteira. Cáceres-MT: UNEMAT Editora, 2014.

MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música: canção popular e conhecimento histórico. Universidade Estadual Paulista – UNESP. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, nº 39, 2000,.p. 203-221.

MOUTINHO, Joaquim Ferreira. Notícia sobre a Provincia de Matto Grosso seguida d’um roteiro da sua capital a’S. Paulo. São Paulo, Typografia de Henrique Schroeder, 1869

NAPOLITANO, Marcos. História&Música – história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica 2002.

NEDER, Alváro. “Roda em volta de mim, que a polca paraguaia é assim”: encontros culturais na canção popular urbana e transformações políticas em Mato Grosso do Sul. Per Musi, Belo Horizonte, n.29, 2014, p.209-219.

NOGUEIRA, Carlos. ASPECTOS DA LITERATURA DE CORDEL PORTUGUESA. Universidade de Lisboa & CTPP. La literatura popular impresa en España y en la América colonial. Formas & temas, géneros, funciones, difusión, historia y teoría. Cátedra, Pedro M. Salamanca: SEMYR, Instituto de Historia del Libro y de la Lectura, 2006.

O COMÉRCIO. Anno I, N° 16. Cuiabá, 16 de junho de 1910. Vários Redatores

O MATTO-GROSSO. Anno XII, N° 585. Cuyabá, 13 de abril de 1890. Publicação semana e OrgãoDemocratico com direção e propriedade de Emilio Espirito Santo Rodrigues Calháo.

O PHAROL: OrgamLitterario Critico e Independente, Anno I, n° 22, proprietário Joaquim C. T. Coelho, com colaboradores diversos, Cuiabá, 04 de agosto de 1925.

PAULA, Wantuil Rodrigues de. O rasqueado, um movimento expressivo do existencial cuiabano. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação Física e Esporte com Aprofundamento em Dança. Orientação do Prof. Koiti Anzai. Universidade Federal de Mato Grosso, março de 1999.

PERARO, Maria Adenir. A imigração para Mato Grosso no século XIX – Mulheres paraguaias: estratégias e sociabilidades. Universidade Federal de Mato Grosso, Departamento de História, s/d.

PEREIRA JÚNIOR, Cleber Alves. O código de posturas e os futuros cururus oitocentistas. ANPUH-XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza, 2009.

PEREIRA ALVES, Cleber Alves. O cururu como fonte de resistência escrava em Cuiabá Imperial. VI Simpósio Nacional de História Cultural: Escritas da História: Ver-Sentir-Narrar. Teresina-PI: Universidade Federal do Piauí-UFPI.

PLANO DE GUERRA DA CAPITANIA DE MATTO GROSSO por Ricardo Franco de Almeida Serra, Janeiro de 1800/ Elias Alves de Andrade, Manoel Mourivaldo Santiago-Almeida e Roberto Leiser Baronas, Cuiabá, EdUFMT, 2014.

PLISSON, Michel. Systèmes rythmiques, métissages et enjeux symboliques des musiques d’Amérique latine. Cahiers d’ethnomusicologie [En ligne], 13 | 2001, mis en ligne le 17 décembre 2012. Site consultado em 16 de abril de 2015. Disponível para baixar em: http://ethnomusicologie.revues.org/1963965.

PRANDI, Reginaldo. De africano a afro-brasileiro: etnia, identidade, religião. Revista USP, São Paulo, n° 46, junho/agosto, 2000.

PREISS, Jorge Hirt. A música nas missões jesuíticas nos séculos XVII e XVIII.Porto AlegrE, Martins Livreiro-Editor, 1988.

RAMOS, Otávio; DRUMMOND, Arnaldo F. Cadernos Cuiabanos-8 “Função do Cururu”. Secção: Folclore, abril de 1978.

REGO, Maria do Carmo de Mello. Lembranças de Matto Grosso. Rio de Janeiro de 1897, Typ. Leuzinger.

REYNALDO, Ney Lared. Comércio e navegação no Rio Paraguai (1870-1940). Cuiabá, Editora da UFMT, 2004.

Rezzieri, Raphaela. A sedução estética em letras cuiabanas: Políticas culturais em Mato Grosso: O caso da Fundação Cultural (1975-1995). Dissertação (mestrado) - Orientador: Renilson Rosa Ribeiro. Universidade Federal de Mato Grosso, 2014.

ROCHA, Anderson. Festa Ribeirinha: Cenas de um Brasil antigo: nas práticas do cururu mato-grossense.  (Dissertação) - Programa de Pós-Graduação em História. Área de Concentração: História Cultural. Orientadora: Professora Dra. Eleonora Zicari Costa de Brito. Brasília-DF, Universidade de Brasília, 2015

ROSA, Carlos Alberto. JESUS, Nauk Maria de. A terra da Conquista: história de Mato Grosso colonial. Cuiabá – MT: Gráfica e Editora Print, 2003.

Roteiro Musical da Cuiabania: Caderno Três de Dunga Rodrigues, biografia e obra musical de Doutor Antônio Pedro de Figueiredo, 1979.

Roteiro Musical da Cuiabania: Caderno Quatro de Dunga Rodrigues, biografia e obra de José Mamede da Silva Rondon, 1979.

SALIBA, Elias Thomé. História e Música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. Capítulo 1, p.35-76.

SAID, Edward W. Elaborações Musicais. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1992.

SAMPAIO, A. J. A flora de Matto Grosso (com dez mapas). Rio de Janeiro, Museu Nacional, Conferência de 30 de janeiro de 1916.

SANTA-ANNA NERY, F. J. Folk-lore Brésilien. Paris, Librairie Académique Didier, 1889. Fonte: www.forgottenbooks.org.

SANTIAGO, Jorge P. Musique brésilienne, musiques et musiciens au Brésil. Revista Latitudes n° 23, avril 2005.

SANTOS, GIORDNA Laura da Silva. O siriri na contemporaneidade em Mato Grosso: suas relações e trocas. Dissertação de Mestrado. Orientador José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato grosso-Instituto de Linguagens-Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais Contemporânea, 2010.

SANTOS, Elisângela de Jesus. Nas melodias da toada: riso e performance no cururu paulista. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdades de Ciências e Letras, Campus de Araraquara. Orientador: Dagoberto José Fonseca, 2008.

SCHMIDT, Max. Estudos de Etnologia Brasileira: Peripécias de uma viagem entre 1900 e 1901, seus resultados etnológicos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

SILVA, Leonam Lauro Nunes da. Relações na Tríplice Fronteira: A Bolívia no contexto da “Guerra Grande” (1865-1868). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso sob a orientação da Profa. Dra. Maria Adenir Peraro, Cuiabá, 2014.

SILVA, Silbene Corrêa Perassolo da. A Festa de São Benedito: estudo sobre a “invenção” de uma tradição cuiabana. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso na área de concentração de “Territórios e Fronteiras”-“Ensino de História, Memória e Patrimônio”, sob a orientação do Prof. Dr. Renilson Rosa Ribeiro, Cuiabá, 2014.

SIQUEIRA, Joaquim da Costa. Compêndio Histórico Cronológico do Cuyabá. 1965.

SOARES, Mariza Carvalho. Devotos da cor: identidade, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro do século XVIII. Civilização Brasileira, 2000.

SODRÉ, Nelson Werneck. Síntese de história da cultura brasileira. 3ª. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.

Steinen, Karl Von Den. Coleção Brasiliana, UFRJ Eletrônica, 1942.Disponível em: http://www.brasiliana.com.br. Acessado em 19 de março de 2014. No original em alemão este texto se encontra na p. 84.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas-SP: Editora da Unicamp. 2001.

THOMPSON, Jorge. A Guerra do Paraguay com uma Resenha Histórica do Paiz e seus Habitantes. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert, 1869.

TINHORÃO, José Ramos. Os Negros em Portugal, uma presença silenciosa. Lisboa: Caminho-Coleção Universitária, 1988.

_______. Os sons dos negros no Brasil: cantos, danças, folguedos: origens. São Paulo: Editora34, 2008.

__________. Pequena história da música popular-segundo seus gêneros. 7ª. Edição. São Paulo: Editora 34, 2013

VICTORINO, Myriam Moura. A condição feminina sob a ótica dos saraus líteros-musicais cuiabanos. Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Música Brasileira. Orientação do Profa. Cássia Virgínia Coelho de Souza. Universidade Federal de Mato Grosso, novembro de 199.

VOLPATO, Luiza Rios Ricci. Cativos do Sertão: vida cotidiana e escravidão em Cuiabá em 1850-1888. São Paulo: Marco Zero/EdUfmt, 1993.

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. 1ª edição Cosac Naify Portátil. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1992.

WISNIK, José Luis. O Som e o Sentido: uma outra história das músicas. 2ª. Edição. São Paulo:Companhia das Letras, 1989.