Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Fatores associados à percepção de cura de hanseníase no período pós-alta da Poliquimioterapia.
Aleksandra Rosendo dos Santos, Eliane Ignotti

Última alteração: 05-10-18

Resumo


Introdução: A hanseníase é uma doença infecto-contagiosa que tem tratamento e este promove a cura. Entretanto as sequelas, em consequência do comprometimento neural, denominadas Incapacidades Físicas (IF), medida em graus, podem influenciar na percepção de cura,  no período pós-alta da poliquimioterapia (PQT).

Objetivo: Identificar os fatores associados à percepção de cura dos casos de hanseníase pós-alta do tratamento, no município de Cáceres, Mato Grosso, no período de 2000 a 2015.

Metodologia: Estudo transversal retrospectivo sobre a percepção de cura da hanseníase, no período pós-alta, em Cáceres, Mato Grosso, região endêmica da doença. A população do estudo foi composta por casos novos de hanseníase que receberam alta por cura, no período de 01 de janeiro de 2000 a 31 de dezembro 2015. Os dados foram obtidos por meio de prontuários, entrevistas domiciliares e exames do grau de IF. Foram incluídos pacientes residentes em área urbana e com registro da avaliação do grau de IF no diagnóstico e na alta do tratamento. Os critérios de exclusão foram: endereço não localizado, mudança de endereço para fora da aréa do estudo, morte e recusa em participar do estudo. Como variável dependente para percepção de cura definiu-se : sente-se curado ( sim/não); como variáveis independentes foram testadas: grau de IF no pós-alta, características socioeconômicas, operacionais e clínicas. Por meio de regressão logística realizou-se as análise de associações ao nível de significância de 5%.

Resultados: Foram entrevistadas 390 pessoas que receberam alta por cura de hanseníase. Afirmaram sentir-se curados 304(77,9%) dos casos e 86(22,1%) acreditam que ainda estão doentes. A comparação das proporcões dos casos dos que se sentem curados com aqueles que não se sentem, mostra diferença significante para as variáveis renda familiar, classificação operacional, queixas no tratamento, reação no tratamento, prescrição de outras medicações no tratamento, concessão de atestado médico e reação pós-alta, grau de IF pós-alta e concessão do auxílio doença. Os casos com maiores chances de não se sentirem curados da hanseníase, no período pós-alta, foram de pessoas com piora no grau de IF  (OR=3,27). A ausência de episódios reações no tratamento (OR=0,49) e pós-alta  (OR=0,48) são fatores que associam-se a percepção de sentir-se curado da doença.

Conclusão: Os fatores associados à percepção de cura da hanseníase estão relacionados à melhora clínica e física dos pacientes com o tratamento e pós-alta por cura. Os achados deste estudo apontam a necessidade e relevância da manutenção de assistência aos pacientes de hanseníase no período pós-alta com enfoque na prevenção e recuperação de incapacidades físicas.

Palavras-chave


hanseníase; tratamento; incapacidade física; cura.

Referências


1.World Health Organization (WHO). Global leprosystrategy 2016-2020: accelerating towards a leprosy-free world. [acessado 2018 fev15]. Disponível em: http://apps.searo.who.int/PDS_DOCS/B5233.pdf

2-Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portal da Saúde. Hanseníase 2018.  [acessado 2018 fev15]. Disponível em : http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase.

3-World Health Organization (WHO). Leprosy Elimination, 2018. [acessado 2018 fev10]. Disponível em: http://who.int/lep/disease/en/

4-Brasil. Ministério da Saúde (MS). Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. Manual técnico-operacional. Brasília: MS; 2016.