Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM, MEDIAÇÃO E INTERAÇÃO: PROCESSOS DA FORMAÇÃO ONLINE NA UFMT
Alessandra Maieski

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Após alguns anos de homologação da legislação sobre Educação a Distância (EaD) e da criação do sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), observou-se a emergência do uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) nos processos de formação, sobretudo no ensino superior. Tal emergência se deu, frequentemente, pelo uso dos ambientes virtuais de aprendizagem, os quais congregam várias facilidades na organização dos procedimentos de ensino e, o mais importante, possibilitam mediação, interação e diálogo entre alunos e professores.

Na revisão sistemática realizada, o cenário das pesquisas, em primeiro lugar apontam para uma produção que se expressa como fragmentada ao se considerarem as funcionalidades dos AVA em seu sentido mais técnico que pedagógico, e, em segundo, as dicotomias que se põem sobre a discussão no uso deles. Observa-se lacunas relevantes no intuito de se pensar formação com tecnologias. Não se trataria, apenas, de integrar os AVA aos cotidianos da formação, mas sim de pesquisas que apoiassem e sustentassem processos e procedimentos do aprender e ensinar, por meio de mediação e interação, os quais fossem convergentes com a cultura digital.

Pensando nisso, este projeto tem por objetivo analisar o uso dos AVA nos cursos online da UFMT no sentido de se reconhecer, ou não, processos e procedimentos de interação e mediação. O problema é: como identificar os processos e procedimentos de interação e mediação nos cursos de formação online da UFMT? Para responder a tal questionamento é de fundamental importância a compreensão dos conceitos de mediação e interação utilizados para embasar essa pesquisa, que se baseiam a partir da teoria sócio histórica elaborada pelo Psicólogo Russo Lev Semenovitch Vygotsky, para ele a construção do conhecimento ocorre por meio da interação do sujeito com o meio e com outros indivíduos a partir do processo de mediação.  O objeto de estudo nesse âmbito então, são os processos e procedimentos de interação e mediação nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem nos cursos online da UFMT; utilizando-se da abordagem qualitativa, porque é por meio dela que se interpreta o objeto de estudo, o que possibilita ter uma visão mais ampla do cenário investigado, pelo olhar com o qual vai observar o objeto e os critérios adotados.

 

 


Palavras-chave


Ambientes Virtuais de Aprendizagem; interação; Mediação

Referências


ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Educação a Distância na Internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 2, p.327-340, 2003.

ALONSO, Katia Morosov; SILVA, Danilo Garcia Da. Trabalho docente, educação a distância e as TIC: entre a excitação e o sobre trabalho. Linhas Críticas (UnB), v. 19, p. 561-578-578, 2013.

BABBIE, Earl. Métodos de pesquisa survey. 1.ed. Belo Horizonte, MG: Edições UFMG, 1999.

BARRETO, Raquel Goulart. Educação e tecnologia (1996-2002). Brasília: MEC/Inep, 2006.

DENZIN, Norman Kent; LINCOLN, Yvonna Sessions. O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. 2ª Ed. Trad. Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. São Paulo, Ed. Atlas, 2008.

HADDAD, Murilo. Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) no Ensino Presencial e Semipresencial de Graduação da UFSJ. 2013, 138 f. Dissertação (Mestrado em Processos Socioeducativos e Práticas Escolares) — Universidade Federal de São João Del-Rei, São João Del Rei.

KERCKHOVE, Derrick de. A pele da cultura: investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009.

MORAES, Moema Gomes. Pesquisas sobre educação e tecnologias: questões emergentes e configuração de uma temática. 161f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2016.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Pensar a educação: contribuições de Vygotsky. In: Piaget Vygotsky: novas contribuições para o debate. São Paulo: Ática, 1988. p. 51-81.

PEIXOTO, Joana. A concepção de dispositivo pedagógico que integrem as TIC. Interação. Goiânia, UFG, 34 (1): 89-104, jan./jun. 2009.

PEREIRA, Alice Theresinha Cybis. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. 2007.

SILVA, Danilo Garcia da. Trajetórias de formação em ambientes virtuais: entendimentos e percepções da mediação, interação e interatividade. 2015, 296 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

THOMPSON, John Brookshire. A Mídia e a Modernidade: Uma teoria social da mídia. Trad. Wagner de Oliveira Brandão. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

TOSCHI, Mirza Seabra. A dupla mediação no processo pedagógico. In: TOSCHI, Mirza Seabra. (Org.) Leitura na tela: da mesmice à inovação. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2010, p. 171-179.

VIGOSTSKI, Lev Semenovich. A formação Social da Mente. Org. Michael Cole. 7ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2007.