Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Diversidade bacteriana ruminal de bovinos de corte em pastejo suplementados com aditivos
Mircéia Angele Mombach, Luciano da Silva Cabral, Bruno Carneiro e Pedreira

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Diversos aditivos têm sido utilizados na alimentação de bovinos de corte com o intuito de melhorar o desempenho animal. Contudo, pouco se conhece sobre o efeito associativo desses aditivos sobre a comunidade de microrganismos ruminais. Assim, objetiva-se com este trabalho verificar se a associação de aditivos na dieta de bovinos de corte em terminação altera a quantidade de espécies bacterianas ruminais e a quantidade de protozoários. Foram testados quatro tipos de suplementos, com salinomicina e virginiamicina: suplemento 1 (formulação contendo ureia), suplemento 2 (substituição parcial da ureia por Optygen II®), suplemento 3 (suplemento 2 com adição de cepas de levedura Saccharomyces cerevisae), suplemento 4 (suplemento 3 com inclusão de probióticos). Foram utilizados 20 animais da raça Nelore machos não castrados, com peso corporal médio de 485 ± 9,5 kg. Destes, 16 animais (quatro por tratamento) foram mantidos em área de pastagem (7,85 ha) diferida de Brachiaria brizantha cv. BRS Piatã e receberam suplementação diária na proporção de 1,75% do peso corporal (PC). Os demais animais foram mantidos em área de pastagem similar à do experimento e receberam suplemento proteico diário na proporção de 0,1% PC, caracterizando o tratamento controle. Ao final do período experimental (± 84 dias) todos os animais foram abatidos e amostras de conteúdo ruminal (sólido e líquido) foram coletados para quantificação de grupos de bactérias fibrolíticas (Fibrobacter succinogenes e Ruminococcus albus) e não fibrolíticas (Prevotella ruminicola, Selenomonas ruminantium e Streptococcus bovis) e para os grupos de protozoários ciliados e bactérias metanogênicas. A quantificação foi realizada via PCR em tempo real com padrões produzidos a partir das amostras de DNA de cada microrganismo de interesse. O experimento seguiu um delineamento inteiramente casualizado com cinco tratamentos e quatro repetições. Houve um aumento de 7% na população de F. succinogenes nos animais recebendo o suplemento 3, com valor igual ao grupo controle (5,08 log UFC). Para a bactéria R. albus, a população aumentou em 8% nos animais recebendo o suplemento 3 e 4 em comparação aos animais consumindo o suplemento 1 e 2.  A população de P. ruminocola foi maior nos animais consumindo o suplemento 3 (5,86 log UFC) e 4 (6,03 log UFC). Para S. bovis houve uma redução na população em todos os animais recebendo suplemento em relação ao grupo controle. Não houve diferença na população metanogênicas, porém o grupo de protozoários foi menor nos animais consumindo o suplemento 2. A associação de levedura e probiótico na dieta de bovinos de corte estimula o crescimento de bactérias fibrolíticas e consumidoras de peptídeo, o que pode reduzir os riscos de acidose ruminal.


Palavras-chave


Levedura, Microbioma Ruminal, PCR em Tempo Real, Probiótico, Ureia