Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS USADAS POR ESPECIALISTAS LOCAIS DA MICRORREGIÃO DO ALTO GUAPORÉ, MATO GROSSO, AMAZÔNIA LEGAL E BIOPROSPEÇÃO QUÍMICO-FARMACOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS SELECIONADAS NA TRIAGEM ANTI- INFLAMATÓRIA, ANTIÚLCERA,
Eduarda Pavan

Última alteração: 05-10-18

Resumo


A microrregião do Alto Guaporé localizada na mesorregião Sudoeste mato- grossense é formada pelos municípios de Conquista d´Oeste, Nova Lacerda, Pontes e Lacerda, Vale do São Domingos e Vila Bela da Santíssima Trindade, apresenta rica biodiversidade vegetal e etnocultural em seus biomas Amazônia (50%), Cerrado (20%), áreas de transição entre estes dois e áreas panatanosas. Objetivo: Levantar informações etnobotânicas junto a especialistas locais e realizar bioprospeção farmacológica da flora medicinal da microrregião do Alto Guaporé com potencial anti-inflamatório, antiúlcera, antimicrobiana e cicatrizante de ferida, além de caracterizar quimicamente os extratos selecionados na triagem preliminar. Métodos: As informações serão coletadas pela aplicação de um formulario semiestruturado, com amostragem não probabilística, usando-se o método de snowball para a seleção dos informantes reconhecidos como especialistas locais no uso de plantas medicinais, nos 5 municípios da microrregião, em que as variáveis sócio- demográficas, etnobotânicas e etnofarmaológicas serão analisadas. O fator de consenso do informante (FCI) e as análises de componentes principais (ACP) e de Qui-Quadrado (X2) serão empregadas para comparações entre grupos taxonômicos e sistemas corporais. Todas as plantas serão coletadas, identificadas e selecionadas 10 plantas medicinais por atividade (anti-inflamatória, antiúlcera, antimicrobiana e cicatrizante de ferida), que apresentarem maiores frequências relativas de uso medicinal e ausência de estudos farmacológicos para o preparo, por maceração do pó de cada parte usada popularmente em água-etanol (1:3, p/v), de 50 extratos hidroetanólicos 70% (DDV), a serem submetidos às triagens farmacológicas e avaliação da citotoxicidade em modelos experimentais in vivo (inflamação aguda, úlcera gástrica e cicatrização de ferida) e in vitro (antimicrobianos e citotoxicidade). Apenas 1 DDV de cada triagem farmacológica que apresentar maior atividade farmacológia e não apresentar citotoxidade será selacionada para aprofundamento dos estudos farmacológicos, toxicológicos e caracterização química. A pesquisa só será iniciada após cumprimento de todos os aspectos éticos, junto aos informantes, provedores e órgãos federais. Resultados Esperados: Documentar, fortalecer a medicina tradicional local e avançar na pesquisa e desenvolvimento de novos fitoterápicos e/ou fitofármacos, a partir da flora medicinal nativa, bem como capacitar pessoas nos diferentes níveis de formação e divulgar os resultados da pesquisa.


Palavras-chave


Bioprospeção, Etnobotânica, Etnofarmacologia, Fitoquímica, Alto Guaporé, Amazônia Legal, Mato Grosso.

Referências


ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MATO GROSSO. A Fronteira Brasil-Bolívia em Mato Grosso – 2016. Cuiabá, 2016.

BERNARD, H. R. Research Methods in Anthropology: Qualitative and Social Mechanisms for Build Quantitative Approaches. New York: Altamira Press, p. 803, 2006.

BOOKER, A., JONSTON, D., HEINRICH, M. Value chains of herbal medicines-Research needs and key challenges in the context of ethnopharmacology. Journal of Ethnopharmacology. DOI 10.1016/j.jep.2012.01.039, 2012.

HEINRICH, M., EDWARDS, S., MOERMAN, D.E., LEONTI, M. Ethnopharmacological field studies: A critical assessment of their conceptual basis and methods. Journal of Ethnopharmacology, v. 124, 2009.

HEINRICH, M., LARDOS, A., LEONTI, M., WECKERLE, C., WILLCOX, M. Best Practice in Research: Consensus Statement on Ethnopharmacological Field Studies. Journal of Ethnopharmacology.DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jep.2017.08.015, 2017.

NINGTHOUJAMA, S.S., TALUKDAR, A., POTSANGBAMC, K.S., CHOUDHURY. M.D. Challenges in developingmedicinal plant databases for sharing ethnopharmacological knowledge. Journal of Ethnopharmacology, v. 141, 2012.

PACINI, ALOIR. Identidade étnica e Território Chiquitano na fronteira (Brasil-Bolívia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 616 p, 2013.

WECKERLE, C.S., BOER, H.J., PURI, R.K., ANDEL, T., BUSSMANN, R.W., LEONTI, M. Recommended standardsfor conducting and reporting ethnopharmacological field studies. Journal of Ethnopharmacology, DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jep.2017.08.018, 2012.