Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Usina Itaicí - Mato Grosso: História, Trabalho e Educação
Emilene Fontes Oliveira

Última alteração: 27-09-18

Resumo


Esta pesquisa tem como objeto de estudo a Usina Itaicí, uma usina de produção de açúcar criada no início do século XX no município de Santo Antonio de Leverger – MT. O ponto central desta tese é analisar a educação de maneira mais ampla, procurando dar visibilidade à diversidade de práticas que instruem e educam que, portanto são pautadas nas implicações do tempo-espaço. Para isso, optamos por utilizar as categorias espaço, escolarização e trabalho, por permitir olhar para educação a partir dos elementos culturais importantes na sua produção. Desta forma, para que haja entendimento dos diferentes fenômenos que envolvem a educação, é necessário ampliar o universo de compreensão, o que nos moveu para outras formas de educação que acontecem para além da escola, ao mesmo tempo em que não ignoramos as ações educativas escolarizadas. Isso foi possível através da operação historiográfica que permitiu localizar, selecionar, reunir, cotejar, analisar, enfim, apropriar-se de um corpus documental que contêm informações importantes acerca das ações de cunho educativo de natureza escolar e não escolar fabricadas no contexto da Usina Itaicí. No campo da educação escolar, a ênfase foi dada na escolarização das crianças com base nas reformas educacionais, relatórios, mensagens, atas, atestados, jornais e fotografias, possibilitando evidenciar a criação e organização da Escola de Itaicí enquanto uma instituição de ensino primário fomentada a priore pela iniciativa privada empresarial e mais tarde pela administração pública, como também, voltamos o olhar para alguns aspectos da sua cultura escolar. Este estudo também chama a atenção para as perspectivas da história da educação para além da escola. Procura-se exteriorizar o compartilhamento de saberes e fazeres direcionados à educabilidade de homens, mulheres e crianças para a convivência nos moldes hierárquicos da sociedade coronelista, que atuavam com base nas práticas clientelísticas pensando na adequação das famílias para o trabalho na produção do açúcar e o modo de vida na usina. Toma-se como referência nessa investigação os anos de 1897 a 1930 que se explica por ser o auge do funcionamento da usina, sem desconsiderar que o referido recorte trata-se do limiar da República, momento de muita tensão política no estado. Esse cenário certamente influenciou a formação da sociedade que tinha que conviver com a implantação dos ideários republicanos diante de práticas fortemente oligárquicas. A tese ao tratar da educação dentro e fora da escola partiu do olhar da história cultural com foco nas noções de representações e apropriações (CHARTIER, 1990) no sentido de compreender a dimensão educativa produzida na usina na sua pluralidade, observando a formação de valores, hábitos, costumes e comportamentos. Recorremos ao conceito de práticas culturais de Michel De Certeau (1994) considerando as maneiras como as pessoas faziam uso das práticas e dos lugares de poder. A narrativa histórica está organizada em quatro capítulos dedicados à verificação das hipóteses de sustentação da tese.


Palavras-chave


Educação escolar e não escolar; História Cultural; Mato Grosso

Referências


ALVES. Laci Maria Araujo. Nas trilhas do ensino (Educação em Mato Grosso: 1910-1946). Cuiabá: EdUFMT, 1998.

ALEIXO, Lucia H. G. Mato Grosso: trabalho escravo e trabalho livre (1850-1888). Brasília: Ministério da Fazenda, Departamento de Administração, Divisão de Documentos, 1984.

ALEIXO, Lucia Helena Gaeta; ARRUDA, José Jobson de A. Vozes no silencio: subordinação, resistência e trabalho em mato grosso - 1888-1930. 1991. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

ARRUDA, Larissa R. V. Disputas Oligárquicas em meio ao desequilíbrio federativo: uma análise das práticas políticas das elites mato-grossenses. In: XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis –SC, p. 1-17. 2015.

ARRUDA, Larissa R. V.; JUNIOR, José A. da S. As representações sobre Antonio Paes de Barros. In: Anais – II Congresso Internacional de História da UFG/Jataí, Goiás, 2011, p. 1-10.

ARRUDA, Gustavo Lima. Apontamentos sobre mandonismo, coronelismo e clientelismo: continuando o debate conceitual. In: XXVIII Simpósio Nacional de História. Conhecimento histórico e diálogo social. Natal – RN, Julho, 2013.

BAHIA, Luiz Henrique Nunes. O poder do clientelismo: raízes e fundamentos da troca política. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BHABHA, Honi. O Local da Cultura. Belo Horizonte. UFMG. 1998.

BARROS, João Bosco P. de. João Bosco Paes de Barros responde a sua sobrinha Regina. Disponível em < http://joaoboscopaesdebarros.blogspot.com.br>. Acessado em março de 2016.

BARROS, José D’ Assunção. A nova História Cultural – considerações sobre o seu universo conceitual e seus diálogos com os campos históricos. Caderno de História, Belo Horizonte, v, 12, n 16, 1º sem/2011.

BASTOS, Maria Helena Câmara. A pesquisa de História da Educação em Revista. In: LOMBADI, José Claudinei et. All. (orgs). Educação em debate: perspectivas, abordagens e historiografias. Campinas: Autores Associados, 2006, p. 99-128.

______. (2006). A Pesquisa em História da educação em revista. In Schelbauer, A. R., Lombardi, J. C., & Machado, M. C. G. (Orgs.), Educação em debate: perspectivas, abordagens e historiografia (pp.99-128). Campinas/SP: Autores Associados.

______. (2009). Pense globalmente, pesquisa localmente? Em busca de uma mediação para a escrita da História da Educação. In Mendonça, A. W. et al. (Org.), História da Educação. Desafios teóricos e empíricos (pp. 67-92). Niterói/RJ: Editora UFF.

______. (2011). A Caixa de Pandora: desafios do ensino e da pesquisa em História da Educação no Brasil. In Freitas, A. G. B., Oliveira, L. E. M. de, Nascimento, J. C. do, & Nascimento, E. F. C. do. (Orgs.), O Ensino e a Pesquisa em História da Educação (pp. 73-96). Maceió: Edufal.

______.; Almeida, D. B. (2013). Um Protocolo para a pesquisa em História da Educação: espaços, sujeitos e circulação. Educação e Cidadania, n. 12, 19-29.

BOSI

BORGES, A. C. da S. Os ribeirinhos do Pantanal Norte na construção do discurso do progresso (1870-1930). Revista Documento monumento. Cuiabá, v. 2, nº 1, out/2010, p. 51-63.

______. Os senhores da área alegável: ruralidade e diversidade social do Pantanal Norte (1870-1930). Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho, 2011.

BORGES, Vera Lúcia B. A batalha eleitoral de 1910: imprensa e cultura política na primeira república. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

BUHLMANN, Tiffany. Paes de Barros em Mato Grosso – Totó Paes de Barros governador do Mato Grosso. Disponível em <www.https://ospaesdebarrossaopaolo.blogspot.com.br>. Acessado em março de 2016.

BURKE, Peter. A Teoria da História Social. São Paulo, Unesp. 2002.

BUZATTO, Gino Franscisco. As transformações urbanas em Cuiabá-MT na gestão de Júlio Strübing Müller  e a formação do cidadão cuiabano para a modernidade (1937-1945). Disponível em: <http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe7/pdf/10-/20patrimonioeducativo/20e/20cultura/20material/20escolar/as/20transformacoes/20urbanas/20em/20cuiaba-mt.pdf>. acesso em: 17 de fev. de 2017.

______. Transformações urbanas em Cuiabá e a formação do cidadão moderno. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2017, p. 140.

CARDOSO AYALA, S.; SIMON, F (Orgs). Álbum Gráfico de Mato Grosso. Campo Grande: IHGMT, [1914] 2011.

CARVALHO, José M. Os bestializados: O Rio de Janeiro e a e a república que não foi. Rio de Janeiro: Cia - Companhia das Letras, 1987.

______, José Murilo de. Mandonismo, coronelismo e clientelismo: uma discussão conceitual. In: Dados vol. 40, n. 2. Rio de Janeiro, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br.php?pid=s0011-52581997000200003&cript=sci_arttext . Acessado em 09 de junho de 2017.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Volume 1: Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

______. A escrita da História. Forense Universitário. Rio de Janeiro, 2002.

CHARTIER, Roger. Por uma sociologia histórica das práticas culturais. In: A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002, p. 13-28.

______. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CIAVATTA, Maria (Coord.); Duarte, Elisa T. [et. al]. Memória e Temporalidades do Trabalho e da Educação. Rio de Janeiro: Lamparina, Faperj, 2007.

CORRÊA, Valmir Batista. Coronéis e Bandidos em Mato Grosso (1890-1940). 2ºed., Campo Grande:Ed. UFMS, 2006.

______. História e violência cotidiana de um “povo armado”. Projeto História.São Paulo, n. 39, pp 57-73, jul/dez, 2009.

CORRÊA FILHO, Virgílio. História de Mato Grosso. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1969.

______. As indústrias mato-grossenses. Rio de Janeiro. Volume V. 1945.

______. Pantanais mato-grossenses: devassamento e ocupação. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístico, 1946. (Biblioteca Geográfico Brasileiro. Série A: “livros”, Publicação, v 3).

DOURADO, Nileide Souza. Práticas Educativas Culturais e Escolarização na Capitania de Mato Grosso (1748-1822). (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2014, p. 279.

DUARTE, Nestor. A Ordem Privada e a Organização Política Nacional. Brasília: Ministério da Justiça, 1997.

DUBY, George. A História Continua. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

ENCICLOPÉDIA DOS MUNICIPIOS BRASILEIROS/IBGE. Município de Santo Antonio de Leverger, 1958. In: <http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogodetalhes&id=26688>. Acessado em 06/06/2017.

ESCOLANO, Agustin, (1998). Arquitetura como programa. Espaçoescola e currículo. In: ESCOLANO, A. e VIÑAO Frago, A. Currículo, espaço e subjetividade. A arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A Editora. Tradução Alfredo Veiga-Neto.

FANAIA, João Edson de Arruda. Elites e práticas políticas na Primeira República em Mato Grosso (1889-1930). 2006. 291 fls. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.

FARIA FILHO, Luciano M. O espaço escolar como objeto histórico. R. Fac. Educ. São Paulo. V, 24, n 1, p. 141-159, jan./jun., 1998.

______; VIDAL, Diana G. Os tempos e os espaços escolares no processo da institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Maio./jun./jul./ago, 2000.

FELGUEIRAS, Margarida Louro (2005). Materialidade da cultura escolar. A importância da museologia na conservação/comunicação da herança educativa. Pro-Posições, v. 16, nº 1(46) – Jan./ abr.

FERREIRA, João Carlos Vicente. Mato Grosso e seus municípios. Cuiabá: Secretaria de Estado de Cultura, 1997.

FRANCO, Gilmara. Confrontos pelo poder: Cuiabá como palco das disputas políticas e o assassinato de Antonio Paes de Barros (1902-1906). MONÇÕES, UFMS/CPXC – Vol. 3 n. 3 2015, p. 5-26.

______. A ordem republicana em Mato Grosso: disputas de poder e rotinização das práticas políticas 1889-1917. Tese (doutorado em História). Universidade Estadual Paulista. Franca, 2014.

FRANCO, Maria Silvia de C. Homens livres na ordem escravocrata. 4ª ed. São Paulo: Unesp, 1997.

FREYRE, Gilberto. Casa & Senzala: a formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48ª Ed. ver. Editora Global, São Paulo, 2003.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; LOPES, Eliane Marta Santos Teixeira. Território Plural: a pesquisa em História da Educação. São Paulo: Ática, 2010.

GATTI JUNIOR, Décio. A história das instituições educacionais: inovações paradigmáticas e temáticas. In: ARAÚJO, José Carlos Souza; GATTI JUNIOR, Décio (Org.). Novos temas em historia da educação brasileira: instituições escolares e educação na imprensa. Campinas: Autores Associados; Uberlândia/MG: EDUFU, 2002. p. 3-24.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

______. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p 27-38, jan./mar. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405.pdf>. Acesso em: 08 de ago. 2017.

GONÇALVES, Marlene. Fragmentos da memória subterrânea das usinas de açúcar: Aricá, Conceição, Flexas e Maravilha. 1. Ed. Curitiba, PR: CVR, 2011.

GONDRA, José Gonçalves; Schueler, Alessandra. Educação, poder e sociedade no império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

HEMEROTECA NACIONAL DIGITAL. Coleção de Periódicos de Mato Grosso no período de 1910 a 1930. Biblioteca Nacional. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/uf.aspx

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. História da educação brasileira: Leituras. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

JULIA

KUHLMANN JR, M., Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: O Município e o Regime Representativo no Brasil. 6.ª ed. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1993.

LORIGA. Sabina. O eu do historiador. História da Historiografia. Ouro Preto, n. 10, p. 247-259, dez 2012.

MAGALHÃES, Justino P. de. Tecendo nexos: História das instituições educativas. Editora Universitária São Francisco – EDUSF, Bragança Paulista, 2004.

MAVESTIO, Mateus Roberto Sposito. A cultura política do clientelismo: uma análise no Brasil contemporâneo. In: Dia-logos, Rio de Janeiro/RJ, n. 9, Outubro, 2015.

MELLO, Maria T. C. A modernidade Republicana. Revista Tempo, Nº 26, Rio Grande do Sul, 2008.

MENEZES, Alfredo da M. A morte de Totó Paes: política no interior do Brasil. Cuiabá – MT: Carlini & Caniato, 2007.

MENDONÇA, Estevão. Datas Matogrossenses. 2ºed. Cuiabá: Governo de Mato Grosso, 1973.

MONARCHA, Carlos. História da Educação (brasileira): formação do campo, tendências e vertentes investigativas. História da Educação. Pelotas, n. 21, jan-abr 2007, p. 187-210.

NADAF, Pedro. Comerciante: atividade que acompanha a evolução da humanidade. Disponível em www.gazetadigital.com.br. Acessado em 05 de junho de 2016.

NEVES, Ângela V. Clientelismo, cultura política e democracia: dilemas e desafios da participação popular a experiência do orçamento participativo na cidade de Barra Mansa. Tese (doutorado em Ciências Sociais) IFCH Unicamp, Campinas, 2006.

OLIVEIRA, Emilene F. de. Cultura brasileira e a memória da construção da identidade nacional no grupo escolar leonidas de matos (1937-1945). Dissertação de mestrado em Educação. UFMT. Cuiabá. 2005.

PAIÃO, Ilza D. A casa-escola no cenário urbano de Cuiabá (1872-1890): limites, tensões e ambiguidades. IV Congresso Brasileiro de História da Educação. Anais... Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2006.

PAES, Ademilson B. Reformas e Regulamentos da Instrução Pública de Mato Grosso (1889-1927). In: Revista Educação e Fronteiras On-line, Dourados/MS, v. 2, n. 4, p. 80-96, 2012.

PORTELA, LAURO V de S. Uma República de muitos coronéis e poucos eleitores: coronelismo e poder local em Mato Grosso. (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2009.

PÓVOAS, Lenine de C. O Ciclo do Açúcar e a Política de Mato Grosso. Cuiabá, IHGMT, 2000.

REIS, Rosinete M. dos. Palácios da Instrução: institucionalização dos Grupos Escolares em Mato Grosso (1910-1927). Cuiabá – MT, Central de Textos: EdUFMT, 2006. (Coleção coletânea educação e memória; v. 3/ Nicanor Palhares Sá, Elizabeth Madureira Siqueira (orgs.).

REIS, Rosinete M. dos. A escola isolada à meia luz (1891-1927). Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 309.

RÊGO, José L. Menino de Engenho. 30. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.

________. Usina. 12. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

SÁ, Elizabete Figueiredo de. De criança a aluno: as representações da infância em Mato Grosso (1910 a 1927). Cuiabá: EdUFMT, 2007.

SÁ, Nicanor P.; SIQUEIRA, Elizabeth M. de. A Historiografia “clássica” da educação de Mato Grosso e os avanços contemporâneos implementados pelo Grupo de Pesquisa História da Educação do IE/UFMT. Revista Educação e Filosofia. Uberlândia/MG, v, 18 (número especial), maio 2004, p. 41-66.

SANFELICE, José Luis. História das Instituições Escolares. In: Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Maria Isabel M. N. et. Al (org.). Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR: Sorocaba, SP; Uniso: Ponta Grossa, PR; UEPG, 2007.

SARMENTO, M. J. (2003). As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: M. J. Sarmento e A. B. Cerisara (org). Crianças e miúdos, perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto. Asa.

SENA, Divino Marcos de. Camaradas: livres e pobres em Mato Grosso (1808-1850). Dissertação (Mestrado em História). UFGD, Dourados, 2010.

SILVA, Paulo Pitaluga C. e. A visão dos vencidos: Totó Paes cem anos depois. Edição comemorativa do centenário de inauguração da Usina Itaicy. 1º de setembro de 1897-1º de setembro de 1997. Cuiabá. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, 1997.

SILVA, F. C. T. Cultura escolar: quadro conceitual e possibilidades de pesquisa. In: Revista Educar, Editora UFPR. Curitiba, n. 28, p. 201-216, 2006.

SILVA, Marineide de Oliveira da. Escola Primária Rural: trilhar caminhos e transpor barreiras na educação em Mato Grosso (1927-1945). Cuiabá: EdUFMT, 2014.

SILVA, Marijane S. da. A infância e sua escolarização nos páginas dos jornais cuiabanos (1910-1930). Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2015, p. 188.

SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. História de Mato Grosso: seleção de conteúdo para o concurso público do Governo do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas, 2009.

______. A ocupação pioneira do Rio Cuiabá Abaixo. IHGMT. Cuiabá, 1997.

SIQUEIRA, Elizabeth M.; COSTA, Lourença e CARVALHO, Cinthia M. C. O Processo Histórico de Mato Grosso. UFMT, Cuiabá, 1990.

SOUZA, Antonio F. de. Antonio Paes de Barros e a Política de Mato Grosso. IHMT, Cuiabá, 1958.

SOUZA, Rosa Fátima de; ÁVILA, Virgínia P. da S. de. Para uma genealogia da escola primária rural: entre o espaço e a configuração pedagógica. Roteiro, Joaçaba, v. 40, n. 2, p. 293-310, lul./dez. 2015.

SOUZA, R. F. de. Lições da escola primária. In: SAVIANI, D. et al. O legado educacional do Século XIX. 3.ed. Campinas: Autores Associados, 2008. p.109-151.

SOUZA, R. F. de e VALDEMARIN, V. T. (orgs.). A Cultura Escolar em Debate. Questões conceituais, metodológicos e desafios para a pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2005.

VICENZI, C. J. Paraíso verde: impressões de uma viagem à Mato Grosso em 1918. Rio de Janeiro: [s.n: s.d].

VIÑAO Frago, A., (1995). Historia de la educación e historia cultural: possibilidades, problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação, n. , p. 63-82.

VIOTTI, Emília da C. Sobre as origens da República. In: Da Monarquia à República. Momentos decisivos, 6ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1994, p. 266-320.

FONTES

Recenseamento

BRASIL, MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, DIRETORIA GERAL DE ESTASTÍSTICA. Recenseamento do Brasil de 1920, volume IV, Rio de Janeiro, 1920.

Regulamentos

MATO GROSSO. Governo. Regulamento da Instrução Pública Primária. Arquivo Público de Mato Grosso – APMT, Cuiabá – MT, 1896.

______, ______. Regulamento da Instrução Pública Primária. Arquivo Público de Mato Grosso – APMT, Cuiabá – MT, 1910.

______, ______. Regulamento da Instrução Pública Primária. Arquivo Público de Mato Grosso – APMT, Cuiabá – MT, 1927.

Mensagens

MATO GROSSO, Mensagem à Assembleia Legislativa de Mato Grosso, 1899. APMT.

______, Mensagem à Assembleia Legislativa de mato Grosso, 1901. APMT.

______, Mensagem à Assembleia Legislativa de mato Grosso, 1903. APMT.

Relatórios

MATO GROSSO. Direção Geral da Instrução Pública. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Dr. Manoel Paes de Oliveira, Secretário de Estado dos Negócios do Interior Justiça e Fazenda, pelo Major José Estevão Corrêa, Diretor Geral da Instrução Pública do Estado de Mato Grosso. Cuiabá, 1876. APMT.

______, ______. Relatório de 1878. O Diretor Geral da Instrução Pública, Pe. Ernesto Camillo Barreto apresenta relatório ao Presidente da Província, Dr. Hermes Ernesto da Fonseca. Cuiabá, 25 de fevereiro de 1897. APMT.

______, ______. Presidente de Estado. Relatório de 1920. Apresenta relatório Assembléia Legislativa. Cuiabá, 07 de setembro de 1920. APMT.

 

Decreto

MATO GROSSO. Estado. Governo. Decreto nº 797, de 14 de março de 1928, fl. 151-152. Cria uma Escola Ambulante e Mista na povoação de Itaicí no município de Santo Antonio doo Rio Abaixo.

Correspondências

SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO. Ofício. De Virgíneo Nunes Ferraz, Manoel da Silva Fontes, Miguel Angelo de Oliveira Pinto e Luiz da Costa Ribeiro Fontes para os coronéis Joaquim C. Peixoto de Azevedo, Antonio Manoel Moreira e Dr. João da Costa Marques referente a conflitos no município. Santo Antonio do Rio Abaixo. 1924. APMT – Lata 1916 A.

SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO. Ofício enviado da Escola Ambulante Mista de Itaicí. Solicitação de material escolar. 1931. APMT – Caixa 1931 12 C.

SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO. Comunidade de Melgaço. Ata. Solicitação de criação da Escola de Itaicí. 1910. APMT – Lata 1910 B.

SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO. Ofício enviado da Inspetoria escolar de Melgaço. Atestado de trabalho referente ao mês de setembro da professora Maria Pereira. 1930. APMT – Lata 1916/provas escolares.

Jornais

O COMMERCIO. Órgão Particular (Amarílio Alves de Almeida) Cuiabá, 1910-1911. Acervo BN/APMT/NEDHIR.

A CRUZ. Jornal da Liga Católica, Cuiabá, 1932. Acervo da BN/APMT/NEDHIR.

A LUZ. Órgão Particular. Cuiabá, 1924-1942. Acervo BN/APMT/NEDHIR .

A REACÇÃO. Órgão da Liga Mato-grossense de Livre Pensadores. Cuiabá, 1926-1928. Acervo BN/NDIHR/ACBM.

O MATTO-GROSSO. Cuiabá, 1917-1930-1932. Acervo NDIHR/BN.

O ESTADO DE MATO GROSSO. Órgão Independente. Cuiabá, 1958. Acervo BN.

REPUBLICANO. Órgão do Partido Republicano Conservador. Cuiabá, 1897 e 1899. Acervo NDIHR/ ACBM/ BN.

O CORREIO DO ESTADO. Órgão do partido republicano de Mato Grosso. Cuiabá, 1925. Acervo NDIHR/BN/APMT.

O PHAROL. Particular e literário. Cuiabá, 1909. Acervo NDIHR/BN/APMT.

A PLEBE. Cuiabá, 1927. Acervo NDIHR/BN/APMT.

 

Testemunhos

SANTO ANTONIO DE LEVERGER. Testemunho. 1995. Relato escrito. Sr. Luiz Pereira Duarte. Acervo de família.