Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O espanhol étnico da regiâo Altos de Chiapas: letramentos inacabados.
María Antonieta Flores

Última alteração: 17-10-18

Resumo


Neste estudo analisaremos as características da variante dialetal do espanhol conhecido, informalmente, no âmbito acadêmico como étnico com o intuito de reconhecer as causas do letramento inadequado de estudantes universitários majoritariamente indígenas que cursam o bacharelado em Língua e Cultura na Universidade Intercultural de Chiapas (doravante UNICH) sediada na cidade de San Cristóbal de Las Casas, no estado mexicano de Chiapas. A pesquisa analisara os determinantes possessivos da escrita entre estudantes bilíngues (língua indígena e espanhol) e monolíngues (apenas espanhol) como pretexto para examinar as praticas de letramento e as circunstancias socio-históricas que geraram um dialeto valorado negativamente. Os estudantes, falantes mormente da língua tzotzil e tzeltal -línguas pertencentes à família linguística maia, uma das onze famílias linguísticas assentadas no México, apresentam grande dificuldade para redigir textos escritos em espanhol, textos, por via de regra com acusado emprego de determinantes possessivos e uso irregular de flexões de gênero e numero entre os nominais e seus atributos. As línguas da família linguística maia possuem determinantes possessivos como traços morfológicos imprescindíveis prévios a nomes que, por exemplo, denotam relações de parentesco ou objetos considerados pessoais; no entanto o pesquisador não percebe a diferença na redação entre os dois grupos de estudantes (bilíngues e monolíngues) por isso se pergunta as causas, além da gramática, destes traços na redação do espanhol eufemisticamente nomeado ‘étnico’.  A pesquisa esboçara brevemente a história da relação entre o espanhol e as línguas indígenas do México com o propósito de compreender a valoração negativa e o status sociopolítico desigual das línguas originarias face à língua oficial. Isto é, a pesquisa começara por uma fase documental para mais tarde examinar o entorno sociocultural dos jovens formandos matriculados na Universidade Intercultural de Chiapas. Graças à interpretação destes dados a pesquisadora procurara compreender a realidade complexa dos letramentos ‘inacabados’, por quanto a pesquisa será principalmente qualitativa e terá como arcabouço teórico as pesquisas que concebem estas praticas como um objeto social e uma pratica cultural.

Palavras-chave


variante dialetal, letramentos, Estado-nação

Referências


Cassany, Daniel y Castellá, Josep M. Aproximación a la literacidad crítica. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n.2, 353-374, jul/dez.2010 Disponible en https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2010v28n2p353 acceso el 20 de agosto del 2018.

Heath, S.B. “What No Bedtime Story Means: Narrative Skills at Home at School”. In Alessandro Duranti (editor) (2009) Linguistic Anthropology. A Reader. Second Edition. Blackwell Publishing.

KLEIMAN A. B. “Modelos de letramento e práticas de alfabetização na escola”. In Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995. Coleção Letramentos. Educação e Sociedade.

Meek, Margarete (2004) En torno a la cultura escrita. Traducción de Rafael Segovia Albán. México: Fondo de Cultura Económica.