Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE QUALIDADE DE ÁGUA IQANSF X IQACCME
Jessica Siqueira, Gilson Alberto Rosa Lima

Última alteração: 26-10-18

Resumo


O que é o monitoramento para análise da qualidade da água? Segundo a Resolução CONAMA 357/05, é a medição ou verificação de parâmetros de qualidade e quantidade de água, que pode ser continua ou periódica, utilizada para acompanhamento da condição e controle da qualidade do corpo de água. Como é estabelecida a Qualidade da Água? É estabelecida pela variação das características físicas, químicas e microbiológicas do ambiente aquático. Estas características são representadas matematicamente por variáveis de qualidade da água que são mensuradas durante o monitoramento, com o objetivo de identificar e quantificar as variações através de medidas de concentrações e análises microbiológicas (BOYACIOGLU, 2010). Como é quantificado a variação das características físicas, químicas e microbiológicas? Ao longo das últimas décadas vários índices de qualidade da água foram criados, porém o índice desenvolvido na década de setenta por Brown (Finazzi Apud Brown et al. 1970, 1973) em parceria com National Sanitation Fondation (NSF) conhecido como IQANSF é o mais utilizado no Brasil. Mas o que é IQA? Uma operação matemática que transforma os valores medidos (em diferentes unidades e escala) das variáveis de qualidade em um único número adimensional. Esse número representa à combinação ponderada das concentrações das variáveis, indicando de modo classificatório a qualidade da água através de uma linguagem não técnica (por exemplo, bom, excelente, ruim) de fácil compreensão. E o IQACCME? O índice WQICCME (Water Quality Index-Canadian Council of Ministers of the Environment) ou IQACCME (Índice de Qualidade da Água-Conselho Canadense de Ministros do Meio Ambiente), fornece resultados expressos em faixas de valores, que determinam o nível de qualidade da água. O índice é composto pela combinação de três medidas de variância. Cada medida corresponde a uma das componentes de um vetor no espaço tri-dimensional. As medidas são escalonadas de forma que o comprimento do vetor varie entre 0 e 100. A formulação do IQACCME é fundamentada na comparação entre valores observados e os critérios estabelecidos por legislação ou sobre bases científicas a serem satisfeitos para cumprir o objetivo do monitoramento. O ato de comparar um valor observado com um critério estabelecido é chamado de teste. O teste calcula a variância de três fatores. Escopo, frequência e amplitude é o terceiro fator e calcula quanto cada variável de qualidade excedeu ou violou os critérios estabelecidos como objetivo do monitoramento. O objetivo da dissertação é comparar os resultados obtidos nos índices IQANSF e IQACCME, das estações de monitoramento de qualidade de água da Bacia do Rio Cuiabá. Verificar a influência do número de variáveis nos índices e escolher as variáveis em função do uso e ocupação. Metodologia adotada para elaboração da pesquisa será realizada em Três etapas: Primeira contendo a pesquisa bibliográfica, levantamento de dados e delimitação da área de estudo. Segunda etapa: Avaliar a qualidade dos dados disponíveis, entender o formalismo matemático dos índices IQANSF e IQACCME. Terceira etapa: Determinar os valores padrões da concentração de acordo com a legislação para cada variável e realizar a análise comparativa dos resultados obtidos pelos índices, discussão e redação dos resultados.

Palavras-chave


Água; IQA; Cuiabá

Referências


ANA – Agência Nacional de Águas. Disponível em: <http://www.ana.gov.br.> Acesso em 17/10/2017.

ANA – Agencia Nacional de Águas. Panorama da qualidade das águas superficiais no Brasil. ANA/Superintendências de Planejamento de Recursos Hídricos – Brasília: ANA, SPR, 2005. 179p.

ANA – Agência Nacional de Águas. Panorama da Qualidade das Águas Superficiais do Brasil. 2012. Brasília. 265 p.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil – CF/1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em setembro de 2017.

BRASIL, Lei de nº 11.445 de 5 de janeiro de 2007 – Lei de Saneamento Básico. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em outubro de 2017.

BRASIL, Lei de nº 9.433 de 8 de janeiro de 1997 – PNRH. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em setembro de 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância e Controle da qualidade de água para consumo humano/ministério da saúde, secretária de vigilância em saúde. – Brasília: Ministério de saúde, 2006. 212 p.

BOYACIOGLU, H. Utilization of the water quality index method as a classification tool. Environ Monit Assess, v.167, n. 1-4, p. 115-124, 2010.

CASTRO, L. S. Direito fundamental de acesso a água potável e a dignidade da pessoa humana. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 117, out 2013. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13202>. Acesso em novembro 2017.

COMPANHIA AMBIENTAL DE ESTADO DE SÃO PAULO. Guia Nacional de Coleta e Preservação de amostras: água, comunidades aquáticas e efluentes líquidos / CETESB. ANA, 2011. 327p.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO – CETESB. Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo. Série Relatórios. Apêndice A. Significado Ambiental e Sanitário das Variáveis de Qualidades das Águas e dos Sedimentos e Metodologias Analíticas e de Amostragem. (2009). Disponível em: <http://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wp-content/uploads/sites/12/2013/11/variaveis.pdf>. Acesso em novembro de 2017.

CONTAR, T. S; Destro, C. A. M; Lima, G. A. R. Influência de dados censurados no cálculo da concentração média das variáveis de qualidade da água demanda química de oxigênio e fosfato. Eng Sanit Ambient | v.20 n.2 | abr/jun 2015 | 191-198.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº. 357 de 17 de março de 2005. Disponível em: <www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf>. Acesso em setembro de 2017.

FINAZZI, A. E. M. Análise Sensitiva do Índice de Qualidade de Água IQACCME. Cuiabá – MT. 2012.

HADDAD, E. A. Influência Antrópica Na Qualidade Da Água Da Bacia Hidrográfica Do Rio São Miguel, Carste Do Alto São Francisco, Minas Gerais. Belo Horizonte – MG. Abril 2007.

LIMA, C. R. N. Variabilidade Espacial De Parâmetros De Qualidade De Água Na Bacias Do Rio Cuiabá E São Lourenço. Cuiabá – MT. 2013.

MINISTERIO DA SAÚDE – MS. Portaria nº. 518 de 2004. Disponível em: <bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html>. Acesso em outubro de 2017.

PES, J. H. F; ROSA, T. H. O Direito Fundamental de Acesso à Água e a Interrupção do Serviço Público de Abastecimento. 2012. 28p. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=82cadb0649a3af49>. Acesso em novembro de 2017.

PNMA II – Índices e Indicadores de Qualidade da Água – Revisão da Literatura. 114p. Disponível em: <http://www.cprh.pe.gov.br/downloads/indice-agua-volume1.pdf>. Acesso em outubro de 2017.

SILVA, T. S. Direito Fundamental de Acesso à Água Potável: O Fornecimento de Água e a Hipótese de Suspensão por Inadimplemento do Usuário do Artigo 40, V, da Lei 11.445/2007 – Lei de Saneamento Básico. Publicado na Revista IDEA. ISSN 2176-8161. 2016. Disponível em:<https://www.esamcuberlandia.com.br/revistaidea/index.php/idea/article/download/92/7>. Acesso em outubro de 2017.

SILVA, G. L. et al. Proposição de um Índice de Qualidade de Água Bruta para Abastecimento Público. REGA – Vol. 9, nº. 1, p. 17-24, jan/jan. 2012.

SOARES, P. F. Projeto e Avaliação de Desempenho de Redes de Monitoramento de Qualidade da Água Utilizando o conceito de Entropia. Tese Doutorado. SP, 2001.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; UFMG – 2005.