Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
EXPRESSÃO DA ANEXINA A1 NOS MACRÓFAGOS M1 e M2 DA PELE DE PACIENTES COM LEISHMANIOSE CUTÂNEA
Joselina Maria da Silva

Última alteração: 05-10-18

Resumo


A leishmaniose cutânea é causada por protozoários do gênero Leishmania e a transmissão ocorre através da picada de flebotomíneos. É uma doença infecciosa, que acomete pele e mucosa. A resposta imune celular tem sido apontada como um importante fator na progressão das lesões da leishmaniose tegumentar. A proteína anti-inflamatória anexina-A1 é reconhecida como um importante mediador no processo inflamatório. Ela está altamente expressa em macrófagos, tanto na inflamação aguda, quanto na inflamação crônica. O objetivo desse trabalho foi quantificar a expressão de ANXA1 nos macrófagos M1 e M2 no infiltrado leucocitário da pele de paciente com leishmaniose cutânea atendidos no Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), UFMT, Cuiabá, MT, de acordo com as características da análise histopatológica. Biópsias de pele de pacientes com leishmaniose cutânea(n=20) foram processadas e analisadas.Os pacientes foram classificados de acordo com o tipo de lesão como: reação exudativa celular (REC),reação exudativa granulomatosa (REG),reação exudativa necrótica (REN) e reação exudativa necrótica-granulomatosa (RENG).Utilizando a técnica de imunofluorescência, os macrófagos foram identificados pelo marcador CD163, diferenciados pelos anticorpos anti-MHCII e anti-CD206 e a expressão de anexina-A1 foi determinada por densitometria por unidades arbitrárias (UA). Na quantificação da anexina-A1, observou-se que os macrófagos M1 não apresentou alteração significativa nos tipos de lesão (REC: 132,9±3,9UA REG:141,2±3,3UA REN:140,0±3,2UA e RENG:131,1±3,2UA). Em relação aos macrófagos M2, observou-se que pacientes com lesão do tipo REN e RENG apresentavam maior expressão dessa proteína (154,0±2,3 e 145,5±2,1UA, respectivamente), quando comparada com a expressão nas lesões de pacientes REC e REG (136,8±4,3 e 127,0±2,2UA, respectivamente). É sabido que a anexina-A1 funciona como uma proteína reguladora do sistema imune, inibindo a produção de citocinas pró-inflamatórias, tais como o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α). Em conclusão, esses dados demonstram que a anexina A1 esta atuando no processo de fagocitose dos pacientes REN e RENG, sugerindo que esse aumento na expressão da proteína esta relacionada com a presença de necrose tecidual.

Palavras-chave


leishmaniose cutânea; anexina-A1; macrófagos

Referências


1- BASANO, S.A.; CAMARGO, L.M.A. Leishmaniose tegumentar americana: história, epidemiologia and perspectivas de controle. Rev Bras Epidemiol, v.7, p.328-337, 2004.

 

2- GONTIJO, B.; CARVALHO, M.L.R. American cutaneous leishmaniasis. Rev Soc Bras Med Trop, v.36, p.71-80, 2003.

 

3- PERRETTI, M.; FLOWER, R. J. Annexin 1 and the biology of the neutrophil. J Leukoc Biol, v.76, p.25-29. 2004