Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Ratos desnutridos na vida intra-uterina e recuperados no pós-desmame apresentam adipócitos multiloculares em diferentes depósitos de tecido adiposo branco
Priscila da Costa Rodrigues, Marise Auxiliadora de Barros Reis

Última alteração: 03-10-18

Resumo


A restrição proteica em períodos críticos, como a prenhez e lactação, pode interferir na condição de saúde na fase adulta e na predisposição para o desenvolvimento dedoenças metabólicas, além de um maior acúmulo de gordura, principalmente quando associado ao ganho de peso acelerado decorrente da recuperação nutricional. Surge, então, a soja como uma coadjuvante na recuperação nutricional visto sua ação benéfica em doenças como diabetes mellitus e obesidade, devido sua açãosobre o tecido adiposo (TA) e navia de sinalizaçãoinsulínica. Entretanto, em modelo de recuperação nutricional pós-desmame, a soja promove efeitos diversos no metabolismo lipídico a depender do estado nutricional pregresso. Em animais controle, a soja reduziu o acúmulo de gordura por aumento da taxa lipolítica, enquanto que em animais recuperados, a soja no pós-desmame preservou o acúmulo de gordura por redução da taxa lipolítica, levantando-se a hipótese de menor expressão de receptores beta 3 adrenérgicos. Apesar disso,independentemente da dieta, animais recuperados apresentammenor atividade do tecido adiposo marrom, deixando uma lacuna de como a soja atua na redução do acúmulo de gordura e na regulação do metabolismo lipídico. Sabe-se que, por meio de estímulos extrínsecos, o TA branco pode sofrer remodelamento e apresentar fenótipo de adipócitos beges, por um processo denominado de “browning”; dessa forma apresenta morfologia e função semelhante ao TA marrom: com presença de adipócitos multiloculares e termogênese aumentada devido ao maior número de mitocôndrias e expressão de Proteínadesacopladora 1(UCP-1).Adicionalmente, é visto que animais que sofreram restrição proteica tendem a ter TA bege em alguns depósitos de gordura como uma adaptação à dieta a qual foram expostos. Assim, o objetivo desse trabalho foi avaliar a ocorrência de adipócitos multiloculares em tecido adiposo branco de ratos alimentados com farinha de soja. Proles de mães alimentadas com 17% ou 6% de proteína (caseína) durante a prenhez e lactação foram mantidas com dieta à base de caseína (CC, RC e HP) oufarinha de soja (CS e RS), ambas com 17% de proteína, desde o desmame até os 90 dias de vida. Os animais foram eutanasiados ao final do período experimental para coleta de TA brancoretroperitoneal, subcutâneo, omental, epididimal e perirrenal. A análise morfológica dos tecidos adiposos apontou que dentre os depósitos de gordura coletados, apenas o TA retroperitoneal, perirrenal e omental tiveram a presença de adipócitos multiloculares. Metade dos animais LS (50%) apresentou adipócitos multiloculares no retroperitoneal (n = 6), enquanto que todos desse mesmo grupo (100%) tiveram no perirrenal. No grupo LC, 54% dos animais (n= 7)tiveram presença apenas no TA perirrenal. Com relação ao TA omental, parcela dos animais LC (50%) e LS (20%) apresentaram adipócito multilocular.Conclui-se que, apesar da menor atividade do TAM, os animais recuperados adaptam-se aos estímulos para termogênese com o remodelamento do tecido adiposo branco, principalmente aqueles alimentados com soja. Porém, para a confirmação de que houve diferenciação dos adipócitos é necessário investigar a expressão de UCP-1 concomitantemente com fatores de transcrição específicos de browning, como o TBX1 e PRDM16.


Palavras-chave


"Recuperação nutricional", soja, browning, "tecido adiposo"