Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
GLP-1 reduz apoptose de células beta pancreáticas em ratas recuperadas da desnutrição em fases críticas do desenvolvimento
Chaiane Aline da Rosa, Márcia Queiroz Latorraca

Última alteração: 03-10-18

Resumo


A desnutrição na vida intrauterina e lactação provoca adaptações permanentes em órgãos e sistemas, predispondo às doenças metabólicas na vida adulta.  Dentre as adaptações destaca-se o comprometimento da massa de células beta pancreáticas, que pode ser modulada pelo peptídeo 1 semelhante ao glucagon (GLP-1) devido à sua ação sobre proliferação, neogênese e apoptose. Seus efeitos têm sido avaliados utilizando agonistas do seu receptor como a exendina 4 (Ex-4). Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do GLP-1 sobre mecanismos que aumentam e reduzem a massa de células beta pancreáticas de ratas adultas submetidas à restrição proteica na vida intrauterina e lactação e recuperados após o desmame. Ratas Wistar foram divididas em quatro grupos conforme o estado nutricional pregresso e o tratamento do Ex-4: Controle (C), Controle agonista (CA), Recuperado (R) e Recuperado agonista (RA). O tratamento foi realizado diariamente, durante 15 dias, com injeção intraperitoneal de Ex-4. O peso no início e no final do tratamento foi menor nos grupos R e RA em relação aos grupos C e CA  e o ganho de peso foi semelhante entre os grupos. As concentrações séricas de proteínas totais, albumina, globulina, fosfatase alcalina, TGP, TGO, triglicerídeos e colesterol total foram semelhantes entre os grupos. O LDL e o VLDL séricos foram menores nos animais recuperados independente do tratamento, e as concentrações de HDL foram maiores nos grupos R e RA em relação aos demais grupos. A Ex-4 diminuiu a uremia nos animais controle e aumentou nos animais recuperados. A área sob a curva da glicose, a insulinemia de jejum e 15 minutos após administração de glicose durante o teste oral de tolerância à glicose foram semelhantes entre os grupos. A glicemia 120 minutos após a administração de glicose foi menor nos animais recuperados. O conteúdo pancreático de GLP-1 não diferiu entre os grupos. Em ilhotas pancreáticas, o percentual de células marcadas com iodeto de propídio foi maior nos animais recuperados do que nos controles, e Ex-4 diminuiu essa marcação, independente do estado nutricional. A porcentagem de células beta marcadas com Ki67 (marcador de proliferação), a expressão de insulina e de PDX-1 (marcador de proliferação e neogênese) foi semelhante entre os grupos. A expressão do glucagon foi menor nos animais recuperados do que nos controles, sendo essas variáveis aumentadas com Ex-4, independente do estado nutricional. A proliferação de células alfa não diferiu entre os grupos. A expressão de PC1/3 em células alfa e beta foi maior nos animais recuperados e a expressão de PC2 em células alfa e beta foi semelhante entre os grupos. Portanto, em animais recuperados o GLP-1 não influenciou mecanismos que aumentam a massa de células beta (neogênese e proliferação), mas reduziu a apoptose.

Palavras-chave


GLP-1, recuperação nutricional, proliferação, apoptose