Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Soroprevalência de paracoccidioidomicose em Mato Grosso usando os exoantígenos ExoAg-MT (Paracoccidiodes lutzii) e ExoAg 339 (P. brasiliensis)
Armando Guevara, Ronaldo Sousa Pereira, Doracilde Terumi Takahara, Nathan Siqueira, Rosane Hahn

Última alteração: 05-10-18

Resumo


A paracoccidiodomicose é uma doença granulomatosa sistémica causada pelo complexo Paracoccidiodes brasiliensis e P. lutzii, que pode afetar qualquer órgão ou sistema. Esta doença é endêmica de América Latina sendo reportado o maior número de casos no Brasil, Colômbia e Venezuela. No Brasil, a paracoccidioidomicose é doença de notificação compulsória apenas em três estados: Mato Grosso, Rondônia e Minas Gerais. A sorologia é uma ferramenta importante para o diagnóstico e para avaliação da resposta ao tratamento. O objetivo deste estudo foi determinar a porcentagem de reatividade de soros de pacientes de Mato Grosso aos exoantígenos ExoAg-MT (P. lutzii) e ExoAg 339 (P. brasiliensis). Foram analisadas, pela técnica de imunodifusão dupla em gel de agarose, amostras de soro de pacientes do Hospital Universitário Júlio Muller e do Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN-MT) coletadas entre abril de 2012 e setembro de 2018. Os exames sorológicos foram realizados no laboratório de micologia/investigação da Universidade Federal de Mato Grosso. Foram analisadas um total de 593 amostras no período de estudo, sendo reagentes 201 (33,9%). A maioria delas com o antígeno ExoAg-MT (132 amostras, 65,7%), 57 amostras (28,4%) com o antígeno ExoAg 339 e 12 (5,9%) foram reativas para os dois antígenos estudados. Os resultados confirmaram a importância e necessidade da utilização de exoantígenos distintos para evitar resultados falso negativos devido a maior prevalência de P. lutzii no estado de Mato Grosso.


Referências


1.-Camargo ZP, Unterkircher C, Campoy SP, Travassos LR. Production of Paracoccidioides brasiliensis exoantigens for inmunodifusion tests. J Clin Microbiol 1988; 26(10): 2147-51.

2.-Vidal MS, Del Negro GM, Vicentini AP, Svidzinski TI, Mendes-Giannini MJ, Almeida AM, et al. Serological diagnosis of paracoccidioidomycosis: high rate of inter-laboratorial variability among medical mycology reference centers. PLoS Negl Trop Dis 2014; 8(9): e3174.

3.-Shikanai-Yasuda MA, Mendes RP, Colombo AL, et al. Brazilian guidelines for the clinical management of Paracoccidioidomycosis. Rev Soc Bras Med Trop 2017; 50(5):715-40.

4.- Gegembauer G, Araujo LM, Pereira EF, Rodrigues AM, Paniago AMM, et al. Serology of paracoccidioidomycosis due to Paracoccidioides lutzii. PLOS Neglect Trop Dis 2014; 8(7): e2986. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0002986