Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
MEDO DE CAIR: PREVALÊNCIA E PERFIL DOS IDOSOS SEM HISTÓRICOS DE QUEDAS
Katia Moreira Silva, Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo, Annelita Almeida Oliveira Reiners, Adriana Delmondes de Oliveira

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Introdução: O medo de cair (MC) é considerado uma das ameaças mais importantes para independência e autonomia dos idosos. Esse fenômeno gera mudanças físicas e psicossociais, cujo impacto negativo atinge igualmente suas famílias e profissionais de saúde, somado ao aumento na demanda e custos assistenciais em saúde. Em geral, o MC aparece em idosos com histórico de quedas no passado, entretanto, há aqueles que apresentam o fenômeno sem nunca haverem caído. Objetivo: Estimar a prevalência do medo de cair em idosos sem histórico de quedas e descrever seu perfil. Metodologia: Estudo transversal, descritivo, realizado com 140 idosos com 65 anos e mais, cadastrados em onze unidades de Estratégias de Saúde da Família (ESF), entre junho e agosto de 2018. Os dados sociodemográficos e de condições de saúde foram coletados por meio de entrevista estruturada, utilizando instrumentos validados. O MC foi avaliado pela Falls Efficacy Scale International-Brasil. Resultados: A prevalência encontrada do MC foi de 65,00%. A maioria é do sexo feminino, casada, e nunca estudou. Grande parte está na faixa etária de 70 a 79 anos, e vive com cônjuge ou companheiro. Houve predominância de idosos aposentados, com renda de até um salário mínimo. A maioria dos idosos têm relações sociais como receber visitas participar de grupos sociais. Quase a totalidade dos idosos relatou problemas de saúde com predominância daqueles que relataram dois ou mais problemas de saúde, dos quais o mais referido foi a hipertensão arterial sistêmica. A maioria dos idosos é independente para realização das atividades de vida diária, autoavalia sua saúde com regular e faz uso regular de até quatro medicamentos, sobretudo anti-hipertensivos. A maioria não pratica atividades físicas, está com sobrepeso, e apresenta sintomas depressivos. Conclusão: A prevalência do MC e as características dos idosos encontrados neste estudo são semelhantes às encontradas em outros estudos.

Palavras-chave


idoso; Medo; Acidentes por quedas

Referências


CAMARGOS F. F. O. et al. Adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da Falls Efficacy Scale – International em idosos brasileiros (FES-I-Brasil). Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 14, n. 3, p. 237-243, 2010.

CRUZ, D. T.; DUQUE, R. O.; LEITE, I. C. G. Prevalência do medo de cair em uma população de idosos da comunidade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 20, n. 3, p. 309-318, 2017.