Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Germinação de sementes de Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. submetidas a diferentes métodos de superação de dormência
Josiane Fernandes Keffer, Adilson Pacheco de Souza

Última alteração: 15-10-18

Resumo


Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. (Fabaceae) é uma espécie arbórea conhecida popularmente como faveira, possui ampla distribuição geográfica e sua madeira possui alto valor comercial. Mesmo que todas as condições sejam adequadas, muitas espécies apresentam dificuldade de germinação de suas sementes devido à dormência. Diversos métodos de superação de dormência tegumentar têm se mostrado eficientes e otimizado a germinação de várias espécies florestais, como o desponte, abrasões contra superfície áspera, uso de ácidos e bases fortes, imersão em água quente ou fria, dentre outros. Assim, objetivou-se avaliar diferentes métodos de superação de dormência de sementes de Enterolobium schomburgkii e determinar o mais eficiente para a germinação dessa espécie. As sementes foram coletadas em agosto de 2017 e o experimento realizado em maio de 2018 no Laboratório Ambiente e Planta da Universidade Federal de Mato Grosso. As sementes foram submetidas aos tratamentos: despontadas, lixadas, escarificação ácida, com imersão dessas em ácido sulfúrico (H2SO4 95%) por 10, 20, 30, 40 e 50 minutos e testemunha (sementes intactas). Após a aplicação dos tratamentos as sementes foram submetidas à assepsia em hipoclorito de sódio a 2% por 5 minutos. Posteriormente foram acondicionadas em caixas Gerbox, sob papel Germitest, umedecidas com água destilada e levadas para câmara de germinação à temperatura de 30 ºC e fotoperíodo de 12 horas. Realizou-se a contagem da germinação diariamente, considerando germinadas as sementes que apresentavam radícula com 2 mm. Foram determinadas a porcentagem de germinação (%G), primeira contagem de germinação (PCG), aos 14 e 7 dias, respectivamente, tempo médio de germinação (TMG), índice de velocidade de germinação (IVG), plântulas normais e anormais e sementes mortas e duras. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com oito tratamentos e quatro repetições de 25 sementes. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Os maiores percentuais de germinação (100%) foram obtidos nos tratamentos de sementes despontadas, lixadas e imersas em H2SO4 por tempo superior a 20 minutos. Na ocasião da PCG os maiores percentuais (99 a 100%) foram verificados nos mesmos tratamentos mencionados anteriormente. O TMG foi superior para as sementes imersas em H2SO4 por 10 minutos (2,13 dias) em relação aos demais. Maiores IVG foram observados para os tratamentos de sementes despontadas (3,50 plântulas.dia-1), lixadas (3,39 plântulas.dia-1) e imersas em H2SO4 por tempo superior a 20 minutos (3,43 – 3,52 plântulas.dia-1), não se diferindo entre si. Maiores percentuais de plântulas normais também foram apresentados por esses mesmos tratamentos (96 – 98%), enquanto para as sementes duras, que possivelmente ainda estavam viáveis, os maiores percentuais foram para a testemunha, que não apresentou germinação, e para as sementes imersas em H2SO4 por 10 minutos. Plântulas anormais e sementes mortas não apresentaram diferente significativa entre si. Os métodos de desponte, lixamento e imersão em H2SO4 por 20 minutos foram os mais eficientes para a superação de dormência de sementes de E. schomburgkii, e a escolha do método deve levar em consideração o custo-benefício de seu uso, bem como a demanda por mudas.


Palavras-chave


Fabaceae; Faveira; Escarificação

Referências


CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p.

LORENZI H 2002. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4.Ed. Nova Odessa, SP, Instituto Plantarum.

MARTINS, C. C.; CARVALHO, N. M.; OLIVEIRA, A. P. Quebra de dormência de sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia Benth.) Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 14, n. 1, p. 5-8, 1992.

PEREZ, S. C. J. G. A.; PRADO, C. H. B. A. Efeitos de diferentes tratamentos pré-germinativos e da concentração de alumínio no processo germinativo de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 15, n. 1, p. 115-118, 1993.