Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
DIETA HIPERCALÓRICA/HIPERLIPÍDICA ASSOCIADA À BEBIDA COM FRUTOSE, INTRODUZIDA APÓS O DESMAME, INDUZ OBESIDADE, HIPERINSULINEMIA, HIPERLEPTINEMIA
Thiago da Rosa Lima

Última alteração: 05-10-18

Resumo


INTRODUÇÃO: Dietas hipercalóricas e hiperlipídicas (HC/HL) altamente palatáveis são utilizadas na indução da obesidade experimental, simulando a estreita associação desta com o aumento da obesidade mundial. A obtenção destes modelos contribui para a compreensão dos mecanismos envolvidos nesta doença. Entretanto, os resultados presentes na literatura são bastante contraditórios e de difícil comparação, devido aos diferentes protocolos utilizados na avaliação. OBJETIVO: Estabelecer um modelo de obesidade com causas e características similares a obesidade humana, introduzindo dieta HC/HL junto a uma solução de frutose, componente presente em refrigerantes e alimentos de grande consumo atualmente, introduzida em fases precoces da vida. MÉTODOS: 27 ratos machos Wistar (21 dias; 43±2g) constituíram 3 grupos (n=9): Controle (C), receberam dieta AIN93/G+água; hipercalórica/hiperlipídica contendo 45% de lipídeos+frutose 10% (HC/HL1); hipercalórica/hiperlipídica contendo 60% de lipídeos+frutose 10% (HC/HL2). Todos receberam suas dietas por 70 dias. Após jejum (12h) os animais foram sedados (CO2) e eutanasiados. A obesidade foi avaliada utilizando o Índice de Lee (IL) [IL=3√massa corporal (g)/comprimento naso-anal (cm) x1000] e índice de adiposidade (IA) [IA=Tecido adiposo visceral (TAV)/massa corporal]x100. O TAV (g) foi medido pela soma dos tecidos adiposos: epididimal+retroperitoneal+omental+perirrenal. A leptina e insulina foram avaliados no soro por meio de kits específicos para ratos (Millipore®). O índex HOMA2-IR foi obtido por meio do software HOMA calculator versão 2.2.3 (http://www.dtu.oxac.uk). O HOMA-β e QUICK foram determinados utilizando as equações ([HOMA-β=20 x insulina (mU/L)/Glicose de jejum (mmol/L)–3.5]) e (QUICKI=1/Log insulina jejum (mU/L)+Glicemia de jejum (mg/dL), respectivamente. As análises estatísticas foram realizadas em software (SPSS® 21), e os resultados expressos como média±DP (p<0,05). RESULTADOS: O IL foi maior em HC/HH1 (331,5±10,5) comparado a C (315,6±8,9) (p= 0,02), entretanto não houve diferença entre os grupos HC/HH2 e C. O IA foi semelhante entre HC/HH1 e HC/HH2 (4,40±0,92; 3,60±0,83), e ambos maiores que C (1,93±0,90) (p<0,0001). O grupo HC/HH1 mostrou maior concentração de leptina (2563,0±1444 pg/mL, p=0,001) e insulina (950,0±346,0 pg/mL (p=0,001) comparado a C (leptina=337,4±168,9 pg/mL e insulina=535,6±277,2 pg/mL) e HC/HH2 (leptina=1263,0±937,6 pg/mL e insulina=332,0±264,5 pg/mL). HC/HH1 não apresentou diferença estatística em HOMA2-IR (4,5±1,9) e HOMA-β; (121,1±39,6) quando comparado ao grupo C (2,7±1,9; 89,3±53,1), entretanto ambos foram significativamente maiores em HC/HH1 comparado a HC/HH2 (HOMA2-IR 1,8±1,1, p= 0,018) e (HOMA-β=36,4±24,4, p=0,0007). QUICKI foi estatisticamente maior em HC/HH2 (0,35±0,08, p=0,011) comparado a HC/HH1 (0,28±0,02). No entanto, foram similares entre HC/HH2 (0,35±0,08) e C (0,30±0,03), assim como entre HC/HH1 e C. CONCLUSÃO: Os animais do grupo HC/HL1 que receberam 45% de lipídeos apresentaram características similares a obesidade humana com aumento do Índice de Lee, adiposidade visceral, Hiperleptinemia, hiperinsulinemia, sem prejuízo das células beta. Os animais do grupo HC/HL2 que receberam 60% de lipídeos, não tiveram alteração no Índice de Lee, mas apresentaram adiposidade visceral e prejuízo na função das células betas. Concluímos, portanto, que a quantidade de 45% de lipídeos associado a solução de frutose 10%, promove um modelo de obesidade mais adequado a nossa proposta, com características semelhantes à obesidade humana.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: Obesidade. Dieta hipercalórica/hiperlipídica. Insulina. Leptina. Frutose

Referências


1.         Hill JO, Peters JC. Environmental contributions to the obesity epidemic. Science. 1998;280(5368):1371-4.

2.         James PT, Rigby N, Leach R. The obesity epidemic, metabolic syndrome and future prevention strategies. European Journal of Cardiovascular Prevention & Rehabilitation. 2004;11(1):3-8.

3.         Organization WH. Obesity: preventing and managing the global epidemic: World Health Organization; 2000.

4.         Yazdi FT, Clee SM, Meyre D. Obesity genetics in mouse and human: back and forth, and back again. PeerJ. 2015;3:e856.

5.         Hall ME, do Carmo JM, da Silva AA, Juncos LA, Wang Z, Hall JE. Obesity, hypertension, and chronic kidney disease. International journal of nephrology and renovascular disease. 2014;7:75.

6.         Despres JP, Lemieux I. Abdominal obesity and metabolic syndrome. Nature. 2006;444(7121):881-7.

7.         White S, Cercato LM, Araujo D, Souza LA, Soares AF, Barbosa APO, et al. Modelo de obesidade induzida por dieta hiperlipidica e associada à resistência à ação da insulina e intolerância a glicose. Arq Bras Endocrinol Metab. 2013;57(5):339-45.