Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
OS SABERES E FAZERES DOS PROFESSORES DA ÁREA DE LINGUAGEM CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO DA MODALIDADE EDUCACIONAL QUILOMBOLA
Silvana Alves Santos, Suely Dulce Castilho

Última alteração: 30-09-18

Resumo


Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa qualitativa com recorte etnográfico, realizada na Escola Estadual Quilombola Reunidas de Cachoeira Rica, localizada no quilombo Itambé/Chapada dos Guimarães-MT. Nesta pesquisa, objetivou-se analisar e apresentar os saberes que docentes da área de Linguagem mobilizam em suas práticas pedagógicas, no contexto da modalidade de educação escolar quilombola. Este trabalho também teve como proposta descrever o contexto comunitário e a Escola Estadual Quilombola Reunidas de Cachoeira Rica, em seus aspectos históricos, políticos, identitários e culturais e assinalar como os discursos teóricos e as políticas públicas estão sendo, pensadas e articuladas, tendo como foco a formação continuada de professores para a Educação Escolar Quilombola. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram: observação participante, entrevista semiestruturada, história de vida, registro no diário de campo, documentos e fotografias. Os resultados apontam que os saberes dos professores pesquisados são oriundos de diversas fontes, entretanto os saberes experienciais se destacam e se apresentam   como eixos estruturadores da ação pedagógica e como elementos que atuam junto a outros saberes, enriquecendo o trabalho dos professores, e aí convém frisar que mesmo diante de todas as adversidades com que se deparam no ambiente escolar, a exemplo da falta de material adequado, inexistência de recursos didáticos e pedagógicos, eles mobilizam tais saberes para investir na preparação das aulas e na transposição didática dos conteúdos. Entretanto, é imprescindível assinalar que as condições precárias, modestas e insuficientes em termos físicos e estruturais configuram atualmente o grande obstáculo para que se oportunize um trabalho com melhor qualidade, bem como atividades mais significativas e alinhadas ao contexto escolar quilombola e às vivências dos estudantes. Outro componente merecedor de atenção, presente nos resultados, aponta para a carência e a necessidade de formação continuada, visto que os temas pertinentes à modalidade educacional quilombola, ofertada pela escola, não se constituem como eixo norteador do trabalho docente, contrariando assim o que está regulamentado nos documentos oficiais que orientam o trabalho em escolas quilombolas ou inseridas em território quilombola.


Palavras-chave


Educação quilombola. Saberes docentes. Práticas pedagógicas. Formação de professores. Quilombo Itambé.

Referências


ANDRÉ. Marli Eliza D. A Etnografia da Prática Escolar. Campinas-SP: Papirus, 2012.

ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BORGES, Cecília Maria Ferreira. O professor da Educação Básica e seus saberes profissionais. 1ª edição, Araraquara-SP, JM Editora, 2004.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Quilombola. Parecer CNE/CEB nº 16 de 2012. Resolução nº 08, de 20 de novembro de 2012.

________ Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: outubro de 2013.

CARRIL, Lourdes de Fátima Bezerra. Os desafios da educação quilombola no Brasil: o território como contexto e texto. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 69. 539-564 abr.-jun. 2017.

CASTILHO, Suely Dulce de. Quilombo Contemporâneo: educação, família e culturas. Cuiabá, EdUFMT, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 7ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HASENBALG, C. A. SILVA, N. V. do. Raça e oportunidades educacionais no Brasil. In: Cadernos de Pesquisa, nº 73. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 1990.

HENRIQUES, R. M. O Curriculo Adptado na Inclusão de Deficiente Intelectual. VITTA, Fabiana Cristina Frigieri de; VITTA, Alberto de and MONTEIRO, Alexandra S.R. Percepção de professores de educação infantil sobre a inclusão da criança com deficiência. Rev. bras. educ. espec. [online]. 2012, vol.16, n.3, pp. 415-428. ISSN 1413-6538.

LEITE, Ilka Boaventura.  Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. v. 4. Florianópolis: Etnográfica, 2000.

MATO GROSSO.  Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Diversidades Educacionais./ Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso.     Cuiabá:  Defanti, 2010.

MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria. Educação   escolar e   cultura (s): Construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro. N. 23, pág.  156-168 ago. 2003.

 

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo na África. Revista USP, nº 28, p. 56-63, São Paulo, dez./fev. 1995/1996.

 

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

O’DWYER, Eliane Catarino (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

PORTELA, Maria Brígida Valentim, SANTOS, Genivaldo de Souza, GEBRAN Raimunda Abou. Os saberes da experiência e a construção da poética docente para o ensino de arte. Comunicações, Piracicaba, 23, n 1, p. 225-238, jan. / abr. 2016. Disponível em <http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v23n1p225-238 < acesso em 19 de nov. 2017.

SANTOS, Hélio. Políticas públicas para a população negra no Brasil. Observatório da Cidadania. Ibase: Rio de Janeiro, n.3, p. 147-157, 1999.

 

PIMENTA, Selma. Garrido. Saberes pedagógicos e atividades docentes. In: PIMENTA, S. G.(Org.). Formação de professores: identidade e saberes da docência. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1999

 

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. 8a edição Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.