Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
PREVALÊNCIA DE PRÉ-FRAGILIDADE EM IDOSOS DA COMUNIDADE
Adriana Delmondes Oliveira, Annelita Almeida Oliveira Reiners, Rosemeiry Capriata Souza Azevedo, Kátia Moreira da Silva

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Introdução: A síndrome da fragilidade do idoso (SFI) é uma condição sindrômica, dinâmica e multifatorial que pode tornar idosos vulneráveis a diversos fatores físicos, sociais, psicológicos e emocionais. Estágio inicial da síndrome, a pré-fragilidade, deve ser levada em consideração, pois se trata de uma condição passível de reversibilidade. Objetivo: Verificar a prevalência de pré-fragilidade em idosos residentes na comunidade. Metodologia: Estudo transversal, descritivo, realizado com 291 idosos de 65 anos ou mais, cadastrado em 11 unidades de Estratégias de Saúde da Família da região norte do município de Cuiabá, Mato Grosso. Aspectos sociodemográfico e de condições de saúde foram avaliados por meio de entrevista estruturada, utilizando instrumentos validados. A pré-fragilidade foi avaliada por meio da Escala de Fragilidade de Edmonton. Procederam-se às análises descritivas com frequência relativa e absoluta. Resultados: A prevalência de pré-fragilidade encontrada nos idosos deste estudo foi de 69,42%. A maior parte dos idosos pré-frágeis é de mulheres, na faixa etária de 70 a 79 anos, de renda e escolaridade baixa que possuem percepção de saúde negativa, fazem uso de polifarmácia, não realizam atividade físicas, sofreram queda no último ano, com a capacidade funcional para as AVD e AIVD comprometida, sintomas depressivos e risco para desnutrição. Conclusão: A prevalência de pré-fragilidade dos idosos deste estudo é maior que a encontrada em outros estudos e os fatores associados corresponde aos achados de outras investigações.


Palavras-chave


Idoso. Idoso fragilizado. Enfermagem

Referências


FABRICIO-WEHBE, S. C. C. et al. Reprodutibilidade da versão brasileira adaptada da Edmonton Frail Scale para idosos residentes na comunidade. Revista Latino-Americana Enfermagem, v. 21, n. 6, p. 1330-6, 2013; DOI: 10.1590/0104-1169.2933.2371.

DANON‐HERSCH, N. et al. Prefrailty and chronic morbidity in the youngest old: an insight from the Lausanne cohort Lc65+. Journal of the American Geriatrics Society, v. 60, n. 9, p. 1687-1694, 2012.