Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
TENDÊNCIA TEMPORAL E FATORES ASSOCIADOS À CESARIANA EM MATO GROSSO ENTRE 2007 E 2016
Elizandra Dal Maso Garcia, Ana Paula Muraro

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Autores: Elizandra Dal’Maso Garcia1, Ana Paula Muraro2.

¹Faculdade de Nutrição. Universidade Federal de Mato Grosso; ²Instituto de Saúde Coletiva. Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Cuiabá-MT, Brasil.

eliz_dalmaso@hotmail.com

 

Palavras-chave: Estudos ecológicos, Cesariana, Tendência, Fatores associados.

Introdução: A princípio, a cesariana era uma técnica aplicada com o propósito de reduzir o risco de complicações maternas e/ou fetais durante a gravidez e o trabalho de parto. Ao longo da história, o modo de nascer se institucionalizou, contribuindo para a prática, o aperfeiçoamento e a difusão desse procedimento cirúrgico. As taxas de cesariana cresceram em diversos países, especialmente nos emergentes, como o Brasil, que em 2016 superou 55% a proporção de cesarianas. Torna-se relevante, portanto, conhecer a tendência da cesariana que pode apresentar distinções segundo regiões geográficas e também associar-se com características sociodemográficas das mães.

Objetivo: Analisar a tendência temporal de cesarianas em Mato Grosso (MT) entre 2007 e 2016 e fatores associados.

Métodos: Estudo ecológico de série temporal exploratório com base nos dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) que analisou a tendência temporal da cesariana entre 2007 e 2016 por regiões de saúde de MT e avaliou características demográficas da mãe como idade (<25; 26 a 34 e ≥35 anos), raça/cor (branca, parda e outras), estado civil (com e sem companheiro) e escolaridade (<7 e ≥8 anos), além do peso da criança ao nascer (500-1499g, 1500-2499g e ≥2500g), semanas de gestação (<37, 37-41 e ≥42 semanas) e número de consultas pré-natal (<7 e ≥7). Para a tendência temporal foram utilizados modelos de regressão polinomial. As taxas de cesariana por região de saúde foram consideradas como variáveis dependentes e os anos estudados como variável independente. Foram testados modelos linear, quadrático e cúbico, considerando a capacidade do modelo de descrever a tendência quando o valor de p foi <0,05. Após análise, selecionou-se o modelo linear, por melhor se adequar aos dados. Para verificar os fatores associados, foi aplicado o teste do Qui-quadrado, sendo as análises realizadas por meio do software SPSS. Por se tratar de dados de livre acesso, dispensou submissão ao comitê de ética.

Resultados: A taxa média de cesarianas em MT foi de 57,6% no período avaliado, sendo 51,3% em 2007 e 60,9% em 2016, com tendência crescente no período (p <0,001). Apenas 3 das 16 regiões de saúde do estado não apresentaram tendência significativa. Foram associados à cesariana a maior faixa etária e escolaridade materna, raça/cor parda (26, 9% do total de cesarianas) seguida pela raça/cor branca (25,1%); mulheres com companheiro também foi associado ao parto cirúrgico, bem como crianças com peso normal, recém-nascidos a termo (entre 37 e 41 semanas) e as gestantes que realizaram no mínimo 7 consultas pré-natal, todas as variáveis com p-valor <0,001.

Conclusões: Tendência crescente na prevalência de cesariana foi verificada no estado de Mato Grosso em mais de 80% das regiões de saúde, sendo essa via de nascimento predominante entre mulheres com melhores condições sociodemográficas.

Palavras-chave


Estudos ecológicos, Cesariana, Tendência, Fatores associados.

Referências


REZENDE, Jorge de. Obstetrícia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 5.ed. 1987.

DECLERQ, Eugene et al. Is a rising cesarean delivery rate inevitable? Trends in industrialized countries, 1987 to 2007. Birth Issues in Perinatal Care, n.38, p.2. jun. 2011.