Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeitos da restrição proteica nas fases críticas do desenvolvimento sobre as adaptações na estrutura das ilhotas pancreáticas no início da lactação
Luana Resende Silva, Márcia Queiroz Latorraca

Última alteração: 04-10-18

Resumo


O pâncreas endócrino é essencial para a homeostase da glicose, sendo que dentre os tipos de células endócrinas no pâncreas, a célula beta é indiscutivelmente a mais importante, pois produz e secreta a quantidade de insulina necessária para a manutenção da homeostase da glicose. As ilhotas pancreáticas se adaptam a várias condições fisiológicas e patológicas. Durante o desenvolvimento fetal e neonatal, a restrição proteica altera tanto o tamanho, quanto a forma e a composição das ilhotas pancreáticas, e essas alterações se mantém mesmo após recuperação nutricional. Na prenhez ocorre aumento da massa das ilhotas pancreáticas em resposta a alteração no equilíbrio entre os mecanismos que aumentam (hipertrofia, proliferação, neogênese e transdiferenciação) e reduzem (morte celular) as células beta. No início da lactação, a massa das ilhotas pancreáticas retorna ao normal devido ao aumento da morte celular (apoptose) e diminuição da proliferação das células beta. Portanto, avaliou-se a estrutura das ilhotas pancreáticas no início da lactação em ratas submetidas à restrição proteica em fases críticas do desenvolvimento. Foram utilizadas ratas adultas não lactantes e lactantes mantidas com dieta normoproteica contendo 17% de proteína (grupo CNL: controle não lactante; grupo CL: controle lactante) ou hipoproteica contendo 6% de proteína (grupo HPNL: hipoproteico não lactante; grupo HPL: hipoproteico lactante) durante a vida fetal até a vida adulta, ou submetidas à restrição proteica na vida fetal e neonatal e recuperadas após o desmame (grupo RNL: recuperado não lactante; grupo RL: recuperado lactantes). Após eutanásia o pâncreas foi removido para análise morfométrica (determinação do número e da área das ilhotas pancreáticas, e da área do pâncreas). As áreas do pâncreas e das ilhotas pancreáticas não diferiram entre os grupos, independente do estado nutricional e do estado fisiológico. Os animais desnutridos apresentaram menor número de ilhotas pancreáticas em relação aos grupos controle e recuperado, independente do estado fisiológico. Assim, a restrição proteica em fases críticas do desenvolvimento não alterou a estrutura das ilhotas pancreáticas no início da lactação.

Palavras-chave


Recuperação nutricional; lactação; estrutura das ilhotas pancreáticas