Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
SUBSTITUIÇÃO DO ALMOÇO E DO JANTAR POR LANCHE E VARIÁVEIS ASSOCIADAS ENTRE UNIVESITÁRIOS
Jéssika Patatas De Arruda, Márcia Gonçalves Ferreira

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Os hábitos alimentares da população brasileira vêm passando por várias transformações nas últimas décadas, promovendo impactos nem sempre positivos sobre o estado de saúde. Existem muitos fatores influenciadores desses hábitos, entre eles a disponibilidade de tempo, cultura, religião, poder aquisitivo, jornada de trabalho e de estudos. O ingresso na universidade é uma forte influência, pois muitas vezes implica em deixar a casa dos pais, falta de tempo para realizar refeições completas por causa das atividades acadêmicas e novas atividades sociais, influenciando na escolha dos alimentos, tornando-se comum a substituição de refeições completas por lanches práticos e rápidos de alto valor energético e baixa qualidade nutricional. Este estudo teve como objetivo estimar a prevalência de substituição de almoço e jantar por lanche e variáveis associadas entre estudantes. Trata-se de um estudo transversal, com estudantes de 16 a 25 anos de idade, de ambos os sexos, ingressantes em cursos de período integral da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT, no primeiro semestre de 2015, 2016 e 2017. Os universitários responderam um questionário para avaliação das características sociodemográficas, econômicas e do estilo de vida. Em 2015 a substituição do almoço por lanche foi obtida pela pergunta “Com que frequência você substitui o almoço por lanches (exemplo: sanduiches salgados, pizzas, cachorro quente, etc)?”, em 2016 e 2017 a pergunta foi alterada para “Em média, com que frequência você faz as seguintes refeições?”. Da mesma forma foi obtida a informação para a substituição do jantar por lanche.  As substituições das refeições por lanche foram identificadas quando realizadas pelo menos uma vez na semana. O teste do Qui-quadrado foi aplicado para verificar a associação entre substituição do almoço e do jantar por lanche e variáveis sociodemográficas, econômicas, do estilo de vida e condição de peso. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de ética em Pesquisa do Hospital Universitário Júlio Muller da UFMT (Parecer nº1.006.048). Foram estudados 1608 estudantes, destes, 50,7% eram do sexo masculino.  Do total de avaliados, 74,1% substituíam o almoço por lanche e 81,5% substituíam o jantar por lanche, pelo menos uma vez por semana. Observou-se que entre estudantes que apresentavam padrão irregular de refeições, 82,2% (p<0,01) substituíam o almoço e 78,9% (p<0,01) substituíam o jantar por lanche. A omissão do desjejum associou-se com os desfechos avaliados, havendo maior proporção de substituição do almoço (77,9 versus 22,1%, p<0,001) e jantar por lanche (84,5 versus 15,5%, p <0,001) entre estudantes que omitiam o desjejum. O consumo de fast food mais de uma vez por semana foi associado à substituição do almoço (78,3 versus 21,7%, p<0,001) e jantar por lanche (85,9 versus 14,1%, p<0,001). Houve ainda, associação entre o consumo de bebidas açucaradas com substituição do almoço (77,1 versus 22,9%, p=0,001) e jantar (83,9 versus 16,1%, p=0,003) por lanches. O consumo de bebida alcoólica apresentou associação somente à substituição do almoço (76,3%, p=0,01). Não foram observadas associações entre substituição de almoço e jantar por lanche e sexo, idade, moradia, classe econômica, condição de peso, comer em frente a telas, comportamento sedentário e tabagismo.


Palavras-chave


Comportamento alimentar; estudantes; universidades

Referências


MENDES, M. L. M.; SILVA, F. R.; MESSIAS, C. M. B. O.; CARVALHO, P. G. S.; SILVA, T. F. A. Hábitos alimentares e atividade física de universitários da área de saúde do município de Petrolina-PE. Tempus: Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 10, n. 2, p. 205-217, 2016.

MENDONÇA, C. P.; ANJOS, L. A. Aspectos das práticas
alimentares e da atividade fsica como determinantes
do crescimento do sobrepeso-obesidade no Brasil. Cad.
Saúde Pública
, 2004.

NOGUEIRA, P. S. et al. Longitudinal Study on Lifestyle and Health of University Students - ELESEU: design, methodological procedures and preliminary results. Cadernos de Saúde Pública, 2018.

Rodrigues, P. R. M., Padez, C. M. P., Ferreira, M. G., Gonçalves-Silva, R. M. V., & Pereira, R. A. (2016). Multiple risk behaviors for non-communicable diseases and associated factors in adolescents. Revista de Nutrição, 29(2), 185–197