Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
CAMINHOS “TRANS”: AS TRAJETÓRIAS DE TRANSEXUAIS E TRAVESTIS NO MERCADO DE TRABALHO.
Sidney Felipe Da Silva Junior

Última alteração: 22-10-18

Resumo


Buscando de compreender as trajetórias de pessoas que se identificam como transexuais (mulheres e homens) e travestis através do mercado de trabalho, o presente trabalho demonstra como as relações dessas pessoas com o mercado de trabalho são significativas para a forma como constroem suas subjetividades, entendidas aqui como os modos de percepção, afeto, pensamento, desejo, etc. que animam os sujeitos atuantes. Através da etnografia, tem sido possível estabelecer relações em campo e compreender as trajetórias dessas pessoas, seus pontos de vista em relação ao mercado de trabalho e como essas vivencias são importantes na construção de suas identidades. Além disso, tem sido possível observar como as famílias tem um papel significativamente importante nessas trajetórias, assim como no enfrentamento de questões cruciais como o preconceito, por exemplo.


Palavras-chave


Transexuais, travestis, mercado de trabalho.

Referências


ACIOLI, Sonia. Redes sociais e teoria social: revendo os fundamentos do conceito. Informação & Informação, [S.l.], v. 12, n. 1esp, p. 8-19, dez. 2007. ISSN 1981-8920. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1784>. Acesso em: 11/05/17.

ADELMAN, Miriam. Travestis e transexuais e os outros: identidade e experiências de vida. Revista Gênero, Niterói: UFF, 2003. Disponível em: < http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/238/158>. Acessado em: 30/05/2017.

ANGROSINO, Michel. Etnografia e observação participante. In: Etnografia e observação participante (Coleção pesquisa qualitativa). Porto Alegre: Artmed, 2009.

BENEDETTI, Marcos Renato. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2006.

______. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008. (Coleção primeiros passos).

______. A diferença que faz a diferença: corpo e subjetividade na transexualidade. Bagoas: Revista de Estudos Gays, v. 3, p. 95-112, 2009.

BRASIL. Resolução CFM nº 1955/2010. Disponível em: < http://www19.senado.gov.br/sdleg-getter/public/getDocument%3Fdocverid%3D9567ea47-567b-4213-ba07-cb014e07ca0a%3B1.0+&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.>. Acessado em: 04/10/2016.

______. Ministério da Saúde. Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e de promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. Renato Aguiar.

CALÁVIA, Oscar. Esse obscuro objeto da pesquisa: um manual de método, técnicas e teses em antropologia. Florianópolis: Edições do autor, 2013.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto. “Pesquisa em versus Pesquisas com seres humanos” in: Oliven, Ruben; Oro, Ari Pedro; Maciel, Maria E.; Víctora, Ceres (orgs.). Antropologia e Ética. O debate atual no Brasil. Niterói: EdUFF, 2004.

DIAS, Jossiani A. H. e BERNARDINELI, Muriana C. O transexual e o direito de acesso ao mercado de trabalho: do preconceito à ausência de oportunidades. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, Curitiba, v. 2, n. 2, 2016. Disponivel em: < http://indexlaw.org/index.php/revistagsd/article/view/1376> Acessado em 15/06/2017.

EVANS-PRITCHARD, Edward. “Apêndice IV: Algumas Reminiscências e Reflexões sobre o Trabalho de Campo”. In: Bruxaria, Oráculo e Magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar, 2005, pp. 298-314.

FONSECA, Cláudia. “Quando cada caso NÃO é um caso. Pesquisa etnográfica e educação”. Revista Brasileira de Educação, 10 (1). Rio de Janeiro: ANPED, 1999. pp. 58-78.JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre a população transgênero: conceitos e termos / Jaqueline Gomes de Jesus. Brasília: Autor, 2012.

MALINOWSKI, Bronislaw. “Introdução: tema, método e objetivo desta pesquisa”. In: Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978, pp. 17-34. (Coleção Os Pensadores).

MARCONI, Marina de Andrade & LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. In: Metodologia Científica. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MOURA, Renan Gomes de. Políticas Públicas como ferramenta de equidade entre (Trans) gêneros no mundo do trabalho. Cadernos UniFOA: Volta Redonda, n. 29, p. 77-87, dez. 2015. Disponível em:< http://web.unifoa.edu.br/cadernos/edicao/29/77-87.pdf> Acessado em: 04/10/2016.

ORTNER, Sherry B.. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 13, n. 28, p.375-405, dez. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832007000200015 Acessado: 15/06/17.

PAULILO, Maria Ângela Silveira. Pesquisa Qualitativa e a História de Vida. Serviço social em revista, v. 1, n.1, 135 - 148. Londrina, 1999. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/ssrevista/n1v2.pdf#page=135>. Acessado em: 11/05/17.

PELÚCIO, Larissa. “O gênero na carne: sexualidade, corporalidade e pessoa: uma etnografia entre travestis paulistas”. In: GROSSI, Miriam e SCHWADE, Elisete (org.). Política e Cotidiano: estudos antropológicos sobre gênero, família e sexualidade. Blumenau: Editora Nova Letra, 2006 (pp. 189-216).

_________. Travestis, a (re) construção do feminino: gênero, corpo e sexualidade em um espaço ambíguo. Revista Anthropológicas, 15, 2004. P 123–154.

ROCHA, Maria Vital da, SÁ, Itanieli Rotondo. Transexualidade e o direito fundamental à identidade de gênero. Fortaleza: Revista do Instituto brasileiro de direito, 2013. Disponível em: < http://www.cidp.pt/publicacoes/revistas/ridb/2013/03/2013_03_02337_02364.pdf>. Acessado em: 02/10/2016.

SALEM, Tânia. “Entrevistando famílias: notas sobre o trabalho de campo”. In: NUNES, Edson de Oliveira (org.). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. pp. 47-64.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação & Realidade, vol. 20, n. 2, 1995, pp. 71-99.

SILVA, Sofia Vilela de Moraes e. Transexualidade e discriminação no mercado de trabalho . Revista Jus Navigandi: Teresina, ano 17, n. 3301, 15 jul. 2012. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/22199>. Acessado em: 04/10/2016.

VASCONCELOS, Luciana Teixeira de. Travestis e transexuais no mercado de trabalho. X Congresso nacional de excelência em gestão. Universidade Federal Fluminense: Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: < http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0409.pdf>. Acessado em: 04/10/2016.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Revista Temáticas, Campinas, 22, (44), p. 203-220, ago/dez. 2014. Disponível em: <https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/tematicas/article/view/2144/1637>. Acessado em: 11/05/17.

WEBER, Florence. “A entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou: por que censurar seu diário de campo?” Horizontes Antropológicos. 32:157-170, jul./dez. 2009