Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A FORMAÇÃO ITINERANTE NO PROJETO COLABORATIVO UNVERSIDADE/ESCOLA:VIVÊNCIAS E PERCEPÇÕES DE PROFESSORES INICIANTES DO OBEDUC
DULCINETE RODRIGUES DOS SANTOS ALVES DE SOUZA

Última alteração: 20-10-18

Resumo


A presente pesquisa está vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação  do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso – Câmpus Universitário de Rondonópolis (PPGEdu/UFMT/CUR), na linha de pesquisa Formação de Professores e Políticas Públicas Educacionais. Está inserida no grupo de pesquisa InvestigAção e origina-se no Projeto aprovado no edital nº49/2012 do Observatório da Educação (OBEDUC/CAPES/INEP/SECADI), intitulado “Egressos da Licenciatura em Pedagogia e os Desafios da Prática em Narrativas: a Universidade e a Escola em um processo interdisciplinar de inserção do professor iniciante na carreira docente”. O presente estudo aborda a formação de professores iniciantes das redes públicas do município de Rondonópolis-MT, especificamente a formação itinerante no projeto colaborativo universidade/escola seus dilemas e desafios nos primeiros anos do exercício docente, tendo em vista esse início ser marcado por crises e situações angustiantes no cumprimento de suas atribuições, motivo este pela falta de vivência e de bagagem em sua função. Neste cenário, esta pesquisa objetiva identificar as dificuldades apresentadas nas formações, com o propósito de reduzir as aflições, atendendo as carências formativas dos professores em início de carreira docente, para que possam desenvolver uma prática partilhada e menos traumática a partir da convivência com seus pares possibilitada pela itinerância. Para tanto, apontei como questões da pesquisa: o que propõe a agenda sobre a formação necessária dos iniciantes e de que forma ela é partilhada com todos em reuniões coletivas?  O fato de decidir-se por uma formação itinerante, que se efetiva de forma rotativa entre as escolas sinalizou algum aspecto formativo mais produtivo entre os professores?  A abordagem qualitativa permeou a pesquisa como metodologia a pesquisa formação. Como procedimentos e instrumentos para coleta de dados foram adotadas, a análise documental e as narrativas dos memoriais de formação e as entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados a partir de dois eixos: A formação continuada do projeto colaborativo universidade/escola PPGEdu/OBEDUC/UFMT no atendimento às reinvindicações apontadas pelos iniciantes.


Palavras-chave


Projeto Colaborativo Universidade/Escola; Professor Iniciante; Formação Itinerante.

Referências


ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Metamemória-Memórias: Memoriais rememorados/narrados/refletidos em seminário de investigação-formação. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; BARBOSA, Tatyana Mabel Nobre (Org.). Memórias, Memoriais: pesquisa e formação docente. Natal: Editora da UFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 153-179.

___. A Aventura (Auto)Biográfia. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2004.

ALVES, Francisco Cordeiro. Diário: Contributo para o desenvolvimento profissional dos professores e estudo dos seus dilemas. Millenium: Revista do ISPV, [S.l.], n. 29, p. 222-239, dez. 2004. Disponível em <http://www.ipv.pt/millenium/Millenium29/30.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2018.

ANDRADE, Wesley Júnior de; AGOSTINHO, Tatiana M. de Castro. Escola itinerante de formação: contribuindo na organização e reflexão sobre o uso social da terra. Anais do I seminário nacional: agrotóxicos, impactos socioambientais e direitos humanos; III Seminário Goiano da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida GOIÁS/GO, V. 1 N.1, 2014.

ANDRÉ, Marli E. D. Estudo de Caso em Pesquisa e Avaliação Educacional. Brasília: Liberlivro, 2005.

___. A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Revista brasileira de pesquisa sobre formação docente. Belo Horizonte, v.01, n.01, p.41-56, ago/dez .2009. Disponível em http://formacaodocente.auttenticaeditora.com.br. Acesso em 03/07/2017.

___. Políticas e Programas de Apoio aos Professores Iniciantes no Brasil. Caderno de Pesquisa, São Paulo, vol.42, no.145, Jan./Abr. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php> Acesso em: 10 mar. 2018.

___. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA. Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013.

AZEVEDO, Rosa Oliveira Marins; GHEDIN, Evandro, et all. Formação inicial de professores da educação básica no Brasil: trajetória e perspectivas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 12, n. 37, p. 997-1026, set./dez. 2012.

BARBOSA, Eliene Maria da Silva. Aprendência Nômade: Um estudo dos processos itinerantes da aprendizagem docente. Tese (Doutorado). Universidade Federal da Bahia. 2007.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George; ALLUM, Nicholas C. Qualidade, Quantidade e Interesses do Conhecimento: Evitando confusões. In: ______. (Org.). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: Um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2008.

BAUMEL, R. C. R., & Castro, A. M. Formação de Professores e a Escola Inclusiva: Questões atuais. Integração, 2002.

BRASIL. PORTARIA nº 152, de 30 de outubro de 2012.  Regulamento do Programa Observatório da Educação (OBEDUC). Disponível em: < https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_152_30out12_R eguLamento_OBEDUC.pdf>. Acesso em setembro/ 2017.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A Ilusão Biográfica. In: FERREIRA, M. M., AMADO, J. Usos & Abusos da História Oral. 3ª Edição, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2000, p. 183-191.

BÜRKLE, T. da S. & REDIG, A. G. Professores Itinerantes e Professores de Turma Regular: Um trabalho colaborativo em busca de uma educação de qualidade. In: Anais do V Congresso Multidisciplinar de Educação Especial. Londrina, 2009.

BRITO, Antonia Edna. Professores Experientes e Formação Profissional: Evocações. narrativas e trajetórias. Linguagens, Educação e Sociedade. Teresina, Ano 12, n. 17, p. 29 - 38, jul./dez. 2007.

CAIADO, K. R. M. O Aluno Deficiente Visual na Escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados: PUC, 2003.

CALDART, R. S. O Currículo das Escolas do MST. In: Alfabetização e Cidadania, n. 11, Abr. 2001.

CALIL, Ana Maria G. A Formação Continuada no Município de Sobral. 2014. 187f. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC São Paulo, 2014.

CANÁRIO, Rui. A Escola: O lugar onde os professores aprendem. Psicologia da Educação. São Paulo: PUC, n.6. 1º semestre, p.9-27, 1998.

CANDAU, V. M. Formação Continuada: Tendências Atuais. In: REALI, Aline Maria de M. Rodrigues; MIZUKAMI, Maria da Graça N. Formação de Professores: Tendências Atuais. São Carlos, SP: EdUFSCar, 1996.

CAVACO, M. H. Ser professor: fases da vida e percursos. Um contributo para o estudo da condição do professor do ensino secundário. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação da Faculdade de Ciências de Lisboa. 1993.

___. Ofício do Professor: O tempo e as mudanças. In: NÓVOA, Antonio (org). Profissão Professor. Porto: Porto Editora,1999.

CHALUH, Laura Noemi. Do Trabalho Coletivo na Escola: Encontros na diferença. Pro-Posições, Campinas, v. 21, n. 2 (62), p. 207-223, maio/ago. 2010.

CHARLOT, Bernard. A violência nas escolas: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 04, nº8, jul/dez 2002, p. 432-443.

CHENÉ, A. A Narrativa de Formação e a Formação de Formadores. In: NÓVOA. A.; FINGER, M. (Org.). O Método (Auto)Biográfico e a Formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 2003.

CONNELLY, F. M. e CLANDININ, D. J. Relatos de experiência e investigação narrativa. In: LARROSA, J. et al. Déjame que te cuente. Barcelona: Editorial Laertes, 1995.

___. Pesquisa Narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Uberlândia: EDUFU, 2011. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEE/UFU.

COSTA, Flávia Fernanda. Formação Inicial de Professores: novas políticas para velhas práticas– UFRGS, IX ANPED Sul, 2012.

COSTA VORRABER, Marisa. Trabalho Docente e Profissionalismo. Porto Alegre: Sulina, 1995.

COULON, A. A Escola de Chicago. São Paulo: Papirus, 1995.

CUNHA, M. I. da. Conta-me agora! as narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Rev. Fac. Educ., São Paulo, v. 23, n. 1- 2, jan. 1997 . Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551997000100010> . Acesso em 16/ago/2017.

CUNHA, E. R. Os saberes docentes ou saberes dos professores. 2012. Disponível em: http://www.vdl.ufc.br/solar/aula_link/llpt/A_a_H/didatica_I/aula_01/imagens/03/saberes_docentes.pdf. Acesso em 11/set/ 2018.

DANTAS, Maria Aparecida dos Santos. Serviço de Itinerância e Formação Docente: saberes e práticas para uma educação inclusiva. 1º Simpósio Nacional de Educação. XX Semana de Pedagogia. Unioeste Cascavel PR , 2008.

DAMIANI, M. F. Entendendo o Trabalho Colaborativo em Educação e Revelando Seus Benefícios. Educar, Curitiba, Editora UFPR, 2008.

DALL’ACQUA, Maria Júlia Canazza. Atuação de professores do ensino itinerante face à inclusão de crianças com baixa visão na educação infantil. Paidéia, 2007, 17(36), Universidade Estadual Paulista, Araraquara, p. 115-122. Disponível em www.scielo.br/paideia

DELORY-MOMBERGER, C. Abordagem metodológica na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação,  v. 17, n. 51, 523-740, set./dez. 2012.

DOMINICÉ, P. O que a vida lhes ensinou. In: NÓVOA, A. FINFER, M. (Org.). O Método (Auto)Biográfico e a Formação. São Paulo: Paulus, 2010, p.81-85

DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, n. 24, Editora UFPR p. 213-225, 2004.

ESTEBAN, Maria Paz Sandín. Pesquisa Qualitativa em Educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As Pesquisas Denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade. Campinas, ano 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002

FRANCO, F. C. O coordenador pedagógico e o professor iniciante. In: __ALMEIDA, L.R. BRUNO, E. B. C; CHRISTOV, L.H. da S. O coordenador pedagógico e a formação docente. São Paulo: Loyola, 2000, p.33-36.

FRANCO, F. C., Maria Amélia Santoro. Pedagogia com Ciências da Educação. Campinas: Papirus, 2003.

FERRAROTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA. A.; FINGER, M. O Método (Auto)Biográfico e a Formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

FREIRE, Paulo. Política e Educação. 5ª. ed. - São Paulo: Cortez, 2001.

___. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

___. Pedagogia da Autonomia.43ª ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

FREITAS, F  L. de. A Constituição da Identidade Docente: Discutindo a prática no processo de formação. 2006. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-São Paulo, 2006.

GALVANI, Pascal. A Autoformação numa Perspectiva Transpessoal, Transdisciplinar e Transcultural. In: SOMMERMAN, Américo; MELLO, Maria  F. de; BARROS, Vitória M. de. Educação e Transdisciplinaridade II. São Paulo: TRION, 2002, p. 93-121.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. Percepções Culturais do Mundo da Escrita: Em busca da rememoração. In: Encontro Nacional de Pesquisadores do Ensino de História - 3. Campinas, 1999.

GATTI, Bernadete. Formação de Professores no Brasil: Características e problemas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, 2010.

___. O Inicio da Carreira Docente no Brasil: Formas de entrada, primeiras experiências profissionais e políticas educacionais. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 93, n. 234, [número especial], p. 423- 442, maio/ago. 2012.

___. Formação de Professores no Brasil: problemas, propostas e perspectivas. Disponível em: <http://reduc.cl/reduc/gatti.pdf>. Acesso em: 01/02/2018.

GEHRKE, Marcos. Escola Itinerante e a Organicidade nos Ciclos de Formação Humana. ANALECTA; Guarapuava, PR, v.11, n. 1, jan./jun. 2010p. 99-113.

GIORDAN, Miriane Zanetti et all. Acolhimento e Acompanhamento do Professor Iniciante na Rede Pública Municipal de Ensino. In: XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE. 26 a 29 de novembro de 2015, PUCPR. 1396. Disponível em https://educere.pucpr.br.

GIROUX, Henry A. Os Professores como Intelectuais: Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GONÇALVES, J. A. A Carreira das Professoras do Ensino Primário. In NÓVOA, A. (ed). Vidas de Professores. 3ª ed. Porto: Porto Editora, p. 141-169, 1995.

HUBERMAN, M. O Ciclo da Vida Profissional dos Professores. In: NÓVOA, A. (org). Vida de Professores. 3ª.ed. Portugal: Porto Editora,1995.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo et all. A Pesquisa Colaborativa como Proposta Inovadora de Investigação Educacional. Diversa: Ano 2 - nº 3 :: jan./jun. 2009.

IMBERNÓN, Francisco. Formação Docente e Profissional: Formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2002.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: Um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 90-113.

JOSSO, Marie Christine. A Experiência de Vida e Formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

LACERDA, M. P. Quando Falam as Professoras Alfabetizadoras. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LARROSA, Jorge. Experiência e Alteridade em Educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.19, n2, p.04, jul./dez. 2011.

LONGAREZI, Andréa Maturano; SILVA, Jorge Luiz da. Interface entre Pesquisa e Formação de Professores: Delimitando o conceito de pesquisa-formação. s/d.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da escola: Teoria e prática. 5ª ed. São Paulo: Alternativa, 2013.

LOPES , Sebastião (Sabá) de Oliveira; et all.  Formação Itinerante do MST no Assentamento João Batista II (1998 – 2005): um relato de experiência. Revista ITAO (Castanhal - PA - Brasil) V. 01, N. 01, p.01 - 08, 2014, http://revista.gvaa.com.br Acesso em 19/02/2018.

LORENZZON, Márcia Roza. Narrativas Dialogadas nos Diários de Campo Reflexivos de Professoras Iniciantes: Possibilidades de autoformação. Dissertação (Mestrado em Educação). UFMT, Rondonópolis-MT, 2017.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANZINI , Eduardo José. Entrevista Semi-Estruturada: Análise de objetivos e de roteiros. Depto de Educação Especial,  Programa de Pós Graduação em Educação, Unesp, Marília. 2003.

MARCELO, Carlos. Formação de Professores: Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MARIANO, André Luis Sena. Aprendizagem da Docência no Início da Carreira: Qual política? Quais problemas? Revista Exitus. v. 2, n.1, Jan./ Jun. 2012.

MARCELO, Carlos. Formação de Professores para uma Mudança Educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

___. Políticas de inserción en la docencia: de establón perdido a puente para el desarrollo professional docente. PREAL, n. 52, Marzo, 2011. Disponível em: < http://www.preal.org/BibliotecaN.asp?Pagina=2&Id_Carpeta=64&Camino=63|Preal%20Publicaciones/64|PREAL%20Documentos>. Acesso em: 05 agosto/2017.

MAROSINI, Marilia Costa. Estado de Conhecimento e Questões do Campo Científico. Educação. Santa Maria, v. 40, n. 1, p. 101-116, jan./abr. 2015.

MARCELINO, Maria José de Souza. O Professor Itinerante e a Prática Pedagógica no Processo de Inclusão Educacional no Estado de Pernambuco. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão da Faculdade Senac. Instituto Superior de Línguas e Administração – UFPE, p.3 e 4, 2008.

MARIN, Alda Junqueira. Educação Continuada: Introdução a uma análise de termos e concepções. Caderno Cedes 36, 1995.

MAROSINI, Marilia Costa. Estado de conhecimento e questões do campo científico. Educação.Santa Maria, v. 40, n. 1, p. 101-116, jan./abr. 2015.

MARTINS, S. T. F. Educação Científica e Atividade Grupal na Perspectiva Sóciohistórica. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 2, 2002

MARTINS, L. A. R.. .Política Pública e Formação Docente para a Atuação com a Diversidade. In: MARTINS, L. A. R.; PIRES, J.; PIRES. G. N. L. (Orgs.). Políticas e Práticas Educacionais Inclusivas. Natal: EDUFRN, 2009.

MARTINS, Rosana Maria; ROCHA, Simone Albuquerque da. Nos Memoriais de Formação: O estágio como possibilidade de desenvolvimento da constituição da identidade docente de licenciandos de matemática. XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba. PR. 2013. Disponível em sbem.web1471.kinghost.net/anais/XIENEM/pdf/804_514. Acesso em 21 jun. 2018.

MARTINS, Rosana Maria. Aprendendo a Ensinar: as narrativas autobiográficas no processo de vir a ser professora. Tese (Doutorado). Universidade Federal de São Carlos. 2015.

MEDEIROS, Reuber Teles. Rondonópolis: Arrecadação bilionária e servidores sem aumento. Disponível em http://sispmur.org.br/site/rondonopolis-arrecadacao-bilionaria-e-servidores-sem-aumento/. Acesso em 10/set/2018.

MEDINA, C. Entrevista: O diálogo possível. São Paulo: Ática, 1986.

MENDES, E. G. Desafios Atuais na Formação do Professor de Educação Especial. Integração, 14(24), 12-17. 2002.

MEURER, A. C.; DAVID, C. (Org.). Espaços-Tempos de Itinerância: Articulações entre universidade e escola itinerante do MST. Santa Maria – RS: Ed. UFSM, 2006.

MEURER, Ane Carine; DAVID, Cesar De. Educação do campo e escola itinerante do MST: articulações do projeto político-pedagógico com o contexto sócio-educacional. Educação. Santa Maria, v. 33, n. 1,  p. 45-56, jan./abr. 2008 Disponível em: http://www.ufsm.br/ce/revista. Acesso em 19/02/2018.

MINAYO, M. C. O Desafio do Conhecimento: Pesquisas qualitativas em saúde. 6ª ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 1999.

MINAYO, M. C. S; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239–262, jul./sep. 1993

MIRA, Marília Marques; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Programas de Inserção Profissional para os Professores Iniciantes: Uma análise da produção científica do IV Congresso Internacional Sobre Professorado Principiante e Inserção Profissional à docência. In: Anais - X ANPED SUL, 2014, Florianópolis. Florianópolis, 2014, p. 119. Disponível em:< http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/75-0.pdf>. Acesso em: setembro/2017.

MORAES, A. A. de A. Histórias de Leitura em Narrativas de Professoras: Uma alternativa de formação. Manaus: Ed. Da Universidade do Amazonas, 1999/2000.

NASCIMENTO, Gilcilene Lélia Souza do. Memorial de Formação: caminho para a re- significação de saberes de professores do campo. Natal: PPGED/UFRN, 2008.

NAVARRO, Mariana Stoeterau. O Brincar na Educação Infantil. IX Congresso Nacional de Educação. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. 2009.

NONO, M. A. Professores Iniciantes: o papel da escola em sua formação. Porto Alegre: Mediação, 2011.

NONO, M. A.; MIZUKAMI, M. da G. N. Aprendendo a Ensinar: Futuras professoras das séries iniciais do ensino fundamental e casos de ensino. In: Anais da REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 24, Caxambu, 2001.

___. Processos de Formação de Professoras Iniciantes. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos Brasília.v.87, n.217, p. 382-400.set./dez. 2006. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/viewFile/812/787. Acesso em:

NÓVOA, António. Os Professores e a sua Formação. Portugal: Porto Editora, 1992.

___. (Org.). Vidas de Professores. Portugal: Porto Editora, 1995.

___. Professores Imagens do Futuro Presente. EDUCA. Lisboa, 2009.

___. Professor se Forma na Escola. Nova escola, 142. Maio. 2001.

NÓVOA, António; FINGER, Mathias. O Método (Auto)Biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988.

NOVÔA, Jessica. Reflexões do Professor do Serviço Itinerante na Educação Especial: a construção de sua identidade diante das ações no processo de inclusão escolar. Anais do XII congresso nacional de educação - XII Educere - Formação de professores, complexidade e trabalho docente, 2015.

OCHOA, L. A. R. Professores Principiantes e Inserción a la Docência. Preocupaciones, problemas y desafios. Tese (Doctorado in didáctica y organización de la educación) Universidad de Sevilla, Espanha: 2011.

OLIVEIRA, Evelyn Aline da Costa de; BROSTOLIN, Marta Regina. Desenvolvimento Profissional: Percursos formativos de professores iniciantes. Práxis Educacional, Vitória da Conquista,  v. 11, n. 18, p. 301-319, jan./abr. 2015

OLIVEIRA, Rosemeyre; ABRAMOVAY, Miriam. Educação: Violência contra professores. G1, Grupo Globo, 2017. Disponível em https://g1.globo.com/educacao/noticia/brasil-e-1-no-ranking-da-violencia-contra-professores-entenda-os-dados-e-o-que-se-sabe-sobre-o-tema.ghtml. Acesso em 18/set/2018.

PAPI, Silmara de Oliveira Gomes; MARTINS, Pura Lucia Oliver. As Pesquisas Sobre Professores Iniciantes: Algumas aproximações. Educação em Revista. Belo Horizonte. v.26, n.03, p.39-56, dez. 2010.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativa autobiográfica: uma prática reflexiva na formação docente. Anais do II Colóquio Nacional da AFIRSE – UNB – set/2003.

PASSEGGI, Maria Conceição. Memorial de Formação. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM

PASSEGGI, M. C.; BARBOSA, M. N. (Org.) Memórias, Memoriais: pesquisa e formação docente. Natal, RN: EDUFRN, São Paulo: Paulus, 2008.

PASSEGGI, M. C.; DOMINICÉ, Pierre. A Mediação Biográfica. Acompanhar adultos em processos-projetos de si. 2014.Disponível em: <http://www.portaldoenvelhecimento.com/moradias/item/1134-a-media%C3%A7%C3%A3o-biogr%C3%A1fica-acompanhar-adultos-em-proc+essos-projetos-de-si> . Acesso em: 26 nov. 2017.

PASSEGGI, M. C et al. As Narrativas Autobiográficas como Fonte e Método de Pesquisa Qualitativa em Educação. Revista Lusófona de Educação, 33, 2016.

PASSOS, Laurizete Ferragut. Práticas Formativas em Grupos Colaborativos: Das ações compartilhadas à construção de novas profissionalidades. In: ANDRÉ, M.E.D.A. (org.). Práticas Inovadoras na Formação de Professores. Campinas, SP, Papirus, 2016.

PELIZZARI, Adriana et al. Teoria da Aprendizagem Significativa Segundo Ausubel. Rev. PEC, Curitiba, v.2, n.1, p.37-42, jul. 2001-jul. 2002.

PEREIRA, Oldair José Tavares. O professor iniciante da escola do campo e sua formação: por entre espelhos... Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Mato Grosso - Câmpus Rondonópolis, Rondonópolis, MT, 2017..

PÉREZ, Carmen Lúcia Vidal. O lugar da memória e a memória do lugar na formação de professores: a reinvenção da escola como uma comunidade investigativa. In: Reunião Anual da ANPED, Caxambú, 2003.

PERRENOUD, Philippe. A Prática Reflexiva no Ofício do Professor: Profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

POIRIER, J. et al. Histórias de Vida: teoria e prática. Celta, 1999.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor Reflexivo: Historicidade do conceito. IN: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro.(Orgs). Professor Reflexivo no Brasil: Gênese e crítica de um conceito. São Paulo, Cortez, 2012.

PINEAU, Gaston. Experiências de Vida e Formação Docente – Religando os saberes. IN: MORAES, Maria Cândida; ALMEIDA, Maria da Conceição de. (Orgs.). Os Sete Saberes Necessários à Educação do Presente. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012, p. 185-225.

PLETSCH, M. D. O Professor Itinerante como Suporte para Educação Inclusiva em Escolas da Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

POLETO, Nádia Aparecida. Ressignificação do papel da escola especial e do professor especialista itinerante frente à inclusão educacional da criança com deficiência intelectual. 2017. Disponível em www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1069-4.pdf . Acesso em 21/02/18

PORTO, Yeda da Silva. Formação Continuada: A prática pedagógica recorrente. In: MARIN, Alda Junqueira (Org.). Educação Continuada: reflexões, alternativas. Campinas: Papirus, 2000.

PRADA, Eduardo Alvarado. Metodologias de Pesquisa-Formação de Professores nas Dissertações, Teses: 1999-2008. IX ANPED SUL. 2012.

RAPOSO, Mírian et all. As Interações Professor-Professor na Co-Construção dos Projetos Pedagógicos na Escola. Psicologia: Teoria e Pesquisa Set-Dez 2005, Vol. 21 n. 3, pp. 309-317.

RAUSCH, R.B.; COSTA, S. F. Dilemas de Professores Tutores Iniciantes na Educação à Distância. Olhar de Professor, Ponta Grossa-PR, 15(2): 315-335, 2012. Disponível em: <http://www.uepg.br/olhardeprofessor>. Acesso em: 30 Set. 2017.

RAUSC, R. B.; SCHLINDWEIN, L. M. As Ressignificações do Pensar/Fazer de um Grupo de Professoras das Séries Iniciais. Contrapontos, Itajaí, v. 1, n. 2, p. 109-23, 2001.

REALI, A.M.; TANCREDI, R.M.; MIZUKAMI, M.G. Programa de Mentoria Online: Espaço para o desenvolvimento profissional de professoras iniciantes e experientes. Educação e Pesquisa, v.34, n.1; p.77-95, 2008.

RIBAS, M. H. Construindo a Competência. São Paulo: Olho d’Água, 2000.

RICOEUR, P. Teoria da interpretação. Lisboa: Edições 70, 1996.

ROCHA, Simone. O Projeto Colaborativo OBEDUC/UFMT/ e seus Desdobramentos em Redes de Estudos e Pesquisa. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 09, n. 16, p. 123-142, jan./jun. 2017. Disponível em http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br. Acesso em 06/set/2018.

ROCHA, Simone Albuquerque; ANDRÉ, Marli E. A. D. de. Os Memoriais na Licenciatura: Narrativas dos Entre-Espaços da Formação Docente. In: ROCHA, Simone Albuquerque da. Formação de Professores: Licenciaturas em discussão. Cuiabá: EDUFMT, 2010.

ROCHA, Simone; FRANÇA, Márcia; MAFFIOLETTI, Leda. Quando os Professores Determinam a Agenda de sua Formação de Professores da Infância na Proposta da UFMT. In: II Seminário Luso-Brasileiro de Educação de Infância (II SLBEI). Investigação, formação docente e culturas da infância. Universidade do Minho (UMinho) e Universidade Federal de Alagoas (UFAL), 13 a 15 de julho. Braga/PT. 2016.

RODGERS, Carol. Defining Reflection: Another Look at John Dewey and Reflective Thinking. Teachers College Record, v.104, n.4, p.842-866, 2002. Disponível em: <http://www.jcu.edu/education/ed100/Rodgers.pdf>. Acesso em: 17/09/2017.

ROMANOWSKI, Joana Paulina; ENS, Romilda Teodora. As Pesquisas Denominadas do Tipo “estado da arte" em educação. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, vol. 6, n. 19, p. 37-50, Set/Dez. 2006.

SCALABRIN, Ionara Soveral; PIAIA, Consuelo. A Pedagogia da Escola Itinerante. PUCPR, 2013, p. 33.

SGANZERLA, Nelson. Frases Memoráveis. Clube dos autores, 2007. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=pYtMBQAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=p t-BR#v=onepage&q&f=false>. Acesso em 05/10/2017

SHULMAN, L. S. Those Who Understand: knowledge growth in teaching. Educational Research, London, v. 15, n. 2, 1986.

SILVA, Francisca Marlene da. O Uso do Material Concreto no Ensino da Matemática. Disponível em http://www.editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/Trabalho_Comunicacao_oral_idinscrito_947_7fc2304382477fcd9bed7819c1fb39e8.pdf, Acesso em 15/11/2017

SOUZA, E. C. Territórios das Escritas do Eu: Pensar a profissão – narrar a vida. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 213-220, maio/ago. 2011.

SOUZA, E. C. Memória (Auto)Biográfica e Diversidade: Questões de método e trabalho docente. Salvador: EDUFBA, 2011.

SOUZA , Míria Helen Ferreira de; FONSECA, Ailton Siqueira de Sousa. Autoformação e Docência. Congresso Nacional de Educação, 2014.

SOUZA, Kellcia Rezende; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. Abordagem Quanti-Qualitativa: Superação da dicotomia quantitativa-qualitativa na pesquisa em educação.  p. 12, 2015. Disponível em: <www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/viewFile/29099/20476>. Acesso em 05/07/2017.

SOUSA, R. M. Professores Iniciantes e Professores Experientes: Articulações possíveis para a formação e inserção na docência. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Rondonópolis, Rondonópolis, MT, 2015.

STEIN, Daniel. O Jovem e a Violência na Legislação. In: VALLE, Luiza Elena L.Ribeiro do; MATTOS, Maria José Viana M. de. (orgs). Violência e Educação: A sociedade criando alternativas. Rio de Janeiro, Wak editora. 2011.

SULZBACHER, Aline Weber; PEREIRA, Igor Correa; FARENZENA, Vanessa. Educação Popular numa Perspectiva de Formação Continuada de Educadores do MST. Disponível em https://www.google.com.br/coral.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/016e5.pdf

TANCREDI, Regina Maria Simões Puccinelli - Aprendizagem da docência e profissionalização – elementos de uma reflexão. Coleção UAB – UFSCAR Pedagogia, 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TORRA, Carlos Henrique Martins. A Formação Continuada dos Professores da Educação Básica no Espaço Escolar e a Concepção Colaborativa de Conhecimento na sua Articulação Prática com a Base Epistemológica Transumanista. Dissertação. (Mestrado em Educação). PUC-PR, Curitiba, 2014.

VAILLANT, Denise; MARCELO, Carlos. Ensinando a Ensinar: As quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Desafio da Qualidade da Educação: Gestão da sala de aula. Libertad – Centro de pesquisa, Formação e Assessoria Pedagógica. 2014. Disponível em http://www.celsovasconcellos.com.br/Download/CSV-Desafio_da_Qualidade.pdf. Acesso em 13/set/2018.

VEENMAN, Simon. El Proceso de Llegar a ser Profesor: Un análisis de la formación inicial. In: VILLA, Alberto (Coord.). Perspectivas y Problemas de la Función Docente. Madrid: Narcea, 1988, p. 39-68.

VIEIRA, A. M. D. P.; GUEBERT, M. C. C.; FILIPAK, S. T. Formação Continuada de Professores da Educação Superior. Olhar de Professor, Ponta Grossa, 15(2): 337-351, 2012. Disponível em < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id > . Acesso em: 29 set/ 2017.

WESZ, Liziani Mello. Os Professores Iniciantes e o Uso das Mídias Digitais nas Práticas Educativas. Dissertação (Mestrado em Educação), UFMT – Campus Rondonópolis, 2016.

ZABALZA, Miguel A. Diários de Aula: Contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto: Porto Editora, 1994.

___. Qualidade em Educação Infantil. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

___. Diários de Aula: Um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.