Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Mudança de uso da terra em Páramo Andino e efeitos no sequestro de carbono
HIPOLITO MURGA ORRILLO, Idelso Sanchez Irigoín, Francisco de Almeida Lobo

Última alteração: 04-12-18

Resumo


Conhecer as variações da cobertura vegetal e de sequestro de carbono nos Páramos Andinos por atividade antrópica é relevante para implementar estratégias de conservação. Objetivou-se determinar o carbono (C) da matéria orgânica da parte vegetal (MOv), matéria orgânica no solo (MOs), e registrar a vegetação atual nas áreas de Páramos Andino em diferentes usos da terra. Delimitou-se áreas em uso de pastagens (AUP), uso florestal (AUF) e uso natural (AUN), nestas áreas coletou-se amostras de solo e de estruturas vegetais, para determinar a MOv e MOs e estimar o conteúdo de C, também registrou-se a vegetação dominância atual nestas áreas. A AUP apresentou 3,7 e 228,8 t.C.ha-1, a AUF 125,6 y 195,6 t.C.ha-1 e a AUN 11,4 e 155,8 t.C.ha-1 na MOv e na MOs respectivamente. A vegetação dominante na AUF foi Pinus patula; em AUP foram Lolium cajamarcae, Pennisetum clandestinum, Trifolium repens, T. pratense, e Rumex sp.; em AUN foi Stipa ichu. A mudança de uso da terra elimina a vegetação natural, em AUP em sua implantação, e em AUF por competência do P. patula durante seu desenvolvimento. Os Paramos Andinos são fontes de regulação hídrica e biodiversidade endêmica, por isso devem ser áreas de conservação.

Palavras-chave: Páramo Andino, matéria orgânica, conservação.