Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Saberes e Fazeres Docentes: um olhar sobre as práticas pedagógicas da área de ciências humanas da escola de Mata-Cavalo
Gonçalina Eva Almeida de Santana, Suely Dulce de Castilho

Última alteração: 02-10-18

Resumo


Este texto refere-se a uma pesquisa realizada no programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de Pesquisa Movimentos Sociais, Política e Educação Popular, da Universidade Federal de Mato Grosso. A problemática se inseriu no contexto da Educação Escolar Quilombola. A legislação da referida modalidade de ensino preconiza que a educação escolar quilombola necessita considerar aspectos importantes na prática pedagógica tais como: fundamentar-se, informar-se, alimentar-se da memória coletiva da comunidade quilombola, da língua, das práticas culturais, das tecnologias, das narrativas orais, dos festejos, entre outros. Em outras palavras, precisa mediar o saber cientifico com os saberes locais. Diante disso, este estudo teve como finalidade, compreender as práticas pedagógicas utilizadas pelos professores da área de Ciências Humanas da Escola Quilombola Tereza Conceição Arruda, localizada no Quilombo Mata Cavalo, Nossa Senhora do Livramento/MT, com centralidade na observação do processo de articulação do conhecimento científico e os conhecimentos tradicionais quilombolas em seu contexto sócio-histórico-cultural. A pesquisa se insere na abordagem qualitativa, com emprego do método etnográfico, proposto por Geertz (1989). Teoricamente este estudo está ancorado em Stuart Hall (2006), Munanga (1994); Décio Freitas (1978), Castilho (2011), Freire (2016), Canen (1997), Tardif (2003), dentre outros. Os instrumentos de coleta de dados foram: observação participante, registro no diário de campo, conjugado a outros instrumentos: fotografias, documentos, entrevistas semiestruturadas e história de vida. Os fazeres pedagógicos dos professores permitiram entrever a existência de esforços por parte dos mesmos, no sentido de realizar uma educação contextualizada e articulada com os saberes científicos, apesar das condições adversas em termos de infraestrutura, recursos e materiais pedagógicos. Percebe-se também que as materializações das políticas públicas para a Educação Escolar Quilombola caminham a passos tímidos, sem dialogar e assegurar condições dignas de trabalho e formação profissional, comprometendo o desenvolvimento da pedagogia quilombola de acordo com a preconizada pelas legislações Federais e do Estado de Mato Grosso que tratam do tema. Os resultados da pesquisa em termos gerais poderão subsidiar políticas públicas para formação de professores nas Escolas Quilombolas.

Palavras-chave


Educação Quilombola. Formação de Professores. Saberes e fazeres docentes.

Referências


BRASIL. Resolução CNE/CEB N.º 08/2012, de 20 de novembro de 2012. Disponível em <http://www.seppir.gov.br/arquivos-pdf/diretrizes-curriculares>. Acesso em 23 de junho de 2017.

CANEN, ANA - Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1997

CASTILHO, Suely Dulce de. Quilombo Contemporâneo: educação, família e culturas. Cuiabá, EdUFMT, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

Freitas, Décio, Palmares – A Guerra dos Escravos, Graal, Rio de Janeiro, 1978.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas LTC: Rio de Janeiro, 1989.

­­­­­­­­ MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico dos quilombos em África. In: MOURA, Clóvis (Org.). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EdUFAL, 2001.

SEDUC Mato Grosso. Orientações Curriculares para Educação Escolar . Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

HALL, S. "Minimal Selves", in Identity: The Real Me. ICA Document 6. Londres: Institute for Contemporary Arts, 1987.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2003.