Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Adaptação do índice PET (Temperatura Fisiológica Equivalente) em parques na cidade de Cuiabá
KARYN FERREIRA ANTUNES RIBEIRO, FLAVIA MARIA DE MOURA SANTOS

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Estudos em ambientes abertos nas grandes cidades demostram que a urbanização tem influenciado no microclima local e consequentemente no conforto térmico e na qualidade de vida dos habitantes. Nesse contexto, o presente estudo tem por objetivo adaptar o índice de conforto térmico denominado Temperatura Fisiológica Equivalente (PET), para espaço aberto (parques), localizado na cidade de Cuiabá-MT. Serão realizadas medições de variáveis microclimáticas urbanas, coleta de variáveis individuais e subjetivas e tratamento dos dados obtidos. As variáveis estudadas serão coletadas por meio de um abrigo meteorológico portátil (temperatura e umidade do ar, velocidade e direção do vento) e serão realizadas simultaneamente questionários de variáveis subjetivas (percepção de sensação térmica e avaliação de conforto térmico) e variáveis individuais (vestimenta, idade, peso, altura, sexo, etc.). Será confeccionado um abrigo para o termômetro de globo, na cor cinza a partir de informações encontradas na literatura. Os dados serão coletados em dias representativos em dois períodos, quente-seco e quente-úmido, durante os anos de 2018 e 2019. A amostra será aproximadamente de 400 entrevistados. Os dados obtidos em campo, assim como os valores de PET calculado, serão tratados estatisticamente utilizando-se análise descritiva e regressão logística ordinal. Espera-se que os resultados indiquem que a metodologia adotada seja satisfatória para a obtenção dos índices de conforto térmico PET para a cidade de Cuiabá-MT, e assim contribuir para melhor esclarecimento de percepção térmica em ambientes abertos, auxiliando o poder público em projetos urbanísticos sobre esse assunto.


Palavras-chave


Conforto térmico, urbanização e dados meteorológicos.

Referências


HIRASHIMA, S. Q. S. Calibração do índice de conforto térmico temperatura fisiológica equivalente PET para espaços abertos do município de Belo Horizonte, MG. 2010, 225f. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

MONTEIRO, L. M. Modelos preditivos de conforto térmico: quantificação de relações entre variáveis microclimáticas e de sensação térmica para avaliação e projeto de espaços abertos. 2008. 382 f. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura e do Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

NINCE, P. C. do C.; SANTOS, F. M. de M.; NOGUEIRA, J. de S.; NOGUEIRA, M. C. D. J. A. Conforto térmico dos usuários em vegetação e revestimentos urbanos no campus da UFMT em Cuiabá-MT. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 4, 2014.