Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Uniformidade e classificação de sementes de girassol em função da espessura
Dryelle Sifuentes Pallaoro, Antônio Renan Berchol da Silva, Elisangela Clarete Camili, Maria de Fátima Barbosa Coelho

Última alteração: 23-10-18

Resumo


A semeadura é uma das mais importantes etapas durante o processo produtivo das culturas pois determina a distribuição das sementes à campo. Para a cultura do girassol essa etapa ganha destaque pois a população de plantas adotada é baixa, assim, desuniformidade e falhas no estande de plantas podem ocasionar significativas perdas de produtividade. Na semeadora a disco, a irregularidade na distribuição de sementes, pode ocorrer em função do tamanho e formato da semente, bem como pela elevada velocidade de semeadura. Desta forma, objetivou-se avaliar a uniformidade de sementes de girassol, quanto a sua espessura e propor uma reclassificação. Sementes de girassol (SYN 045), peneira G1, foram homogeneizadas e reclassificados manualmente, através da passagem por jogo de peneira sobrepostas, de crivo oblongo. As dimensões dos crivos de cada peneira utilizada e as classes obtidas foram: 22 x 4,5 mm (espessura > 4,5 mm); 22 x 4,0 mm (espessura entre 4,0 - 4,5 mm); 22 x 3,5 mm (espessura entre 3,5 - 4,0 mm); 22 x 3,0 mm (espessura entre 3,0 - 3,5 mm); fundo (espessura < 3,0 mm). Após reclassificação, calculou-se a porcentagem de sementes em cada classe e a esfericidade (ϕ). Foi realizada ainda a caracterização biométrica, medindo-se com auxílio de paquímetro digital, o comprimento, largura e espessura de 30 sementes por classe. Para obtenção do peso por semente, oito repetições de 100 sementes foram pesadas para posterior cálculo do peso unitário. Calculou-se ainda a média, desvio padrão, coeficiente de variação e valor máximo e mínimo dos dados biométricos. Observou-se que aproximadamente 70% das sementes foram retidas na peneira de 4,0 mm, no entanto, haviam sementes com espessura superior a 5,0 mm. A heterogeneidade no tamanho das sementes de um mesmo lote pode influenciar na regulagem da semeadora, principalmente na escolha do disco assim, essa variação no tamanho, pode aumentar a ocorrência de espaçamentos falhos e duplos devido ao não preenchimento do orifício do disco pela falta de acomodação ou pelo preenchimento do alvéolo por duas sementes de menor tamanho. Em relação a esfericidade, observou-se que o aumento na espessura foi acompanhado pela elevação na porcentagem de esfericidade. Ao comparar a espessura com o comprimento e a largura nas diferentes classes, foi possível constatar que o aumento na espessura não foi acompanhado pelo aumento no comprimento e na largura, não havendo padrão biométrico para estas características. Quanto ao peso por semente, seu aumento foi acompanhado pela elevação na espessura assim, sementes espessas foram mais pesadas sendo que o maior coeficiente de variação ocorreu para a variável peso. O coeficiente de variação foi superior para sementes não reclassificadas. As sementes originárias da região central do capítulo de girassol, geralmente são menores e possuem formato mais afilado em relação aquelas oriundas das extremidades dificultando a formação de lotes homogêneos. Portanto, as sementes comerciais apresentam elevada heterogeneidade em relação as características biométricas sendo que a reclassificação em função da espessura diminui a variação de tamanho, possibilitando a formação de lotes mais homogêneos.


Palavras-chave


biometria, esfericidade, Helianthus annuus L.